Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen & Slim” é um filme preciso para dialogar com o movimento Black Lives Matter.

Particularmente, é doloroso assistir cenas de violência racial, e, como vem mostrando “Lovecraft Country”, não há horror maior do que esse, vivido na própria pele. Matsoukas assume esse clima em “Queen & Slim” para contar a história de um casal (Daniel Kaluuya e Jodie Turner-Smith) que é parado pela polícia depois do seu primeiro encontro. A abordagem truculenta e agressiva resulta em um ato de legítima defesa, mas que os coloca numa caçada policial pelo país.

Tat Radcliffe (“White Boy Rick”) empresta para a cinematografia dessa perseguição a plasticidade dos videoclipes. O casal corta os Estados Unidos ao som de hip hop, R&B e rap, músicas originadas por afrodescendentes e que possuem mensagens de protestos embutidas em suas letras e batidas. A coloração adotada para esses momentos reflexivos e, também, de composição dos personagens lembra muito a estética adotada nos videoclipes dos referidos estilos musicais. As cores são saturadas, voltadas para um choque entre tons de azul e vermelho, denotando uma pele brilhante aos personagens negros, como acontece em “Moonlight” e “Formation”, por exemplo.

O figurino de Kaluuya e Turner-Smith, inclusive, remete ao ambiente musical; um exemplo disso é o retrato que pedem ao garoto para tirar e que ilustra a divulgação do filme: os dois atores que personificam a produção parecem as estrelas pops dos trabalhos produzidos por Matsoukas.

 SÍMBOLOS DE LUTA E RESISTÊNCIA

O roteiro escrito por Lena Waithe (“The Chi”) é bem funcional na primeira hora, mas acaba se arrastando após o encontro na casa do tio Earl (Bokeem Woodbine). A partir desse momento, o ritmo da montagem de Pete Beaudreau é mais lento e irregular. Há alguns artifícios na própria história que ajudam a essa morosidade como as fugas intermináveis, os conflitos comportamentais do casal e até mesmo elementos encontrados durante a viagem. No entanto, essa construção é importante para enfatizar a maior discussão do filme: o senso de existência, pertencimento e comunidade que apenas quem passa por situações semelhantes pode oferecer.

Queen e Slim são contrapontos: enquanto Kaluuya transborda um tom calmo e compassivo, Turner-Smith é cética, pragmática e visceral quando necessário. Ele está em busca de um legado e ela de alguém que cure suas cicatrizes. De alguma forma, a situação imposta a eles lhes presenteia com seus anseios. Quer legado maior do que se tornar símbolo de resistência e luta? Ou encontrar alguém disposto a ajudar a curar suas cicatrizes?

Tudo isso torna “Queen & Slim” essencialmente humano e necessário em tempos em que a justiça e o direito da população negra precisam ser revistos e respeitados. Matsoukas compõe uma obra visual primorosa e bonita cuja mensagem é tão forte e emblemática quanto a letra das canções que surgem em tela e a parceria firmada entre o casal protagonista e a comunidade que os abriga. Esta é mais uma cineasta que devemos ficar atentos.

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...