AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS 

Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood, ‘O Homem Invisível’ é uma grata surpresa ao revisitar um clássico buscando toques de originalidade em uma trama tão conhecida e igualmente reproduzida. O resultado é um thriller envolvente com ótimas atuações e abordagem muito bem direcionada sobre relacionamentos abusivos. 

Nesta versão, o cientista Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen) forja a própria morte e cria um traje com a habilidade de lhe tornar invisível para perseguir a ex-namorada Cecília Kass (Elisabeth Moss). Assim, diferente das outras produções, “O Homem Invisível” não acompanha o ponto de vista de seu personagem-título, mas sim da vítima, uma mudança significativa para seu desenvolvimento. 

Como diretor e roteirista, Leigh Whannell acerta em grande parte de suas escolhas. O principal deles é o foco na personagem de Elisabeth Moss: além de permitir uma nova visão sobre a história, a obra também se apoia na ótima atuação e fácil identificação com o público da estrela de sucessos como “Mad Men” e “The Handmaid´s Tale”.  

Responsável por sucessos do terror como “Jogos Mortais” e “Sobrenatural”, Whannell cede aos clichês do gênero como uso de jump scares, forte trilha e situações demasiadamente convenientes para a história seguir adiante. Tais elementos até funcionam, porém, são bem esquecíveis a longo prazo. 

FOCO CERTO DA HISTÓRIA 

Se por um lado, Whannell apela para certos artifícios fáceis do terror, por outro, ele aproveita a trama sobre relacionamento abusivo para inserir vários momentos dramáticos e alcançar maior densidade. Para mim, o grande exemplo desta boa combinação é a morte de Emily (Harriet Dyer): uma cena impactante, inesperada com um final melancólico, sendo o ponto de virada necessário para a história. 

Mesmo digno de todos esses méritos, destaco a abordagem consistente sobre relacionamentos abusivos como a grande cereja do bolo de “O Homem Invisível”. Desde o comportamento traumatizado de Cecília até a descrição da convivência com Adrian, o filme abraça o tema com responsabilidade. 

Além de focar mais no ponto de vista da vítima, a omissão de Adrian também é uma ótima escolha do roteiro. Em grande parte do filme, o rosto do personagem não é revelado ao público, assim como sua voz aos poucos é conhecida. Isto além de tornar inviável uma possível defesa do vilão também deixa seu público ter medo de um personagem pouco conhecido, mas com atitudes muito comuns a realidade de relacionamentos tóxicos.   

A escolha desta abordagem é extremamente inteligente, pois, cria uma trama única a qual se distancia do que já foi visto sobre o livro ‘O Homem Invisível’. Mesmo com os elementos excessivos do terror e algumas previsibilidades do roteiro, o longa pode ser considerado um ótimo trabalho de Leigh tanto no roteiro – área que ele domina – quanto na direção, a qual ele possui um futuro promissor. 

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...