Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen & Slim” é um filme preciso para dialogar com o movimento Black Lives Matter.

Particularmente, é doloroso assistir cenas de violência racial, e, como vem mostrando “Lovecraft Country”, não há horror maior do que esse, vivido na própria pele. Matsoukas assume esse clima em “Queen & Slim” para contar a história de um casal (Daniel Kaluuya e Jodie Turner-Smith) que é parado pela polícia depois do seu primeiro encontro. A abordagem truculenta e agressiva resulta em um ato de legítima defesa, mas que os coloca numa caçada policial pelo país.

Tat Radcliffe (“White Boy Rick”) empresta para a cinematografia dessa perseguição a plasticidade dos videoclipes. O casal corta os Estados Unidos ao som de hip hop, R&B e rap, músicas originadas por afrodescendentes e que possuem mensagens de protestos embutidas em suas letras e batidas. A coloração adotada para esses momentos reflexivos e, também, de composição dos personagens lembra muito a estética adotada nos videoclipes dos referidos estilos musicais. As cores são saturadas, voltadas para um choque entre tons de azul e vermelho, denotando uma pele brilhante aos personagens negros, como acontece em “Moonlight” e “Formation”, por exemplo.

O figurino de Kaluuya e Turner-Smith, inclusive, remete ao ambiente musical; um exemplo disso é o retrato que pedem ao garoto para tirar e que ilustra a divulgação do filme: os dois atores que personificam a produção parecem as estrelas pops dos trabalhos produzidos por Matsoukas.

 SÍMBOLOS DE LUTA E RESISTÊNCIA

O roteiro escrito por Lena Waithe (“The Chi”) é bem funcional na primeira hora, mas acaba se arrastando após o encontro na casa do tio Earl (Bokeem Woodbine). A partir desse momento, o ritmo da montagem de Pete Beaudreau é mais lento e irregular. Há alguns artifícios na própria história que ajudam a essa morosidade como as fugas intermináveis, os conflitos comportamentais do casal e até mesmo elementos encontrados durante a viagem. No entanto, essa construção é importante para enfatizar a maior discussão do filme: o senso de existência, pertencimento e comunidade que apenas quem passa por situações semelhantes pode oferecer.

Queen e Slim são contrapontos: enquanto Kaluuya transborda um tom calmo e compassivo, Turner-Smith é cética, pragmática e visceral quando necessário. Ele está em busca de um legado e ela de alguém que cure suas cicatrizes. De alguma forma, a situação imposta a eles lhes presenteia com seus anseios. Quer legado maior do que se tornar símbolo de resistência e luta? Ou encontrar alguém disposto a ajudar a curar suas cicatrizes?

Tudo isso torna “Queen & Slim” essencialmente humano e necessário em tempos em que a justiça e o direito da população negra precisam ser revistos e respeitados. Matsoukas compõe uma obra visual primorosa e bonita cuja mensagem é tão forte e emblemática quanto a letra das canções que surgem em tela e a parceria firmada entre o casal protagonista e a comunidade que os abriga. Esta é mais uma cineasta que devemos ficar atentos.

CRÍTICA | ‘Greice’: graça de comédia de situações sobre mentirosa da geração Z está muito além do texto

Mentirosa compulsiva, Greice, a personagem título, parece inventar certas histórias para tirar algum sentido do acaso. Inventa que vai gravar um videoclipe para descolar uma piscina em um dia quente de Lisboa. Acaba gravando o vídeo. Como se manifestasse uma realidade...

CRÍTICA | ‘Divertida Mente 2’ repete fórmula sem deixar de encantar

Crianças crescem e o grande mérito de Divertida Mente 2, sequência do querido filme animado dos estúdios Pixar e Disney de 2015, é ser orgânica e natural. Ora, no primeiro filme, as emoções que viviam na mente da garotinha Riley – especialmente a Alegria e a Tristeza...

CRÍTICA | ‘A Cápsula’: ficção científica distópica vinda do interior do Paraná não articula bem suas ideias cinematograficamente

Filme de intenções bem claras, "A Cápsula" parece se orgulhar muito de sua premissa, de sua trama, de seus simbolismos. Uma distopia de ficção científica filmada e ambientada em Maringá e em outros lugares do interior do Paraná. O que é interessante por si no papel,...

CRÍTICA | Tudo o que senti assistindo a ’13 Sentimentos’

O que é a vida senão o sentir? Enquanto estamos vivos, sentimos. Sentimentos bons, ruins, o sentir do não-sentir, enfim. Há muitos sentimentos envolvidos nas nossas experiências pessoais e coletivas. O fim de um término de um longo relacionamento manifesta os mais...

CRÍTICA | ‘Caminhos cruzados’: Levan Akin faz de história de procura de personagem desaparecida um filme de encontros

“Nada mudou”, diz o personagem de Lucas Kankava quando ele e Mzia Arabuli passam pelo prédio público que está na fronteira entre Geórgia e Turquia. Como se esperasse que, ao por os pés para fora do seu país, encontrasse ou sentisse algo de diferente. Como se a...

CRÍTICA | ‘Caixa de Areia’: filme gravado dentro do GTA filosofa sobre civilização fadada a repetir erros

Quando Marx fala da repetição da história como tragédia e depois como farsa, aposto que ele não tinha ideia de como ambientes virtuais do século XXI no capitalismo tardio fariam parte disso. Espaços. Ou melhor “espaços” que teoricamente não dependem das limitações...

CRÍTICA | ‘Lula’: estrutura protocolar não impede documentário de emocionar

“Lula” pode ser definido como um documentário protocolar que apresenta a figura de Luiz Inácio Lula da Silva ao mundo, mas não é como se ele precisasse disso. A história do metalúrgico que virou líder sindical e depois Presidente da República já seria irresistível de...

CRÍTICA | ‘Mallandro – O Errado Que Deu Certo’: pegadinha constrangedora de ruim

Eu não me lembro de ter encarado a saída de emergência de uma sala de cinema por tanto tempo e com tanta força antes.  A princípio a gente até acha que o problema de "Mallandro - O Errado Que Deu Certo" é um mero erro de cálculo. Isso porque, vá lá, a ideia de um...

CRÍTICA | ‘Os Paraísos de Diane’: potência inicial perde força em drama sobre depressão pós-parto

A unanimidade sobre “Os Paraísos de Diane” parece a de ser que ele começa muito bem. E começa mesmo. De um jeito muito seco e muito direto. Com uma cena de sexo. Um parto. E um abandono logo em seguida. Quando a protagonista que parecia bem com a sua gravidez não...

CRÍTICA | ‘Anora’: o encantamento em meio ao caos

Quando exibido no Festival de Cannes, “Anora” teve lá suas comparações com “Uma Linda Mulher”, e também assumo a culpa. Afinal, é a história de uma jovem stripper que se casa com um herdeiro. Mas, a despeito de talvez representar uma virada de chave na carreira de...