Deerskin“, novo longa de Quentin Dupieux, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma arriscada sátira sobre emasculação que não tem medo de tirar sarro de si mesma. Capitaneada por uma performance corajosa de Jean Dujardin, a comédia deve achar fãs no circuito de arte.

Dujardin, longe da persona galante que incorporou no vencedor do Oscar “O Artista”, é Georges, um homem infeliz e de pouca importância que se muda para uma cidadezinha do interior da França após se separar da esposa em meio a brigas e conflitos. Ele claramente se odeia e, numa tentativa de se sentir apreço por si, decide gastar o dinheiro que retirou às pressas de sua conta conjunta com a mulher em uma jaqueta de pele de veado.

Em seu desespero, ele começa a falar com a peça de roupa e se torna obcecado por ela, a ponto de imaginar diálogos inteiros entre os dois. Um dia, ele se convence de que ela quer ser a única no mundo e que Georges é o encarregado de se livrar de todas as outras jaquetas. Esse delírio o leva a planos cada vez mais absurdos e, eventualmente, assassinos. 

OS DISFARCES DE TODOS OS DIAS 

É jocosa a maneira como Dupieux, que também escreve o roteiro, compara a vida de Georges com os outros moradores da vila, na medida que, na insignificância de suas existências, todos eles se apegam a objetos numa tentativa de se sentirem importantes. De certa forma, eles se tornam armaduras que protegem as pessoas do seu vazio existencial.

O protagonista, no entanto, está tão preso dentro de um ciclo de auto-rejeição que o desejo por uma armadura passa a ser quase literal: ele se torna obcecado por qualquer roupa feita de pele de veado e passa a se filmar durante cada momento em que está usando uma.

Quando Denise (Adèle Haenel), uma garçonete e editora de vídeo amadora que se torna amiga de Georges, vê suas gravações, ele mente dizendo ser um cineasta e que as imagens fazem parte de um filme. Ela deduz que o filme é sobre a maneira como as pessoas se fecham dentro de disfarces. Para além de toda a matança, esse é o real tema de “Deerskin“.

Dujardin está perfeito na pele do psicopata tristonho (e potencialmente “incel“), incorporando um homem tão ferido que perdeu a capacidade de tomar decisões racionais. As cenas em que ele tem que contracenar com a jaqueta são absurdas e incríveis. Quando os corpos começam a aparecer pela cidade, no entanto, o humor é seco e niilista e Dupieux pondera que justiça pode salvar os homens de suas próprias inseguranças. 

“Deerskin” não está preocupado em agradar a todos e seu sucesso deve ficar restrito a fãs de comédias muito ácidas. Seus detratores podem questionar sua lógica – seria impossível crimes como os do protagonista não o levarem a prisão – mas, para quem embarca em sua proposta, o longa é um dos filmes mais engraçados do ano. 

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...