Em 2019, a Netflix lançou duas animações com propostas distintas: “Klaus” e “Perdi meu Corpo”. Se a primeira era voltada para o público infantil, a segunda tinha os adultos como seu alvo. Neste ano, “Os Irmãos Willoughby” fica no meio do caminho: apesar de ter um design infanto-juvenil, traz temas reflexivos e mais próximos ao público mais velho.

Dirigido por Kris Pearn (“Tá Chovendo Hambúrguer 2”) e inspirado no livro homônimo de Louis Lowry, “Os Irmãos Willoughby” acompanha os tais quatro irmãos. Negligenciados pelos pais, eles orquestram um plano para fugir e formar a família que desejam. A história é narrada por um gato sarcástico que atua como uma espécie de deus: além de contar o que se passa, o felino mexe na narrativa e a altera quando acha que os acontecimentos necessitam de uma virada.

Os protagonistas de “Os Irmãos Willoughby” lembram muito as crianças Baudelaire em “Desventuras em Série”. Não apenas pelas adversidades enfrentadas, mas, também pela forma como a história é contada. Dividida em episódios fatídicos, a construção possibilita observar, por exemplo, a inserção de elementos visuais que remetem a outras produções.

A negligência e o despertar intelectual das crianças se assemelham ao tratamento dado a pequena “Matilda”. Por outro lado, a vestimenta e a conduta do serviço social é uma versão menos elaborada e mais caricata dos agentes da “Matrix”. E, por fim, o comandante Melanoff e sua fábrica são uma versão pouco sofisticada e econômica da “A Fantástica Fábrica de Chocolate”.

Casos de Família

Por mais infantil que o design de produção, as referências visuais e a narrativa da obra possam soar, as temáticas presentes na animação, no entanto, dialogam melhor com o público adulto do que com o infantil. A animação foge de soluções escapistas e piegas, preferindo adotar uma postura suavemente cínica em relação ao lar Willoughby, principalmente, pela maturidade dos garotos.

Por mais que tenham a capacidade de se virar, nota-se os vestígios do abandono dos pais na forma como os garotos enxergam o mundo, vêem a si mesmas e reagem diante da separação familiar. Pearn procura emular discussões em relação às necessidades infantis e o apoio dado pelos adultos na infância. Quando me refiro a apoio, incluo aqui as relações que nos circundam nessa primeira fase da vida.

Querendo ou não, a maneira como os pais tratam-se afeta a forma como as crianças lidam com o mundo e reverberam em seus relacionamentos. Para muitos, quando adultos, a opção é fugir ou ter algo semelhante como meta de relacionamento. Tim (o irmão mais velho), no entanto, não precisou chegar à fase adulta para optar; para ele, era muito mais cômodo apegar-se a tradição do clã e negar qualquer tipo de amor que fosse lhe oferecido.

A questão é que, apesar de tocar em pontos tão relevantes para a formação dos adultos contemporâneos, a discussão fica muito na superfície e se perde entre tantas tentativas de plot twist.

Isso torna a condução da narrativa confusa e com muitas brechas, dando espaço para discussões frágeis e equivocadas. A falta de aprofundamento dos personagens também contribui para a distorção dos conceitos apresentados. Dessa forma, “Os Irmãos Willoughby” é um bom entretenimento, mas devido a superficialidade com que trata suas temáticas não consegue ser tão interessante quanto outras animações do streaming.

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...

‘Caminhos da Memória’: você certamente já viu esse filme antes

É curioso que, para um filme tão interessado em memórias, lembranças e a forma como os seres humanos lidam com elas, Caminhos da Memória seja tão... imemorável.  É a estreia de Lisa Joy na direção, e para quem conhece o trabalho dela como produtora e co-criadora da...