Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, “Shirley” usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra uma poderosa Elizabeth Moss na pele da escritora estadunidense Shirley Jackson.

O longa reimagina a criação de um dos romances de Shirley do ponto de vista de Rose (Odessa Young), uma jovem que visita a casa que a autora divide com o marido Stanley (Michael Stuhlbarg) no início dos anos 50. Mesmo planejando só uma breve passagem, Rose acaba se mudando para lá com seu esposo Fred (Logan Lerman) e cuidando das tarefas domésticas a pedido de Stanley. Uma vez sob o mesmo teto, o casal mais novo se torna a presa perfeita para as maquinações do casal mais velho.

Logo de início, Shirley se mostra uma pessoa abusiva e determinada a causar o máximo de dano com o mínimo de esforço. Stanley, por sua vez, é um bully descarado, alternando entre a bajulação e violência como lhe apetece. Com uma máscara de normalidade que sua esposa não possui, ele é um tipo particular de monstro.

Qualquer pessoa minimamente racional bateria em retirada depois de poucos dias com esses dois e é isso que Rose sugere. Fred, no entanto, vê na estadia deles como uma oportunidade de avançar na cadeira acadêmica e insiste que fiquem – uma decisão que põe seu próprio casamento em jogo.

SENSORIAL EM FORMATO TRADICIONAL FUNCIONA

Shirley” toma diversas liberdades artísticas na hora de retratar sua personagem-título, omitindo seu lado organizado e até mesmo a existência de seu filho Laurence, que já era vivo na época retratada aqui. Sua contraparte ficcional é boêmia, propensa a depressões e psicologicamente sufocada. De certa forma, ela se sente presa por seu casamento, pela sociedade, pelas expectativas de gênero e por suas próprias histórias.

O roteiro de Sarah Gubbins, adaptado do romance de Susan Scarf Merrell, é impiedoso nos diálogos ácidos, dando amplo material para Elizabeth Moss criar uma personagem irresistivelmente insuportável. Além disso, através de Shirley e Rose, ele analisa as histórias de crime e as canções de assassinato do ponto de vista da opressão feminina, no qual a morte serve como alternativa à uma vida de invisibilidade e exclusão.

A diretora de fotografia Sturla Brandth Grøvlen pinta esse canvas angustiante com cores mortas e muita câmera na mão e a música largamente baseada em coral e cordas da compositora Tamar-kali dá às cenas a perene sensação de algo terrível está para acontecer. Decker, que vem de uma carreira de filmes mais experimentais, prova que seu cinema extremamente sensorial também cabe em formatos mais tradicionais. Quem ganha é o espectador.

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...