O primeiro “M.I.B Homens de Preto” (Barry Sonnenfeld, 1997) é um filme leve, divertido, que consegue casar muito bem comédia, ficção cientifica e brincar com o grotesco sem ser forçado. Além do ótimo roteiro e direção inteligente, o filme conta com as excelentes atuações e química da dupla Will Smith e Tommy Lee Jones, na pele dos agentes da organização secreta.  

Dito isto, é aceitável que a indústria cinematográfica tenha produzido mais dois filmes com a dupla de estrelas e aposte em uma nova continuação, agora com novos atores e diretor. Neste novo filme, “M.I.B” fica a cargo de F Gary Gray (“Velozes e Furiosos 8“), que se utiliza da química já vista em “Thor: Ragnarok” da dupla Tessa Thompsom e Chris Hemsworth como os agentes M e H.  

O longa também conta com nomes de peso como Liam Neeson (agente T) e Emma Thompsom (agente O) na tentativa de fazer com que a saga respire. No entanto, após conferir “MIB Internacional”, consigo afirmar que esse reboot do clássico de 97 respira mesmo é por aparelhos.  

O longa conta a história de Molly (Tessa), que após uma experiência com um alienígena e ser testemunha do trabalho dos Homens de Preto na infância, passa seus 20 anos à procura da agência de serviço secreto. Certo dia, ela consegue rastrear o sistema MIB e, por sua sagacidade, acaba sendo aceita para um estágio na organização, tornando-se a agente M. Lá, ela conhece o agente H (Hemsworth) e, após a morte de um importante alienígena, saem em missão para capturar uma arma e impedir que caia nas mãos dos inimigos.  

Que Hollywood tem o hábito de produzir continuações dos seus grandes sucessos ao longo das décadas, chegando muitas vezes à exaustão, isso ninguém tem dúvida. Em alguns casos, como, por exemplo, as franquias “007” e “Star Wars” levam até hoje centenas ou milhares de fãs às salas de cinema, mantendo a alma dos filmes precurssores, casando com a inovação de maneira pontual e sábia.  

Uma pena que MIB não consiga obter o mesmo êxito, podendo ser comparado aos recente “Missão Impossível: Efeito Fallout”: sobra estética com efeitos visuais incríveis e falta o desenvolvimento de uma trama, no mínimo, coesa. 

GRACINHAS PARA COMPENSAR HISTÓRIA POBRE 

Recheado de referências ao clássico de 97 – a mesma jornada de descobertas e aprendizados de um novo agente, caçada aos alienígenas, utilização de armas e carros potentes -, “MIB Internacional” não fica só no título e utiliza bem seu orçamento de US$ 110 milhões, onde as missões saem de Nova York e tem como pano de fundo cidades como Paris, Londres e até Marrakech (Marrocos). O longa inova também trazendo pela primeira vez uma mulher na pele da agente protagonista M, mas nem mesmo esse símbolo de empoderamento feminino tão valorizado na sétima arte nos dias atuais, não consegue dar folego à trama. 

Um ponto positivo na obra de Gray é que ela é completamente despretensiosa em sua construção, focando simplesmente na química do casal protagonista, nas cenas de ação e no desfecho esperado. Os arcos dramáticos dos personagens não são desenvolvidos de uma forma aceitável, o roteiro é simplista e quase amador, tornando o filme uma reprodução pobre do sucesso de 1997.  

Não há uma assinatura notável na direção de Gray, a fotografia e o design de produção são meticulosos, assim como os efeitos especiais. O roteiro aposta em uma referência a Thor, quando o agente H segura um martelo e tenta desenvolver um alívio cômico, outro fator mal desenvolvido no filme. É engraçado afirmar que o único personagem que funciona é Pawny, um alienígena que simula a peça de peão do jogo de xadrez. Ele é responsável pelas falas mais engraçadas do longa. 

No mais, “M.I.B Internacional” é a prova viva que nem tudo no cinema é estética e efeitos especiais: é preciso, no mínimo, dedicar um pouquinho de tempo ao roteiro. 

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...