Aclamado em diversos festivais de cinema, incluindo Berlim e Sundance (do qual também saiu premiado), ‘The Souvenir’ é um filme de narrativa simples com grandes atributos. Para começar, ele é escrito e dirigido unicamente por Joanna Hogg, já conhecida por marcar presença no circuito europeu de cinema por trabalhos como ”Unrelated”, além disso, o longa possui a distribuição da A24, queridinho dos filmes independentes e, como se tudo isso não bastasse, ainda leva o nome de Martin Scorsese (“O Irlandês”) na produção executiva. Entretanto, apesar da grandeza que cerca sua distribuição, ‘The Souvenir’ é um filme delicado que fala sobre narrativas já conhecidas no cinema, se destacando verdadeiramente pelo desempenho Honor Swinton Byrne como protagonista de um romance problemático. 

Em “The Souvenir”, Honor interpreta Julie, uma estudante de cinema no início dos anos 1980. Tentando encontrar seu caminho como cineasta, ela acaba se apaixonando por Anthony (Tom Burke), um homem cheio de vícios e não muito confiável, desencadeando situações complicadas para si mesma e para sua profissão. Com essa proposta, Hogg aborda duas temáticas muito populares: romances conflituosos e o próprio cinema, sendo necessária uma abordagem muito boa para mostrar algo novo sobre. 

Felizmente, a forma como ‘The Souvenir’ se apresenta passa a impressão de novidade. O filme oferece uma estética muito bela e delicada, um contraste grande com as cenas mais densas e com a própria forma de serem abordadas pela direção de fotografia, a qual alterna entre um retrato mais íntimos dos personagens com ângulos abertos e contemplativos 

Além disso, a própria dinâmica entre Honor Swinton Byrne e Tom Burke é um dos pontos positivos da história: ao mesmo tempo em que o romance entre os dois é construído de forma sutil, os problemas posteriores surgem de maneira muito mais urgente e a atuação dos dois passa o esgotamento sentimental em meio aos momentos românticos. No elenco, o longa ainda apresenta um grande easter egg com a relação mãe e filha da vida real sendo levada para a tela com Hornor e Tilda Swinton. 

Mais do mesmo 

Apesar de passar a impressão de novidade e possuir bons elementos para lhe apoiar neste quesito não demora muito para a produção cair em armadilhas. Com o foco na relação conturbada entre Anthony e Julie, os diálogos sobre cinema parecem dispersos e aleatórios, mostrando que “The Souvenir” não consegue se aprofundar nem no relacionamento nem na profissão de Julie, deixando a cargo dos atores forçarem mais para o lado do conflituoso do casal. 

Com esse enfoque total nos personagens, “The Souvenir” mostra que falta densidade para apresentar uma narrativa impactante e até mesmo relevante. Sim, existe todo o cenário de um relacionamento tóxico, de abuso de drogas e o próprio amadurecimento de Julie, porém, sua posição privilegiada (algo ressaltado pelo próprio filme) faz os problemas parecerem menos urgentes do que são. 

Assim, ‘The Souvenir’ possui qualidade óbvia em sua execução, entretanto, a concepção poderia ter sido pensada em abranger um público maior, em focar nas narrativas que conversem facilmente com diferentes pessoas. É por esta situação de filme bem feito, porém, nem tão relevante quanto se propõe que ‘The Souvenir’ tem tudo para se tornar uma obra esquecível. 

‘Enola Holmes’: passatempo agradável ainda que forçado

Desde a primeira publicação em 1887, o nome Sherlock Holmes ficou marcado como um dos grandes personagens da literatura, mais popular inclusive do que o próprio autor, Arthur Conan Doyle. Nos cinemas, as inúmeras adaptações das aventuras do detetive sempre variam...

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...