Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner – a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege.

Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que seu nome está na lista dos indicados. Se eles assistirem a “Tina”, o novo documentário sobre a vida da cantora exibido no Festival de Berlim deste ano, eles não terão como deixar de consagrar uma das maiores artistas de todos os tempos.

O filme de Daniel Lindsay e T. J. Martin – ganhadores do Oscar de Melhor Longa de Documentário em 2012 por “Undefeated” – apresenta uma retrospectiva da trajetória da cantora, que teve uma das maiores improváveis carreiras da música.

Sobrevivendo a um relacionamento abusivo e todo o tipo de preconceito na indústria fonográfica, ela encontrou sucesso global com o disco “Private Dancer”, de 1984 – poucos meses antes de completar 45 anos.

Para os fãs, “Tina” deve chover no molhado e contar pouco de novo sobre Tina, mesmo porque seu material-base já foi contado em múltiplas mídias: sua autobiografia de 1986, a adaptação cinematográfica da mesma lançada em 1993 e seu espetáculo musical de 2018 já deram conta de remontar sua carreira para o grande público.

A parte com mais material inédito, por assim dizer, talvez seja a sua vida pacata de artista aposentada na Suíça, ao lado do marido, o executivo musical alemão Erwin Bach. No entanto, para além da óbvia felicidade de ter encontrado um amor saudável e saborear todas as suas conquistas prévias, não há muito o que um filme abordar nesta parte de sua vida – tratada aqui quase como um epílogo.

ACIMA DE TUDO, A FORÇA DA MÚSICA


Ao invés disso, “Tina” é mais rico quando remonta passagens já conhecidas do cânone turnesco: o talento quase animalesco que já vinha de sua juventude, os inúmeros abusos sofridos pela mão de seu ex-marido e ex-parceiro musical Ike Turner, a explosiva entrevista que expôs sua história ao mundo e o esforço hercúleo da cantora para se estabelecer como artista solo.

A entrevista em questão, publicada em 1981, surge como ponto inicial de um filme que explicita e explora a grande contradição sobre Turner: ao contar sobre seu relacionamento abusivo para o mundo como uma forma de se libertar, ela virou escrava de uma história tão ubíqua e tão irresistível que sua carreira, de certa forma, nunca escapou de sua sombra.

Com tanta violência física e psicológica em seu passado, não é de se espantar que Tina tenha profundo desprazer em revisitá-lo. Porém, mesmo afirmando isso diversas vezes no decorrer dos anos, a mídia continuou a forçá-la a revivê-lo.

Hoje, em sua mansão na Suíça, ela diz querer recontá-la novamente, uma última vez, “para esquecê-lo” – e é possível compreendê-la. O que se espera do mundo é que consagre a força de sua música e de sua performance – que são incontestes a despeito dos percalços de sua vida. Dito isto, essa inclusão no Hall da Fama do Rock sai quando?

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...

‘The White Fortress’: contexto social da Bósnia fortalece romance juvenil

"The White Fortress", novo filme de Igor Drljača, é um longa multifacetado que tem a chance de seduzir diversos tipos de espectadores. Apresentado na mostra Generation 14plus do Festival de Berlim deste ano, a co-produção Bósnia e Herzegovina-Canadá é um sensível...

‘La Mif’: devastador drama social aposta em narrativa ousada

"La Mif", nova produção do diretor Fred Baillif (“Tapis Rouge”), é um drama social devastador - ainda que não da maneira comumente vista em filmes do gênero. Ganhador do prêmio de Melhor Filme da mostra Generation 14plus do Festival de Berlim deste ano, o longa da...

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...