A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa ensinar uma garota surda, muda e cega (Helen Keller) a encontrar formas de se comunicar com a família. Já em “Filhos do Silêncio” (1986), o professor vivido por William Hurt se apaixona pela enigmática jovem surda Sarah (Marlee Matlin, única atriz deficiente auditiva a vencer o prêmio da Academia). 

Agora, como seria o processo de uma pessoa perder a audição de uma hora para outra? Quais os traumas e as mudanças na vida da pessoa? Este é o ponto de partida de “O Som do Silêncio”, drama sobre o baterista Ruben (Riz Ahmed). Ao notar a piora a cada dia da deficiência auditiva, ele vê o futuro incerto ao lado de Lou (Olivia Cooke), namorada e vocalista/guitarrista da banda. Acaba que o rapaz decide ir para um local capaz de ajudar pessoas na mesma situação que ele comandado por Joe (Paul Rici), porém, as angústias continuam o perturbando. 

“O Som do Silêncio” parte de definições muito claras em sua estrutura ao basear o roteiro nas cinco fases do luto elaborada pela psiquiatra Elisabeth Kubler-Ross: negação, raiva, negociação/barganha, depressão e aceitação. Isso dentro da clássica narrativa de um novato se inserindo em uma realidade desconhecida. Diante disso, a história criada pelo diretor estreante em longas-metragens de ficção, Darius Marder, em parceria com o irmão, Abraham, passa longe de surpreender sendo até bastante previsível sobre os rumos do relacionamento entre Ruben e Lou e as decisões intempestivas tomadas pelo baterista. 

 ANGÚSTIA E EMPATIA

Cabe a Riz Ahmed e ao desenho de som serem os pontos fora da curva do filme, primordiais para a imersão do espectador na história. Conhecido pela minissérie “The Night of”, o ator encontra, finalmente, um trabalho capaz de aproveitar todo o seu talento nos cinemas. Da fúria carregada de extrema concentração ao tocar a bateria na sequência inicial de “O Som do Silêncio” não demora para os olhos de aflição dominarem a tela em uma jornada de inquietude constante e solitária quebrada apenas pela empatia acolhedora de Joe (Paul Ruci, excepcional). Estreante em longas-metragens de ficção, o diretor Darius Marder é habilidoso suficiente para explorar esta jornada aflitiva ao adotar um estilo próximo ao usado por Darren Aronofsky em “O Lutador” e “Cisne Negro” com a câmera bem próximo a Ahmed quase sufocando-o.  

Já o desenho de som realiza a difícil missão de transpor para a tela as razões do desespero de Ruben. Aqui, a tampa do tempero batendo no balcão da cozinha, as pequenas gotas caindo na cafeteira, a respiração ofegante após um exercício físico e o som distante de uma música no estacionamento de uma loja de discos são sons repletos de significados além do que eles próprios emitem, pois, ecoam como alertas daquilo que será perdido nos próximos minutos. Quando gradualmente somos inseridos na nova realidade do baterista, ouvindo o pouco que ele ouve, quase incapaz de distinguir os sons e as palavras ditas por qualquer interlocutor e por si próprio, “O Som do Silêncio” consegue criar uma empatia instantânea com o drama do personagem. 

Com tal recurso, além da engenhosidade por si própria e o aspecto sensorial, Marder parece perceber que, para uma sociedade tão egocêntrica e incapaz de observar o outro, somente dando ao público a vivência de Ruben da forma mais impactante possível fosse capaz de nos sensibilizar. Dentro desta triste realidade, nada mais natural do que o personagem de Riz Ahmed se sentir defeituoso, como se fosse algo necessário de um conserto para que pudesse voltar a viver plenamente. 

Igual ensina Joe, “O Som do Silêncio” demonstra que não há nada a ser consertado ou ajustado; por mais aflitivo e desesperador que seja, há vida para seguir adiante e empatia para abraçar o próximo. 

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...