Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, “Roaring 20s”, segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Tribeca deste ano, onde estreou, mistura a iconografia da Nouvelle Vague com o ritmo do cineasta americano Richard Linklater e é uma celebração das conexões urbanas.

Gravado em uma única tomada, “Roaring 20’s” acompanha pessoas que casualmente se encontram, conversam e tocam a vida uma da outra – tudo isso passando por locações célebres da capital francesa, começando no Louvre, acompanhando o Rio Sena, visitando a Praça da República e terminando no Parque de Buttes Chaumont, no norte da cidade.

Vogler (um pseudônimo retirado do filme “Persona”, de Ingmar Bergman) mencionou em uma entrevista à época do lançamento do filme em Tribeca que o objetivo do roteiro, escrito junto com os atores Joris Avodo, François Mark e Noémie Schmidt, era “achar um sentimento e uma forma de expressá-lo no momento”. Admitidamente, o filme é fascinado pela riqueza dos instantes avulsos do cotidiano em que as pessoas baixam sua guarda. 

FRAGMENTOS DE CONTOS

Sabiamente, a maravilhosa fotografia de “Roaring 20s”, também assinada por Vogler, não deixa o recurso da tomada única ficar no caminho das performances de seu elenco. Ele serve para ressaltar o imediatismo da ação e criar a sensação de que qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento – e funciona nesse sentido – mas, durante boa parte dos 85 minutos do filme, não chama a atenção para si mesmo.

Ao invés disso, o destaque está na capacidade dos atores, majoritariamente apresentados em duplas, em prender a atenção dos espectadores com pequenas historietas cujo contexto raramente é revelado. O que está no filme são apenas fragmentos de contos que poderiam ser maiores, como se a produção fosse uma grande colcha de retalhos narrativos. 

VIAGEM EXTASIANTE

Paris é uma cidade filmada à exaustão e celebrada como o berço do cinema. Vogler abraça essa herança em pequenos detalhes: o diálogo que abre o filme, por exemplo, envolve um personagem hipnotizando outro – um espelho para o que acontece com o público em uma sala de projeção.

Filmes como “Cléo de 5 às 7” de Agnès Varda e “Slacker” de Linklater são claras influências, mas a vontade de Vogler e seu coletivo de atores de falar sobre o estado confuso do agora, tocando em temas como crescimento, história da arte, racismo e sexualidade através de conversas comuns torna “Roaring 20’s” uma viagem extasiante. Como a noiva em fuga (Elsa Guedj) que sobe na garupa de um motoqueiro desconhecido (Guillaume Pottier) na metade do filme, o longa se lança ao desconhecido crente de que tudo possui potencial de descoberta. 

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...