“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos julgamentos mais controvertidos e polêmicos da história do dos Estados Unidos.

“Os Sete de Chicago” parte de um acontecimento ocorrido em 1968, quando grupos opositores à Guerra do Vietnã fizeram um protesto em Chicago, onde acontecia a Convenção Nacional Democrata. As coisas saíram do controle e o que era para ser um evento pacífico transformou-se em tumulto e mais um episódio de truculência policial norte-americana. O governo então acusou oito homens, líderes de movimentos sociais, de conspiração. Sorkin, que também assina o roteiro, usa esse evento como mote para seu drama de tribunal.

Aaron Sorkin usa a montagem rápida de Alan Baumgarten (como em “A Grande Jogada”) para nos mergulhar em 1968 e nos fazer entender o contexto histórico e a instabilidade social que decorriam naquele ano. Martin Luther King e Bobby Kennedy haviam sido assassinados, o governo de Lyndon B. Johnson estava abalado por sua postura frente ao fracasso no Vietnã e as eleições presidenciais se aproximavam. Enquanto somos apresentados aos personagens principais, as coberturas jornalísticas desses fatos são sobrepostas e passamos a compreender o que levou cada um a estar presente na manifestação.

Igual fizera em “A Rede Social”, pelo qual venceu o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, após encaixar cada peça na história, Sorkin foca no julgamento de tais figuras emblemáticas e retoma, por meio de flashbacks, momentos específicos para compor suas motivações. Tal escolha é importante para o crescimento de “Os Sete de Chicago”, tendo em vista todo drama do tribunal muito bem construída. A fotografia de Phedon Papamichael (“Ford vs Ferrari”, “Nebraska”), alinhada à direção, é precisa em captar troca de olhares, incômodos e a tensão que vai se instaurando aos poucos, e, é neste momento que o elenco estelar ganha espaço para brilhar.

 NARRATIVA FORTE E ATUAL

Richard Schultz (Joseph Gordon-Levitt), promotor do caso, começa sua arguição afirmando que os réus são extremistas, mas, que por participarem de movimentos sociais distintos, usarão isso para ludibriar o júri. No entanto, é justamente essa cosmovisão e posturas divergentes que dão a força necessária tanto para o tribunal como para que o elenco se destaque.

Por um lado, temos os líderes da contracultura – Abbie Hoffman e Jerry Rubin (Jeremy Strong) – que possuem uma postura mais radical, enquanto Tom Hayden (Redmayne um pouco menos caricato) e Rennie Davis (Alex Sharp) assumem um tom mais politicamente correto; a trinca é complementada pela conduta pacifista de David Dellinger (John Carroll Lynch). No entanto quem rouba a cena do lado dos acusados é Bobby Seale (Yahya Abdul-Mateen II), co-fundador do Partido dos Panteras Negras.

Adbul-Mateen II protagoniza um dos momentos mais incômodos do cinema em 2020. Me arrisco a dizer que seja mais forte e aterrorizante do que as cenas racistas de “Lovecraft Country”, pelo menos, em mim, o efeito foi muito mais devastador emocionalmente. O racismo escancarado do juiz (Frank Langella), o tratamento diferenciado dado ao réu e aos Panteras Negras, tudo soa atual e emergente, mesmo que a produção se passe há cinco décadas. Isso evidencia o quanto o sistema penal é falho e não consegue enxergar minorias e nem movimentos sociais.

A narrativa se aproveita da capacidade de seu elenco e das diferenças entre os personagens para arregimentar seu drama. Enquanto drama de tribunal, funciona muito bem, no entanto, perde força conforme as cenas avançam para mostrar o que os levou a estar ali. As motivações, embora comecem bem, nunca ficam muito claras. Hayden e Hoffman, por exemplo, se digladiam o filme inteiro, mas não há um aprofundamento do porquê. O roteiro se prende as frases de efeito e discussões em círculo – como os usos de pronomes possessivos do personagem de Redmayne – e perde por não ampliar as discussões para problemáticas maiores como a truculência policial, representatividade política, as eleições e como a democracia deveria funcionar. Neste sentido, “Os Sete de Chicago” não aproveita todo potencial que tem.  

Compreendo, no entanto, que num ano em que diversas manifestações com cunho político foram feitas nos EUA, mesmo em meio a pandemia, o filme ganha novos contornos e relevância, soando a sua história tão atual quanto o racismo latente do juiz, o preconceito e a opressão. Com atuações impressionantes, principalmente de Sacha Baron Cohen e Yahya Abdul-Mateen II, “Os Sete de Chicago” apresenta uma narrativa forte que traz luz a temas ainda frágeis para a nossa sociedade: o direito a manifestação e a construção da revolução. Não seria isso um indicativo da vulnerabilidade de nossa própria democracia? Deixo para o tempo responder.

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...