A 24 horas de La Mans é uma das corridas mais tradicionais do mundo automobilístico. Uma prova de velocidade, técnica e resistência que acontece todos os anos na França e onde, nos anos 1960, a Ford Motors Company fez história. É com este pano de fundo e na disputa entre as gigantes Ford e Ferrari que a cinebiografia dirigida por James Mangold (“Logan” e “Johnny & June”) vai narrar a história de duas figuras lendárias das corridas, Ken Miles e Carroll Shelby em uma jornada de montar um carro veloz, capaz de vencer a atual campeã italiana e finalizar a prova no lugar mais alto do pódio.

“Ford Vs Ferrari” é um espetáculo na arte de captar a essência das competições, capaz de envolver seu público pelas cenas de pura adrenalina e tensão desde a montagem do veículo, até o dia da corrida. Christian Bale, mais uma vez irreconhecível em seu personagem, é coroado como um gigante na arte de interpretar, ao perder todos os quilos de “Vice”, provar e criar um personagem apaixonado, seja pelos carros, pela família e pelas competições. Caros leitores, Bale merece uma indicação ao Oscar 2020 pela performance e por tornar a obra mais do que um simples filme baseado em fatos reais, mas uma obra intensa, o puro cinemão de ação em sua essência.

Ken Miles (Christian Bale) é um piloto britânico experiente, vitorioso, mecânico apaixonado, mas um tanto temperamental. Ele é chamado pelo amigo, o empreendedor (lenda viva do automobilismo) Carroll Shelby (Matt Damon) para um desafio considerado impossível: montar um carro da Ford, mais veloz que da concorrente Ferrari e vencer a 24 horas de Le Mans. Na época, a montadora italiana era a referência em vencer a competição, mas estava quebrada financeiramente. A Ford, por sua vez, precisava superar sua concorrente não só nas vendas, como também pôr um carro para competir e vencer a atual campeã.  Para isso, Lee Lacocca (Jon Bernthal) responsável pelo marketing da Ford, procura o campeão da competição, Shelby. Contrariando a ganância de Henry Ford 2, Ken e Carroll vão criar o Ford GT40 e expor em tela a hipnotizante paixão pela velocidade e a forma envolvente de vencer os desafios.

DE TIRAR O FÔLEGO

“Ford vs Ferrari” tem diversos fatores que o tornam um belo filme. Primeiro, Mangold sabe usar a boa história que tem em mãos, começando pelo roteiro enxuto, coeso, preocupado em pôr em tela os sentimentos de seus protagonistas, com excelentes arcos dramáticos. Suas mais de duas horas de filme são essenciais para dar ao time principal um desenvolvimento focado em criar um vínculo afetuoso com o espectador

Noah Jupe e Caitriona Balfe como Pete e Mollie Miles, respectivamente, são o ponto de afeto e segurança ao personagem de Bale. Como o próprio cineasta disse em entrevista, sua história não é exclusiva para os amantes do automobilismo, mas sim para envolver o grande público, deixando de lado a linguagem técnica, utilizando, sempre que possível, o didatismo e dinamismo das interpretações para nos fazer entender os conflitos internos existentes dentro da trama, principalmente quando expõe a ganancia dos administradores da Ford. É um exemplo de como a dupla não venceu apenas as adversidades externas da grande competição, como também contra a ganância dos membros da Ford.

Mangold é meticuloso em suas escolhas técnicas, com ótimos planos, sequências eletrizantes, muita profundidade de campo durante as competições e planos fechados ao filmar Ken Miles com suas feições de pura entrega e emoção. A fotografia é belíssima, mas nada supera a montagem cirúrgica. Nas cenas de competição, se torna quase impossível notar a troca de planos, nos prendendo apenas à emoção e sensações. É provável que esteja entre os indicados ao Oscar do ano que vem, como prevê o Cine Set.

Christian Bale e Matt Damon são puro carisma e química, a personificação de uma longa amizade que compartilha a paixão, o sonho e a dedicação ao automobilismo. Damon está bem na pele de Carroll Shelby, simpático, brincalhão e estrategista, consegue gerir uma equipe e controlar o gênio difícil de seu parceiro de jornada, Ken. São deles as cenas mais engraçadas do filme e também as mais emocionantes.

O experiente Damon consegue dar vida a lenda que foi Shelby, mas quem brilha mesmo é Christian Bale. Magro, com um rosto quase cadavérico, bronzeado e com o seu sotaque familiar, ele dá vida ao piloto com leveza, precisão e facilidade e nos dá de presente uma interpretação poderosa. Suas expressões sérias, olhar marejado e rosto ranzinza, faz em tela o que ninguém faz como ele, desaparece como astro e aparece como um piloto/mecânico capaz de quebrar recordes e emocionar o seu público.

Único defeito do filme é ter um final anticlimático, quebrando rápido demais e finalizando de uma forma agridoce, sem o peso do filme que ele vinha sendo. Ao final, “Ford vs Ferrari” é sobre a jornada de dois homens que conseguiram realizar sonhos, vencer desafios e fazer história.  

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...