“Um homem não pode se dar por satisfeito até ter feito tudo para servir ao seu patrão”.

Esta frase, dita pelo mordomo James Stevens (Anthony Hopkins) poderia muito bem resumir tudo que o clássico “Vestígios do Dia” (1993) retrata em suas mais de duas horas de filme. No entanto, esta obra-prima do diretor James Ivory vai além de uma produção que retrata a vida do proletariado na fria e aristocrática Inglaterra em meados de 1933.

“Vestígios do Dia” é um filme grandioso por essência, com a mais triste história de amor. É sobre relações humanas deixadas a último plano em nome de uma dedicação exacerbada. É sobre questões sociais e históricas. É sobre se anular até não ter mais outra escolha.

O filme conta a história do mordomo-chefe de Darlington Hall, Sr. Stevens (Hopkins). O protagonista leva uma vida dedicada aos deveres da mansão e vive em função de seu patrão, Lorde Darlington (James Fox). Tudo muda quando, certo dia, o aristocrata contrata a governanta Mary Keaton (Emma Thompson). Mesmo com seu jeito polido e muitas vezes frio, Sr. Stevens nutre um sentimento por Miss Keaton, sem se dar conta que é correspondido.

Como pano de fundo, temos uma mansão histórica, palco de decisões e reuniões pré-Segunda Guerra, com fortes discursos em favor ao nazismo. A narrativa, desenvolvida de maneira magistral, leva o espectador a acompanhar também a relação de Sr. Stevens com seu pai, William Stevens (Peter Vaughan), oferecendo logo no primeiro ato, um pouco da personalidade do protagonista e de como eles mantém um elo de servidão aos seus senhores.  

“Vestígios do Dia” tem toda sua parte técnica desenvolvida com excelência. O roteiro de Ruth Prawer Jhabvala é magnifico ao conseguir narrar histórias diferentes e organizar as subtramas, mantendo o mordomo sempre ao centro. Os enquadramentos são meticulosamente executados, assim como a belíssima trilha sonora e fotografia.  

GRANDIOSO POR NATUREZA

A obra de James Ivory é sobre um homem comum, com feições sofridas envolta do silêncio de tudo que ele não diz. Aqui, Hopkins brilha mais uma vez em uma atuação monstruosa e inesquecível. É difícil conferir a obra e não lembrar do recente “A Esposa”, pois, o longa estrelado por Glenn Close bebe da fonte da atuação de Hopkins.

Ao acompanhar sua história de amor mudo, sem habilidade alguma de escolha ou senso crítico, o espectador fica sem ar por muitas vezes durante a projeção. Emma Thompson também merece todos os elogios por sua Sra Keaton, completamente o oposto de seu objeto de afeição. Ela é viva, dedicada, amorosa e apaixonada. Seu olhar, voz mansa e direta dão todo toque de realidade a sua personagem.

“Vestígios do Dia” é um fascinante drama sem a pretensão de ser um clássico; ele se torna grandioso durante a sua projeção de uma maneira natural.  Sua narrativa é lenta e pontual, sem nunca ser enfadonha. A obra é uma crítica social ferrenha ao estilo de vida dos ingleses e seu tratamento com seus serviçais. Com personagens excepcionais, complexos, que expõem um conflito entre as classes sociais e sobre as relações, tem um final digno de deixar qualquer coração de gelo aos prantos, fiel à realidade e mesmo com alguns clichês, consegue ser um filme inesquecível, triste e bonito.

10 Anos de ‘Os Vingadores’ e o último suspiro antes de tudo piorar

Ah, 2012… Tempos mais simples. Ascensão do neofascismo? Pfff, não fala besteira. Pandemia mortal? Ha ha ha, faça-me rir. Tempos em que Tony Stark, um playboy bilionário, ainda podia ser visto através de um véu romântico que o punha na mesma linhagem de um Howard...

‘Vidas em Jogo’: a elegância da direção de David Fincher

"Vidas em jogo" passeia pelo suspense e ação com maestria. A obra de David Fincher, lançada há 25 anos, mantém um ritmo viciante desde o início, embora se alongue em alguns momentos. Nicholas Von Orton (Michael Douglas) é um ricaço que possui uma vida entediante e...

‘O Que é Isso, Companheiro?’: a ditadura militar na estrutura do cinema de ação

Enquanto assistia ao clássico filme de Bruno Barreto, fiquei pensando em quantas narrativas populares conseguem abordar a ditadura militar e na importância destas para desmistificar as ações governamentais desenvolvidas neste período. Baseado na obra homônima de...

‘Onde os Fracos Não Têm Vez’: o homem como fruto do caos

“Onde os Fracos Não Têm Vez” é um daqueles filmes que te perturba durante dias. E a cada lembrança te leva por outros caminhos que até então não tinha despertado em você naquele momento. É um filme crescente, entenda-se, ele só se engrandece com o tempo. Grandes...

‘Os Imperdoáveis’: a ressignificação de mitos do western

Em “Os Imperdoáveis”, Clint Eastwood propõe uma ressignificação de mitos do faroeste hollywoodiano. Aqui, o lendário e aposentado assassino de aluguel William Munny, interpretado pelo próprio diretor, embarca em uma tarefa para executar dois homens, mais de 10 anos...

‘O Homem que Copiava’: o dinheiro no centro da felicidade

Fragmentado e dinâmico são as características que predominam em “O Homem que Copiava” (2003), longa-metragem escrito e dirigido pelo cineasta gaúcho Jorge Furtado. O filme conta a história de André (Lázaro Ramos), jovem porto-alegrense que, após largar a escola na...

Os 20 anos de ‘Os Outros’, de Alejandro Amenábar

A realização de um filme de terror/suspense não é umas das tarefas mais simples, pois, quase sempre os diretores caem na armadilha do óbvio em uma complexidade inexistente na obra em questão. Gritos, sussurros, fantasmas, assassino em série, morte e muito sangue: esse...

Os 20 Anos de ‘O Homem que não Estava Lá’, de Joel e Ethan Coen

A música de Beethoven sobe, a câmera fica lenta, o protagonista volta a narrar sua história de forma analítica. Aos poucos, a imagem some na tela, e vemos apenas a escuridão por alguns segundos. Abruptamente, retornamos ao filme. Essa sequência se repete algumas vezes...

‘Filhos da Esperança’: o mundo sem a voz das crianças

“É estranho o que acontece no mundo sem as vozes das crianças”.  Existem sempre aqueles filmes que conforme o tempo passa se tornam melhores, ganhando sentidos mais complexos. “Filhos da Esperança”, dirigido por Alfonso Cuáron, já era memorável quando lançado em 2006,...

20 Anos de ‘Amnésia’: o melhor filme de Christopher Nolan

Christopher Nolan é um cineasta consagrado dentro da indústria norte-americana. Desde o seu primeiro longa-metragem, Following (1999), ganhou fama de ser um diretor capaz de dar um passo além do que é oferecido pelos blockbusters mais banais.  Devo dizer que os seus...