A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa ensinar uma garota surda, muda e cega (Helen Keller) a encontrar formas de se comunicar com a família. Já em “Filhos do Silêncio” (1986), o professor vivido por William Hurt se apaixona pela enigmática jovem surda Sarah (Marlee Matlin, única atriz deficiente auditiva a vencer o prêmio da Academia). 

Agora, como seria o processo de uma pessoa perder a audição de uma hora para outra? Quais os traumas e as mudanças na vida da pessoa? Este é o ponto de partida de “O Som do Silêncio”, drama sobre o baterista Ruben (Riz Ahmed). Ao notar a piora a cada dia da deficiência auditiva, ele vê o futuro incerto ao lado de Lou (Olivia Cooke), namorada e vocalista/guitarrista da banda. Acaba que o rapaz decide ir para um local capaz de ajudar pessoas na mesma situação que ele comandado por Joe (Paul Rici), porém, as angústias continuam o perturbando. 

“O Som do Silêncio” parte de definições muito claras em sua estrutura ao basear o roteiro nas cinco fases do luto elaborada pela psiquiatra Elisabeth Kubler-Ross: negação, raiva, negociação/barganha, depressão e aceitação. Isso dentro da clássica narrativa de um novato se inserindo em uma realidade desconhecida. Diante disso, a história criada pelo diretor estreante em longas-metragens de ficção, Darius Marder, em parceria com o irmão, Abraham, passa longe de surpreender sendo até bastante previsível sobre os rumos do relacionamento entre Ruben e Lou e as decisões intempestivas tomadas pelo baterista. 

 ANGÚSTIA E EMPATIA

Cabe a Riz Ahmed e ao desenho de som serem os pontos fora da curva do filme, primordiais para a imersão do espectador na história. Conhecido pela minissérie “The Night of”, o ator encontra, finalmente, um trabalho capaz de aproveitar todo o seu talento nos cinemas. Da fúria carregada de extrema concentração ao tocar a bateria na sequência inicial de “O Som do Silêncio” não demora para os olhos de aflição dominarem a tela em uma jornada de inquietude constante e solitária quebrada apenas pela empatia acolhedora de Joe (Paul Ruci, excepcional). Estreante em longas-metragens de ficção, o diretor Darius Marder é habilidoso suficiente para explorar esta jornada aflitiva ao adotar um estilo próximo ao usado por Darren Aronofsky em “O Lutador” e “Cisne Negro” com a câmera bem próximo a Ahmed quase sufocando-o.  

Já o desenho de som realiza a difícil missão de transpor para a tela as razões do desespero de Ruben. Aqui, a tampa do tempero batendo no balcão da cozinha, as pequenas gotas caindo na cafeteira, a respiração ofegante após um exercício físico e o som distante de uma música no estacionamento de uma loja de discos são sons repletos de significados além do que eles próprios emitem, pois, ecoam como alertas daquilo que será perdido nos próximos minutos. Quando gradualmente somos inseridos na nova realidade do baterista, ouvindo o pouco que ele ouve, quase incapaz de distinguir os sons e as palavras ditas por qualquer interlocutor e por si próprio, “O Som do Silêncio” consegue criar uma empatia instantânea com o drama do personagem. 

Com tal recurso, além da engenhosidade por si própria e o aspecto sensorial, Marder parece perceber que, para uma sociedade tão egocêntrica e incapaz de observar o outro, somente dando ao público a vivência de Ruben da forma mais impactante possível fosse capaz de nos sensibilizar. Dentro desta triste realidade, nada mais natural do que o personagem de Riz Ahmed se sentir defeituoso, como se fosse algo necessário de um conserto para que pudesse voltar a viver plenamente. 

Igual ensina Joe, “O Som do Silêncio” demonstra que não há nada a ser consertado ou ajustado; por mais aflitivo e desesperador que seja, há vida para seguir adiante e empatia para abraçar o próximo. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...