“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada doméstica para conseguir sustentar a si e a filha de quase três anos, Maddy (Rylea Nevaeh Whittet).

A roteirista Molly Smith Metzler (“Shameless”, “Orange is the New Black”) utiliza esse mote para discutir temas como violência doméstica, o descaso com menos favorecidos em países de economia liberal e a luta contra a pobreza. Diante disso, a série evidencia como o sonhado American Way of Life, ainda muito propagado em grupos políticos nacionais, não só está no declínio como atingiu o seu fim.

NARRATIVA FRANCA, NATURALISTA

Por meio da denúncia da violência doméstica e dos ciclos repetitivos de abuso, Metzler expõe o quanto a nossa sociedade está adoecida e o conservadorismo contribui para isso. Esta não é uma crítica a quem é partidário a esse posicionamento, mas aos códigos socioculturais pregados por este que não se encaixam mais na contemporaneidade e sua busca por equalização das forças. Colocar em tela a violência sem ser romantizada é uma das melhores maneiras de aquecer essa discussão.

Este aspecto engrossa os acertos em “Maid”, já que a narrativa é extremamente franca, chegando a ser sentimentalmente naturalista. Alex é uma protagonista pragmática e, como condutora da história, toma suas decisões pelas necessidades que possui e não pelos sentimentos que possam predominá-la. A maior evidência disto encontra-se nas fugas dos personagens que possam oferecer perigo a Maddy. Mesmo que economicamente dependa deles, a segurança e o alicerce emocional para sua filha são prioridades.

Isso é curioso justamente pela repetição de ciclos. Tanto a personagem de Qualley quanto o parceiro abusivo, Sean (Nick Robinson), são oriundos de lares desestruturados onde a relação com álcool e doenças psicológicas não tratadas contribuíram para a formação de sua índole adulta. Enquanto Sean utiliza a criação como justificativa para seu espiral de vícios e violência, Alex tenta dar a volta por cima. Embora ambos concordem em não querer dar a Maddy o mesmo tipo de ambientação que receberam na infância, fica nítido que apenas um deles está disposto a isso.

Interfaces com a realidade

Alex se apresenta como a base familiar. Embora seja vítima da situação, ela é o esteio que se mantém firme devido ao amor que nutre pela filha, tal construção exalta e destaca Margaret Qualley. Extremamente expressiva, ela torna a personagem verossímil tanto no seu trabalho com a pequena Rylea, que é fantástico e belíssimo, passando a sensação de que há um relacionamento de anos entre ambas; quanto pela sensação que ela passa ao espectador.

Mesmo que estejamos diante de discussões relacionadas a burocracia do sistema social, a principal ênfase de Maid é a violência contra mulher, englobando, além da sofrida dentro do lar, as pequenas agressões a que somos submetidas devido ao gênero. A forma como são descritas agride a qualquer espectador atento e por isso, em muitos momentos, é difícil assistir um episódio na íntegra sem pausá-lo.

Como espectadores nos colocamos no lugar da personagem e observá-la sofrer e repetir ciclos sem poder intervir, nos faz sofrer junto com ela e ter empatia pela sua vivencia. Em vários momentos, me peguei indagando o que faria se estivesse em seu lugar, se seria tão forte e determinada quanto Alex. Essa verdade que Qualley passa na interpretação levanta reflexões quanto a reações, atitudes e até mesmo a culpa em relação a violência. Sensações que apenas enriquecem a narrativa baseada nas memórias de Stephanie Land, que passou pelas mesmas condições.

“Maid” é uma história de força acompanhada de tristeza e angústia pela situação social que a maior parte da população mundial passa. Parafraseando uma canção da Banda Eva, Metzler deixa claro que “é o fim da odisseia do American Way Life” diante de nossos olhos calejados por viver no Brasil contemporâneo. Não há como não sofrer junto.

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...

‘A Superfantástica História do Balão’: as dores e delícias da nostalgia

Não sou da época do Balão Mágico. Mesmo assim, toda a magia e pureza desse quarteto mais que fantástico permeou a infância da pessoa que vos escreve, nascida no final daquela década de 1980 marcada pelos seus excessos, cores vibrantes, uma alegria sem igual e muita...