Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, “Roaring 20s”, segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Tribeca deste ano, onde estreou, mistura a iconografia da Nouvelle Vague com o ritmo do cineasta americano Richard Linklater e é uma celebração das conexões urbanas.

Gravado em uma única tomada, “Roaring 20’s” acompanha pessoas que casualmente se encontram, conversam e tocam a vida uma da outra – tudo isso passando por locações célebres da capital francesa, começando no Louvre, acompanhando o Rio Sena, visitando a Praça da República e terminando no Parque de Buttes Chaumont, no norte da cidade.

Vogler (um pseudônimo retirado do filme “Persona”, de Ingmar Bergman) mencionou em uma entrevista à época do lançamento do filme em Tribeca que o objetivo do roteiro, escrito junto com os atores Joris Avodo, François Mark e Noémie Schmidt, era “achar um sentimento e uma forma de expressá-lo no momento”. Admitidamente, o filme é fascinado pela riqueza dos instantes avulsos do cotidiano em que as pessoas baixam sua guarda. 

FRAGMENTOS DE CONTOS

Sabiamente, a maravilhosa fotografia de “Roaring 20s”, também assinada por Vogler, não deixa o recurso da tomada única ficar no caminho das performances de seu elenco. Ele serve para ressaltar o imediatismo da ação e criar a sensação de que qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento – e funciona nesse sentido – mas, durante boa parte dos 85 minutos do filme, não chama a atenção para si mesmo.

Ao invés disso, o destaque está na capacidade dos atores, majoritariamente apresentados em duplas, em prender a atenção dos espectadores com pequenas historietas cujo contexto raramente é revelado. O que está no filme são apenas fragmentos de contos que poderiam ser maiores, como se a produção fosse uma grande colcha de retalhos narrativos. 

VIAGEM EXTASIANTE

Paris é uma cidade filmada à exaustão e celebrada como o berço do cinema. Vogler abraça essa herança em pequenos detalhes: o diálogo que abre o filme, por exemplo, envolve um personagem hipnotizando outro – um espelho para o que acontece com o público em uma sala de projeção.

Filmes como “Cléo de 5 às 7” de Agnès Varda e “Slacker” de Linklater são claras influências, mas a vontade de Vogler e seu coletivo de atores de falar sobre o estado confuso do agora, tocando em temas como crescimento, história da arte, racismo e sexualidade através de conversas comuns torna “Roaring 20’s” uma viagem extasiante. Como a noiva em fuga (Elsa Guedj) que sobe na garupa de um motoqueiro desconhecido (Guillaume Pottier) na metade do filme, o longa se lança ao desconhecido crente de que tudo possui potencial de descoberta. 

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...