Em “Spencer”, Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes – que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) – que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa indicação ao Oscar no ano que vem. Porém, para além de sua performance, o novo filme do cineasta chileno Pablo Larraín diz muito pouco sobre a “princesa do povo”, falhando em dar maiores nuances à sua infelicidade e rebeldia.

A produção dramatiza as festividades natalinas da família real britânica de 1991, imaginando Diana enquanto pondera sobre sua posição e sobre a possibilidade de se separar do Príncipe Charles (Jack Farthing) – o que acabou acontecendo no ano seguinte. Durante três dias, a princesa se sente presa, delira e se coloca em rota de colisão com as tradições do mundo ao seu redor.  

SOLIDÃO NATALINA 


O roteiro de Steven Knight (“Senhores do Crime”, Locke) se concentra não em grandes eventos, mas no que acontece entre eles. Ao invés de acompanhar os jantares e missas da família real, o grosso de “Spencer” é composto de interações entre Diana e seus filhos e dela com o staff do castelo, bem como de sequências que se passam inteiramente em sua cabeça.

Esse foco reflete o argumento feito pela produção de que a princesa se sentia próxima do povo (apesar de ter nascido em berço aristocrático) e que essa era uma barreira intransponível entre ela e os membros da realeza. Tanto é que Charles e a Rainha Elizabeth II (Stella Gonet) quase entram mudos e saem calados: o primeiro lhe dirige a palavra em duas ocasiões e a segunda apenas em uma.

Comparado com o outro longa de Larraín construído em torno de uma mulher de relevância política – Jackie”, de 2016 – “Spencer” se diferencia por se colocar 100% dentro da perspectiva de sua protagonista. A diretora de fotografia Claire Mathon reforça isso abusando de close-ups e câmera na mão, e enquadrando o castelo e seus arredores como se fossem uma prisão. Juntos, eles retratam o Natal mais solitário do cinema recente.  

DRAMA ARRASTADO E ESTAGNADO 


A pedra no sapato do filme é o fracasso em explorar as nuances de Diana de maneira a criar tração dramática. Em muitos momentos, ela aparece como mulher mimada determinada a criar confusão. Em outros, a produção se delonga em delírios que, ainda que divertidos, apenas tiram o foco da trama principal.

A situação apresentada no início – princesa infeliz no casamento considera divórcio – não muda no decorrer dos 111 minutos de projeção, o que faz “Spencer” se arrastar. A decisão dos realizadores de criarem um clímax forçado no terceiro ato e um final feliz que destoa completamente em tom do resto do longa tampouco colaboram.

Nada disso tira o talento absurdo de Stewart ao incorporar Diana. Para além do sotaque e da linguagem corporal, sua interpretação é carregada com uma volatilidade magnética. Nas suas mãos, as cenas vão a extremos corajosos (observe, por exemplo, como ela reverte uma dinâmica de poder com uma criada com um pedido para lá de indiscreto). O ponto alto do filme é vê-la em ação.

Infelizmente, ela não consegue sozinha chacoalhar o manto soporífero do longa. Se a tragédia da Diana real foi sua incapacidade de lidar com a vida dupla exigida pela atenção pública, a tragédia de sua contraparte em “Spencer” é contar com uma das melhores atrizes de sua geração e não saber ao certo o que fazer com ela. 

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...