Aclamado em diversos festivais de cinema, incluindo Berlim e Sundance (do qual também saiu premiado), ‘The Souvenir’ é um filme de narrativa simples com grandes atributos. Para começar, ele é escrito e dirigido unicamente por Joanna Hogg, já conhecida por marcar presença no circuito europeu de cinema por trabalhos como ”Unrelated”, além disso, o longa possui a distribuição da A24, queridinho dos filmes independentes e, como se tudo isso não bastasse, ainda leva o nome de Martin Scorsese (“O Irlandês”) na produção executiva. Entretanto, apesar da grandeza que cerca sua distribuição, ‘The Souvenir’ é um filme delicado que fala sobre narrativas já conhecidas no cinema, se destacando verdadeiramente pelo desempenho Honor Swinton Byrne como protagonista de um romance problemático. 

Em “The Souvenir”, Honor interpreta Julie, uma estudante de cinema no início dos anos 1980. Tentando encontrar seu caminho como cineasta, ela acaba se apaixonando por Anthony (Tom Burke), um homem cheio de vícios e não muito confiável, desencadeando situações complicadas para si mesma e para sua profissão. Com essa proposta, Hogg aborda duas temáticas muito populares: romances conflituosos e o próprio cinema, sendo necessária uma abordagem muito boa para mostrar algo novo sobre. 

Felizmente, a forma como ‘The Souvenir’ se apresenta passa a impressão de novidade. O filme oferece uma estética muito bela e delicada, um contraste grande com as cenas mais densas e com a própria forma de serem abordadas pela direção de fotografia, a qual alterna entre um retrato mais íntimos dos personagens com ângulos abertos e contemplativos 

Além disso, a própria dinâmica entre Honor Swinton Byrne e Tom Burke é um dos pontos positivos da história: ao mesmo tempo em que o romance entre os dois é construído de forma sutil, os problemas posteriores surgem de maneira muito mais urgente e a atuação dos dois passa o esgotamento sentimental em meio aos momentos românticos. No elenco, o longa ainda apresenta um grande easter egg com a relação mãe e filha da vida real sendo levada para a tela com Hornor e Tilda Swinton. 

Mais do mesmo 

Apesar de passar a impressão de novidade e possuir bons elementos para lhe apoiar neste quesito não demora muito para a produção cair em armadilhas. Com o foco na relação conturbada entre Anthony e Julie, os diálogos sobre cinema parecem dispersos e aleatórios, mostrando que “The Souvenir” não consegue se aprofundar nem no relacionamento nem na profissão de Julie, deixando a cargo dos atores forçarem mais para o lado do conflituoso do casal. 

Com esse enfoque total nos personagens, “The Souvenir” mostra que falta densidade para apresentar uma narrativa impactante e até mesmo relevante. Sim, existe todo o cenário de um relacionamento tóxico, de abuso de drogas e o próprio amadurecimento de Julie, porém, sua posição privilegiada (algo ressaltado pelo próprio filme) faz os problemas parecerem menos urgentes do que são. 

Assim, ‘The Souvenir’ possui qualidade óbvia em sua execução, entretanto, a concepção poderia ter sido pensada em abranger um público maior, em focar nas narrativas que conversem facilmente com diferentes pessoas. É por esta situação de filme bem feito, porém, nem tão relevante quanto se propõe que ‘The Souvenir’ tem tudo para se tornar uma obra esquecível. 

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...