Um olhar penetrante em um mundo de facínoras, “Azor” é um soco no estômago. O longa de estreia de Andreas Fontana, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, bebe da tradição dos thrillers adultos e políticos que Hollywood simplesmente abriu mão de fazer. No processo, o cineasta suíço entrega uma das maiores surpresas da Berlinale. 
 
Yves (Fabrizio Rongione) é um banqueiro suíço que vai a Buenos Aires em plena ditadura militar com o pretexto de fazer turismo com a esposa Inés (Stéphanie Cléau). Na realidade, ele tem uma missão menos relaxante: reconquistar a confiança da clientela local de seu banco depois do desaparecimento de seu sócio René, até então responsável por ela. Sua busca pelo paradeiro de René e sua exposição à corrupta elite argentina o levam ao questionamento de todos os seus valores. 
 
Considerando as afiliações avant-garde do Festival de Berlim, o primeiro choque de “Azor” talvez seja o quão direto ao ponto ele seja. Eis um filme que evoca a estrutura dos suspenses clássicos, com o protagonista emulando às vezes um detetive particular do cinema noir, outras um desbravador de um mundo desconhecido. 

BURGUESIA DESREGULADA E SEM LIMITES 

 
Seus objetivos o empurram cada vez mais para dentro de um universo imoral e sua luta interna é capturada brilhantemente pelas nuances da atuação de Rongione. Yves é um sujeito que lamenta as mudanças do mundo dos banqueiros e tem muita dificuldade em achar dentro de si o ânimo para atuar nessa nova realidade. 

Não muito diferentemente do personagem de Tommy Lee Jones em “Onde os Fracos Não Têm Vez“, ele vê o niilismo que vem com o novo nível de ganância da elite que usa seus serviços e questiona seu papel ao servir os interesses dela. Aos poucos, o papel de René – um personagem que não aparece em cena mas é uma presença notável em cada frame – se torna cada vez mais ambíguo e Yves precisará escolher entre seu emprego e sua moralidade. 

O roteiro, escrito por Fontana em colaboração com o mestre argentino Mariano Llinás (“La Flor“), é carregado de simbolismos e acerta em cheio na representação de uma burguesia isolada do mundo externo desregulada e sem limites. Em conluio com o governo militar, que aterroriza a população fora da bolha do 1%, sua Argentina é uma terra-do-faça-o-que-quiser e nenhum esquema em benefício próprio está fora de cogitação. 
 
Os personagens desprezíveis que Yves encontra pelo caminho servem a críticas políticas contundentes, mas Fontana nunca os trata como arquétipos. Como feras da selva, os ricaços do filme se sentem seguindo as leis da natureza. O alvo de “Azor” é o sistema que permite (e até fomenta) essa natureza, bem como o silêncio de seus operadores. 

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...