É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes o oposto da leveza. Dependendo do quão raro é ver determinado intérprete em outro gênero, apenas em situações assim nos damos conta de que o comediante também é um ator, igualzinho aos outros, alguns melhores que os dramáticos. É claro que nem sempre funciona, mas essa mistura tende a gerar resultados provocativos.

Joias Brutas, dos irmãos Josh e Benny Safdie, é um bom exemplo desta regra, ao trazer a melhor performance de Adam Sandler em anos. Desde Embriagado de Amor sendo mais específico, filme que, coincidência ou não, também marcava a tentativa do ator de se experimentar fora das comédias mais fáceis. Daqui a pouco falo mais de Sandler, essa figura, digamos, surpreendente.

A dupla de diretores claramente jogou mais pesado neste filme do que no seu anterior, Bom Comportamento (na minha opinião, o melhor filme de 2017). As semelhanças ainda estão presentes como a trama frenética com ação do início ao fim, câmera nervosa, cores, protagonistas com distúrbio de caráter.

Só que em Bom Comportamente o personagem principal está o tempo inteiro se escondendo, tendo que ficar invisível como uma estratégia de sobrevivência, enquanto que em Joias Brutas a figura expansiva do joalheiro chama a atenção de todos para conseguir algum negócio a mais, e parece lidar bem com os afazeres cotidianos sob a mira de uma arma. Até têm personalidades parecidas, mas trabalham em registros diferentes. Em Joias Brutas, os cenários são maiores, a ação é mais ambiciosa, e há mais coisas em risco.

A trama acompanha o joalheiro Howard Ratner (Sandler), que é um trambiqueiro nato. Faz negócio com um e usa isso como garantia para outra transação, e com o lucro futuro faz apostas de dezenas de milhares de dólares, perde milhares, ganha outros, arrisca de novo, passa a perna em alguém, enquanto convive com as ameaças de pessoas que fizeram parte de negociações passadas e estão esperando seu dinheiro. No meio dessa confusão, Ratner tem acesso a uma pedra preciosa descoberta na Etiópia, que chama a atenção de Kevin Garnett (sim!), jogador de basquete, do Boston Celtics, que acredita que a joia é um amuleto que lhe ajudará na semifinal dos playoffs da NBA de 2012.

VIOLÊNCIA E CAPITALISMO AMERICANO: COMBINAÇÃO EXPLOSIVA

Dentre outras coisas, Joias Brutas é sobre o capitalismo. O capitalismo dos Estados Unidos. E por conta disso, creio eu, trata-se de um filme tão violento.

Começamos na Etiópia, a milhares de quilômetros de Nova York, e nos damos conta do quanto a influência do dinheiro determina métodos cruéis, em que qualquer individualidade razoável é suprimida pela busca pelo lucro. Só que quando chegamos na colorida América, esta crueldade é disfarçada por uma sofisticação veloz, fugidia, em que números são ditos a todo momento, porcentagens, investimento, sorte, blefe, com pessoas bem vestidas falando ao telefone.

Tudo é frenético, se perde ou ganha muito dinheiro em segundos. Negocia-se com membros da família, ou com pessoas comuns, rappers, atletas, gangsters, e somente o que importa é quanto eu serei capaz de lucrar em cima deste otário, e quanto mais adrenalina estiver envolvida nisso, ok. Uma crueldade disfarçada pela bela arquitetura da cidade, ou pela fineza das pessoas que ali moram, que esconde o mais puro individualismo, e indiferença pelo outro.

Os Safdie, com poucos filmes, já apresentam assinatura. Trata-se daqueles diretores que, ao ver 30 segundos do filme, sabemos quem dirigiu. Ainda são jovens, 35 e 33 anos, mas demonstram saber exatamente o que estão fazendo.

O estilo permanece afetado, com trilha praticamente onipresente (novamente Daniel Lopatin, com resultado extraordinário), cores marcantes através de luzes, câmera nervosa, às vezes na mão, enquadramentos fechados nos atores enquanto lidam com um problema, e percebem que outro já está batendo literalmente na porta. Às vezes soa excessivo ver três situações convergindo para o mesmo momento, com falatório dos atores, trilha de música eletrônica, câmera tremida, mas é notável o quanto os diretores conseguem estabelecer coesão para que funcione no todo. Sinal de maturidade, que sua obra precisa de atenção para ser compreendida, mesmo que a embalagem sugira apenas um filme ágil e divertido.

ADAM SANDLER BRILHANTE

Da mesma maneira que Bom Comportamento é um testemunho do talento de Robert Pattinson como intérprete, Joias Brutas é o mesmo para Adam Sandler. Aparecendo em filmes como este, Sandler demonstra que é sim um grande ator, mas que talvez prefira encaminhar sua carreira para um caminho mais confortável, ao fazer as comédias de sempre. Acho que preferiu ser milionário. Difícil criticar uma escolha como essa, talvez fizesse o mesmo. Mas não deixa de ser frustrante ver alguém com tanto talento escolhendo usar apenas uma parte de seus registros, e a que menos explora sua capacidade.

Sandler traz inconsequência ao papel, cria uma figura que aparentemente está sempre disposto a dobrar a aposta, não importa as circunstâncias. Mas é mais que isso. É alguém que. por trás dessa figura. carrega um olhar de preocupação, alguma angústia. Mas tudo isso por si mesmo, pois Ratner é um sociopata, que não se importa com ninguém. É interessante notar o olhar de Sandler para pessoas que ele precisa agradar, e as que ele precisa afastar. É transparente, mas está por trás de um véu sedutor de perfume barato, sorriso nervoso, lábia de vendedor. Trabalho espetacular, que acredito que não chegou longe em premiações por conta da crueza da violência do filme, e do seu desfecho chocante.

Dizer que é importante ficar de olho nos irmãos Safdie deixou de ser uma previsão. Eles já são reais. E me animo em ver que deram certo num projeto com mais dinheiro e ambição. Tomara que eles tenham feito um contrato de três filmes com o Sandler, porque assim eles “ajudariam” o coleguinha também.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...