Desde o seu anúncio, “Os Mortos Não Morrem” tinha tudo para dar certo: um elenco estelar comandado por um cineasta aclamado, com uma premissa louca o suficiente para atrair tanto o público de arte quanto fãs de blockbusters. Entretanto, depois de uma fria recepção na noite de abertura do Festival de Cannes e a uma passagem muda no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary, o público percebeu que, embora os mortos aqui possam estar vivos, o mesmo não pode ser dito para o novo filme do diretor Jim Jarmusch. 

É uma pena, pois o filme tem um certo charme cult. Bill Murray, Adam Driver e Chloë Sevigny estrelam como um trio de policiais que se vêem tendo que lidar com uma horda de zumbis tocando o terror em sua pequena cidade americana. 

Dentro dessa proposta, o diretor se mostra disposto a brincar com as alegorias do gênero e inclui a maioria de seus personagens clássicos: o fazendeiro rabugento (Steve Buscemi), o nerd bobão (Caleb Landry Jones), a assustadora agente funerária (Tilda Swinton), os estrangeiros sem noção (Selena Gomez, Austin Butler e Luka Sabbat), e assim por diante. 

NEM TÃO INTELIGENTE ASSIM

Infelizmente, o resultado é muito parecido com um dos zumbis do filme: um cadáver andante de fala automática. Para além dos policiais, não há qualquer tipo de desenvolvimento emocional para fazer o público se preocupar por qualquer uma das vítimas do apocalipse. Elas são apenas funcionais, existindo unicamente com o objetivo de serem excêntricas. Neste quesito, Tilda Swinton fica com o papel mais interessante – uma escocesa deliciosamente estranha que também é uma excelente espadachim. 

Nesse quesito, “Os Mortos não Morrem” traz ecos de  “Ave, César!”, dos irmãos Joel e Ethan Coen, – outro filme com elenco impressionante mas com diversos personagens subdesenvolvidos. Ao menos, Jarmusch – que também escreve o roteiro – até consegue fazer boas críticas ao capitalismo, que é o grande vilão do filme. Reanimados, os cadáveres são atraídos para o que ansiavam quando vivos. É assim que temos uma cena fantástica com zumbis com telefones procurando wi-fi e outro em que um personagem tocado por Iggy Pop volta com uma sede sem fim de café.

Já outros ataques, como o fato do apocalipse zumbi ter ocorrido como consequência da exploração de petróleo nos círculos polares, algo negado veementemente pelo governo, funcionam até certo ponto, mas apenas escancaram um triste fato: na realidade, “Os Mortos Não Morrem” não é tão inteligente quanto todos os envolvidos nele querem que seja. Isso fica claro quando a personagem de Adam Driver faz críticas ao próprio roteiro do filme em um exercício de metalinguagem completamente fora de contexto. Apesar das aspirações, “Os Mortos Não Morrem” pode alegar ter um cérebro, mas certamente não tem alma.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...