“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada doméstica para conseguir sustentar a si e a filha de quase três anos, Maddy (Rylea Nevaeh Whittet).

A roteirista Molly Smith Metzler (“Shameless”, “Orange is the New Black”) utiliza esse mote para discutir temas como violência doméstica, o descaso com menos favorecidos em países de economia liberal e a luta contra a pobreza. Diante disso, a série evidencia como o sonhado American Way of Life, ainda muito propagado em grupos políticos nacionais, não só está no declínio como atingiu o seu fim.

NARRATIVA FRANCA, NATURALISTA

Por meio da denúncia da violência doméstica e dos ciclos repetitivos de abuso, Metzler expõe o quanto a nossa sociedade está adoecida e o conservadorismo contribui para isso. Esta não é uma crítica a quem é partidário a esse posicionamento, mas aos códigos socioculturais pregados por este que não se encaixam mais na contemporaneidade e sua busca por equalização das forças. Colocar em tela a violência sem ser romantizada é uma das melhores maneiras de aquecer essa discussão.

Este aspecto engrossa os acertos em “Maid”, já que a narrativa é extremamente franca, chegando a ser sentimentalmente naturalista. Alex é uma protagonista pragmática e, como condutora da história, toma suas decisões pelas necessidades que possui e não pelos sentimentos que possam predominá-la. A maior evidência disto encontra-se nas fugas dos personagens que possam oferecer perigo a Maddy. Mesmo que economicamente dependa deles, a segurança e o alicerce emocional para sua filha são prioridades.

Isso é curioso justamente pela repetição de ciclos. Tanto a personagem de Qualley quanto o parceiro abusivo, Sean (Nick Robinson), são oriundos de lares desestruturados onde a relação com álcool e doenças psicológicas não tratadas contribuíram para a formação de sua índole adulta. Enquanto Sean utiliza a criação como justificativa para seu espiral de vícios e violência, Alex tenta dar a volta por cima. Embora ambos concordem em não querer dar a Maddy o mesmo tipo de ambientação que receberam na infância, fica nítido que apenas um deles está disposto a isso.

Interfaces com a realidade

Alex se apresenta como a base familiar. Embora seja vítima da situação, ela é o esteio que se mantém firme devido ao amor que nutre pela filha, tal construção exalta e destaca Margaret Qualley. Extremamente expressiva, ela torna a personagem verossímil tanto no seu trabalho com a pequena Rylea, que é fantástico e belíssimo, passando a sensação de que há um relacionamento de anos entre ambas; quanto pela sensação que ela passa ao espectador.

Mesmo que estejamos diante de discussões relacionadas a burocracia do sistema social, a principal ênfase de Maid é a violência contra mulher, englobando, além da sofrida dentro do lar, as pequenas agressões a que somos submetidas devido ao gênero. A forma como são descritas agride a qualquer espectador atento e por isso, em muitos momentos, é difícil assistir um episódio na íntegra sem pausá-lo.

Como espectadores nos colocamos no lugar da personagem e observá-la sofrer e repetir ciclos sem poder intervir, nos faz sofrer junto com ela e ter empatia pela sua vivencia. Em vários momentos, me peguei indagando o que faria se estivesse em seu lugar, se seria tão forte e determinada quanto Alex. Essa verdade que Qualley passa na interpretação levanta reflexões quanto a reações, atitudes e até mesmo a culpa em relação a violência. Sensações que apenas enriquecem a narrativa baseada nas memórias de Stephanie Land, que passou pelas mesmas condições.

“Maid” é uma história de força acompanhada de tristeza e angústia pela situação social que a maior parte da população mundial passa. Parafraseando uma canção da Banda Eva, Metzler deixa claro que “é o fim da odisseia do American Way Life” diante de nossos olhos calejados por viver no Brasil contemporâneo. Não há como não sofrer junto.

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...

‘A Escada’: direção criativa acerta ao contar narrativa repetida

Em 2018, a Netflix colocou em seu streaming a produção documental “The Staircase”, dirigida por Jean-Xavier de Lestrade (vencedor do Oscar de melhor documentário por “Assassinato numa manhã de domingo”). A série true-crime acompanha o escritor Michael Peterson,...

‘Em Casa com os Gil’: palco de afeto e musicalidade

“Em Casa com os Gil”, nova aposta da Amazon Prime, é um convite para adentrar a casa de um dos maiores artistas da história da música e cultura brasileira, Gilberto Gil. Ali, naquele casarão em Araras (RJ), com o seu clã todo reunido, Gil abre a suas portas e...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 5: oportunidades perdidas

Quem está acompanhando as críticas de Obi-Wan Kenobi aqui no Cine Set deve ter notado que tenho considerado a personagem Reva problemática. Por quatro episódios, ela parecia malvada demais, exageradamente determinada em encontrar o herói da trama sem que houvesse uma...

‘Maldivas’: diversão inofensiva made in Netflix

Nada como uma boa diversão inofensiva, né? Tem dias que pedem (se bem que, sendo brasileira, isso é a todo momento). Foi com isso na cabeça que comecei a assistir a “Maldivas”, nova série nacional da Netflix. No caso dessa produção, é difícil desassociar-se da...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 4: série avança ao resgatar essência de ‘Star Wars

“Star Wars” nunca deve ser enfadonho. É uma das lições que a trilogia original ainda lega aos cineastas que seguem seus passos e continuam explorando o universo que George Lucas criou, seja no cinema e, agora, no streaming. Às vezes, o roteiro ou a história em si...

‘Iluminadas’: Wagner Moura brilha em série sobre misoginia nos anos 1990

Se remakes e a onda de nostalgia tem sido alguns dos propulsores da cultura pop, “Iluminadas” consegue homenagear os filmes de suspense e serial killer populares nos anos 1990. Baseada no livro homônimo de Lauren Beukes, a produção original da Apple TV+ conta com um...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 3: o retorno de Darth Vader

Bem... Sabíamos que ele iria aparecer, certo? A Disney já tinha divulgado uma foto dele antes da estreia de Obi-Wan Kenobi e a cena final da Parte 2 da minissérie praticamente garantia que veríamos ninguém menos que Darth Vader. Agora, neste novo episódio, o lorde...

‘Stranger Things 4’ – Volume 1: força do elenco move temporada

Quando “Lost” começou a ruir definitivamente, os resilientes fãs permaneceram acompanhando a série muito mais pelo apego a Jack, Kate, Sawyer, Sayid, Desmond do que pela vã esperança de que os mistérios teriam uma resolução diga. Da mesma forma ainda que (bem) longe...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódios 1 e 2

Antes de tudo, uma confissão, leitor, em nome da honestidade: eu me desliguei de Star Wars desde o final de 2019, quando fui ao cinema testemunhar o desastre A Ascensão Skywalker. Sério, o filme do J. J. Abrams conseguiu realizar a façanha de pegar meu entusiasmo pela...