Após fechar um período de 10 anos no cinema, a Marvel prepara a nova leva de super-heróis que irão ficar no imaginário das próximas gerações. Ao finalizar “Vingadores: Ultimato”, já era óbvio que o estúdio comandado por Kevin Feige já tinha em mente o que fazer com todos aqueles personagens que haviam surgido nestes dois últimos anos como “Pantera Negra” e “Capitã Marvel”, por exemplo.

No entanto, faltava uma figura que conseguisse unir novamente, aos olhos do público, o grupo de heróis mais forte do universo. E é neste ponto que reside boa parte do arco dramático do jovem Peter Parker (Tom Holland) neste “Homem Aranha: Longe de Casa”. A produção, porém, é apenas mais um “filme de herói”, com seus já delimitados arcos e preocupações, como salvar o mundo, mas chama a atenção pelos diálogos e temáticas de “coming of age” e de fake news que tenta trabalhar.

Começando um pouco depois dos eventos que ocorreram em “Ultimato”, “Longe de Casa” insere Peter Parker em um mundo ainda lidando com as consequências deixadas pelo estalar de dedos de Thanos. Ao mesmo tempo, mostra também as preocupações de um adolescente: se divertir e conquistar a garota de seus sonhos, nesse caso, Mary Jane (Zendaya). Evidente, é claro, que uma força além da compreensão do Homem Aranha e de Nick Fury (Samuel L. Jackson) irá surgir. Entra em cena Quentin Beck, o Mysterio (Jake Gyllenhaal), para tentar ajudar os dois contra a força dos “Elementais”, seres de outro mundo que usam os quatro elementos para causar destruição.

Novo Líder, Novas Responsabilidades

O que mais chama atenção em “Homem-Aranha: Longe de Casa” são as conversas entre os personagens, algo incomum em um gênero que investe em grandes sequências de ação para dar força aos seus filmes. As angústias de Peter Parker são bem apresentadas no roteiro de Chris McKenna e Erik Sommers. Parker tem apenas 16 anos e “do nada” deve agir como uma das pessoas mais responsáveis e cheias de responsabilidades do mundo. 

A relação que Peter e Tony Stark tinham, e a falta que ela traz, é apresentada a todo momento no filme, seja através de falas, seja em murais expostos em diferentes cidades no mundo. O Amigo da Vizinhança não se vê como algo além disso mesmo: uma espécie de herói preso ao seu universo particular em Nova York. As ambições de Peter estão no limite do que alguém de 16 anos busca e é inevitável que ele queira dar um tempo em querer salvar o mundo para poder salvar a juventude que define uma pessoa da idade dele.

Nesse conflito entre o que Peter quer e o que Nick Fury deseja, e por tabela o que o mundo espera, que define boa parte do peso de “Longe de Casa”. Logo, quando surge Mysterio, e Peter vê ali uma espécie de “próximo Tony Stark”, ele começa a querer passar suas responsabilidades para aquela nova figura paterna e acolhedora que surge.

O elenco de “Homem-Aranha: Longe de Casa” expressa esse duelo muito bem a começar por Tom Holland em um misto de insegurança e ingenuidade bem construídos para Peter Parker. No momento em que ele passa a assumir as obrigações que tanto lhe são impostas por todos ao seu redor, uma primeira comparação é com os trejeitos de Robert Downey Jr. para Stark, mas aqui Holland traz características próprias para Parker.

Já Jake Gyllenhaal prova aqui ser um dos atores mais versáteis na história recente do cinema. Se o ator consegue trazer carisma e peso emocional para um dos vilões mais genéricos dos últimos anos, fica difícil dizer o que ele não consegue fazer. Indo do drama à paródia em um piscar de olhos, ele não desperdiça seu talento neste projeto.

O elenco secundário também consegue segurar as pontas dando destaque para Zendaya como Mary Jane e sua personalidade alternativa e misteriosa, e, claro, Jacob Batalon como o sempre divertido Ned.

Fake News e a necessidade de se acreditar em algo

Mesmo que o foco do filme seja criar um novo líder para os Vingadores, “Longe de Casa” também constrói sua narrativa em cima do universo das fake news. A forma de olhar para um episódio e as diferentes narrativas que surgem, dependendo do ponto de vista, são um ponto chave da discussão do filme para o mundo em que vivemos.

“O mundo precisa acreditar em algo” é uma fala recorrente nas falas do vilão, situando aí o momento atual onde forças extremistas utilizam as mídias sociais para trazer seu lado da história e distorcendo a noção da realidade para boa parte do público.

Neste sentido, “Homem-Aranha: Longe de Casa” é bastante positivo por aliar este discurso com um filme de sequência, não deixando para o espectador apenas uma história sobre “ser o novo Homem de Ferro”, mas também sobre os perigos do mundo em que estamos vivendo.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...