Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a escolha narrativa de “Dois Estranhos”, mas, ao mesmo tempo, me sinto incomodada com a violência gráfica.

Disponível na Netflix, o curta-metragem dirigido por Trevon Free e Martin Desmond Roe acompanha um dia na vida de Carter (Joey Bada$$) que se repete, invariavelmente trazendo um final trágico para ele. “Dois Estranhos” se apoia no preconceito presente – tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil – nas abordagens policiais com pessoas negras e os diretores utilizam situações que são o cotidiano de muitos jovens periféricos para provocar reflexões dolorosas.

O que sabemos sobre o personagem principal é que se trata de um designer de jogos, que mora com seu cão e passou a noite anterior com uma mulher que o fascina. Nada que justifique o tratamento dado a ele pela polícia a não ser por um fator: a cor de sua pele. Desde o primeiro frame em que ele está presente, a ambientação deixa claro de que há algo errado.

Seja por meio do close em seu rosto, a movimentação de câmera como se ele estivesse caindo da cama ou a conversa fiada que tenta jogar em seu affair: há algo estranho no ar que vai nos embrulhando o estômago até o momento em que o policial o aborda e somos testemunhas de seu assassinato.

LOOP INQUEBRANTÁVEL DE DOR E PRECONCEITO

E é nesse ponto que “Dois Estranhos” começa a assumir tons irresponsáveis, adotando gatilhos que servem ao lado sociológico, mas a troco de quê? Carter é o retrato do jovem negro preso na teia de racismo estrutural, e, independentemente de suas escolhas, haverá um alvo em suas costas. O roteiro de Trevon Free deixa isso explícito em todos os instantes.

Afinal, assim como em “Feitiço do Tempo”, “Palm Springs” e “A Morte Te Dá Parabéns”, cada assassinato de Carter o leva a repetir o fatídico dia e, consequentemente, a tentar sair dessa situação que é quando ele mais se afunda.

A grande questão é que, dado o momento em que vivemos, podemos ter esperança de que haverá um final bom e pacífico? Ou estamos presos num loop inquebrantável de dor e preconceito? Essas e outras questões nos permeiam, mas vê-las em tela de forma tão brutal e cruel chega a ser incômodo, perturbador e perigoso. A percepção que se desperta é a de que um assunto tão delicado e sério foi utilizado como lobby, já que o filme é um dos favoritos na corrida do Oscar.

Dessa forma, por mais boas intenções que “Dois Estranhos” tenha, a sensação de que algo desagradável as supera.

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...

‘The White Fortress’: contexto social da Bósnia fortalece romance juvenil

"The White Fortress", novo filme de Igor Drljača, é um longa multifacetado que tem a chance de seduzir diversos tipos de espectadores. Apresentado na mostra Generation 14plus do Festival de Berlim deste ano, a co-produção Bósnia e Herzegovina-Canadá é um sensível...