Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias.

Há grandes momentos da história recente em que o jornalismo/fotojornalismo, por mais sistemático ou até sensacionalista que possa parecer, usou de sua importância para indicar denúncias e abusos. Exemplos não faltam como a emblemática e poderosa imagem capturada por Nick Ut de Kim Phuc Phan Thi, garota com nove anos, andando nua e desesperada pelas queimaduras provocadas por uma bomba de napalm, na Guerra do Vietnã, em 1972. Ou de “Tomoko In Her Bath” (1971), imagem de W. Eugene Smith no desastre de Minamata. Eis aqui a nossa história.

O longa de Andrew Levitas (“A Última Canção”) narra esse período desastroso ao povo de Minamata, cidade japonesa localizada na província de Kumamoto. Centenas de milhares de pessoas morreram ou ficaram com sequelas graves por conta do envenenamento de mercúrio causado por uma empresa de produtos químicos. “Gene” Smith (Johhny Depp), ex–combatente de guerra e famoso fotojornalista da revista Life, é convocado por Aileen (Minami Hinase), uma das habitantes da região para registrar esse terror. Isso, claro, irá gerar conflitos entre os poderosos locais e os próprios militantes, em um primeiro momento.

DIVERSOS CAMINHOS NÃO APROVEITADOS

“Minamata”, enquanto denuncia, é eficaz em trazer à tona essa história e não deixar que ela seja esquecida, assim como muitos outros desastres causados pela ganância do homem: nos créditos finais há ainda fotos de muitos e muitos conflitos e protestos contra esses desastres, entre eles, o de Brumadinho, em Minas Gerais, em 2019.

Por outro lado, entretanto, o filme não se sustenta por não saber para onde ir. Levitas não consegue construir uma narrativa em que haja uma comunhão entre as partes; sempre há uma “quebra”, ainda que o contexto geral esteja em todo o filme – ora resvala na vida pessoal e no alcoolismo de Gene, ora foca na militância dos habitantes liderada com afinco por Mitsuo Yamazaki (Hiroyuki Sanada) e, depois, mira no focar no desenrolar da história da tragédia e dos conflitos ocasionados por ela.

A produção busca ser um filme político, mas acaba sendo mais um filme de denúncia. E não há problema algum em seguir este caminho, mas os artifícios são tão batidos e vistos dezenas de vezes em outros tantos filmes similares que dificilmente empolgam. Há uma necessidade urgente – aí é uma cutucada na indústria como um todo – em renovar a sua visão em filmes do tipo, especialmente quando coloca como o herói o homem branco e americano. Infelizmente, o white saviour nunca sai de moda em Hollywood.

E você deve pensar, mas o filme é baseado em fatos reais. De fato! Mas por que não contar sob a perspectiva dos japoneses?

 JOHNNY DEPP EM RARO BOM PAPEL

“Minamata” passou despercebido do público por conta de seu protagonista, Johnny Depp, por todos os problemas que são de domínio público. Todavia, o ator se despe da sua própria caricatura e nos entrega uma desempenho seguro e interessante.

As grandes empresas visam o lucro, vivemos num mundo capitalista, afinal. Na teoria, a justiça e democracia deveriam estar ao lado daqueles negligenciados, ceifados, assassinados e com vidas perdidas por conta do desespero exacerbado dos empresários em lucrar, passando por cima de vidas, histórias e rompendo com narrativas e sonhos.

Enquanto não houver leis eficazes e comprometidas tanto ao meio ambiente, quanto ao seu povo, desastres causados pelo homem como em Minamata, Brumadinho e tantos outros na história, serão cada vez mais constantes e vidas serão perdidas. Fica a reflexão, pelo menos.

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...