Um olhar penetrante em um mundo de facínoras, “Azor” é um soco no estômago. O longa de estreia de Andreas Fontana, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, bebe da tradição dos thrillers adultos e políticos que Hollywood simplesmente abriu mão de fazer. No processo, o cineasta suíço entrega uma das maiores surpresas da Berlinale. 
 
Yves (Fabrizio Rongione) é um banqueiro suíço que vai a Buenos Aires em plena ditadura militar com o pretexto de fazer turismo com a esposa Inés (Stéphanie Cléau). Na realidade, ele tem uma missão menos relaxante: reconquistar a confiança da clientela local de seu banco depois do desaparecimento de seu sócio René, até então responsável por ela. Sua busca pelo paradeiro de René e sua exposição à corrupta elite argentina o levam ao questionamento de todos os seus valores. 
 
Considerando as afiliações avant-garde do Festival de Berlim, o primeiro choque de “Azor” talvez seja o quão direto ao ponto ele seja. Eis um filme que evoca a estrutura dos suspenses clássicos, com o protagonista emulando às vezes um detetive particular do cinema noir, outras um desbravador de um mundo desconhecido. 

BURGUESIA DESREGULADA E SEM LIMITES 

 
Seus objetivos o empurram cada vez mais para dentro de um universo imoral e sua luta interna é capturada brilhantemente pelas nuances da atuação de Rongione. Yves é um sujeito que lamenta as mudanças do mundo dos banqueiros e tem muita dificuldade em achar dentro de si o ânimo para atuar nessa nova realidade. 

Não muito diferentemente do personagem de Tommy Lee Jones em “Onde os Fracos Não Têm Vez“, ele vê o niilismo que vem com o novo nível de ganância da elite que usa seus serviços e questiona seu papel ao servir os interesses dela. Aos poucos, o papel de René – um personagem que não aparece em cena mas é uma presença notável em cada frame – se torna cada vez mais ambíguo e Yves precisará escolher entre seu emprego e sua moralidade. 

O roteiro, escrito por Fontana em colaboração com o mestre argentino Mariano Llinás (“La Flor“), é carregado de simbolismos e acerta em cheio na representação de uma burguesia isolada do mundo externo desregulada e sem limites. Em conluio com o governo militar, que aterroriza a população fora da bolha do 1%, sua Argentina é uma terra-do-faça-o-que-quiser e nenhum esquema em benefício próprio está fora de cogitação. 
 
Os personagens desprezíveis que Yves encontra pelo caminho servem a críticas políticas contundentes, mas Fontana nunca os trata como arquétipos. Como feras da selva, os ricaços do filme se sentem seguindo as leis da natureza. O alvo de “Azor” é o sistema que permite (e até fomenta) essa natureza, bem como o silêncio de seus operadores. 

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...