Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a escolha narrativa de “Dois Estranhos”, mas, ao mesmo tempo, me sinto incomodada com a violência gráfica.

Disponível na Netflix, o curta-metragem dirigido por Trevon Free e Martin Desmond Roe acompanha um dia na vida de Carter (Joey Bada$$) que se repete, invariavelmente trazendo um final trágico para ele. “Dois Estranhos” se apoia no preconceito presente – tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil – nas abordagens policiais com pessoas negras e os diretores utilizam situações que são o cotidiano de muitos jovens periféricos para provocar reflexões dolorosas.

O que sabemos sobre o personagem principal é que se trata de um designer de jogos, que mora com seu cão e passou a noite anterior com uma mulher que o fascina. Nada que justifique o tratamento dado a ele pela polícia a não ser por um fator: a cor de sua pele. Desde o primeiro frame em que ele está presente, a ambientação deixa claro de que há algo errado.

Seja por meio do close em seu rosto, a movimentação de câmera como se ele estivesse caindo da cama ou a conversa fiada que tenta jogar em seu affair: há algo estranho no ar que vai nos embrulhando o estômago até o momento em que o policial o aborda e somos testemunhas de seu assassinato.

LOOP INQUEBRANTÁVEL DE DOR E PRECONCEITO

E é nesse ponto que “Dois Estranhos” começa a assumir tons irresponsáveis, adotando gatilhos que servem ao lado sociológico, mas a troco de quê? Carter é o retrato do jovem negro preso na teia de racismo estrutural, e, independentemente de suas escolhas, haverá um alvo em suas costas. O roteiro de Trevon Free deixa isso explícito em todos os instantes.

Afinal, assim como em “Feitiço do Tempo”, “Palm Springs” e “A Morte Te Dá Parabéns”, cada assassinato de Carter o leva a repetir o fatídico dia e, consequentemente, a tentar sair dessa situação que é quando ele mais se afunda.

A grande questão é que, dado o momento em que vivemos, podemos ter esperança de que haverá um final bom e pacífico? Ou estamos presos num loop inquebrantável de dor e preconceito? Essas e outras questões nos permeiam, mas vê-las em tela de forma tão brutal e cruel chega a ser incômodo, perturbador e perigoso. A percepção que se desperta é a de que um assunto tão delicado e sério foi utilizado como lobby, já que o filme é um dos favoritos na corrida do Oscar.

Dessa forma, por mais boas intenções que “Dois Estranhos” tenha, a sensação de que algo desagradável as supera.

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...