Em “Spencer”, Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes – que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) – que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa indicação ao Oscar no ano que vem. Porém, para além de sua performance, o novo filme do cineasta chileno Pablo Larraín diz muito pouco sobre a “princesa do povo”, falhando em dar maiores nuances à sua infelicidade e rebeldia.

A produção dramatiza as festividades natalinas da família real britânica de 1991, imaginando Diana enquanto pondera sobre sua posição e sobre a possibilidade de se separar do Príncipe Charles (Jack Farthing) – o que acabou acontecendo no ano seguinte. Durante três dias, a princesa se sente presa, delira e se coloca em rota de colisão com as tradições do mundo ao seu redor.  

SOLIDÃO NATALINA 


O roteiro de Steven Knight (“Senhores do Crime”, Locke) se concentra não em grandes eventos, mas no que acontece entre eles. Ao invés de acompanhar os jantares e missas da família real, o grosso de “Spencer” é composto de interações entre Diana e seus filhos e dela com o staff do castelo, bem como de sequências que se passam inteiramente em sua cabeça.

Esse foco reflete o argumento feito pela produção de que a princesa se sentia próxima do povo (apesar de ter nascido em berço aristocrático) e que essa era uma barreira intransponível entre ela e os membros da realeza. Tanto é que Charles e a Rainha Elizabeth II (Stella Gonet) quase entram mudos e saem calados: o primeiro lhe dirige a palavra em duas ocasiões e a segunda apenas em uma.

Comparado com o outro longa de Larraín construído em torno de uma mulher de relevância política – Jackie”, de 2016 – “Spencer” se diferencia por se colocar 100% dentro da perspectiva de sua protagonista. A diretora de fotografia Claire Mathon reforça isso abusando de close-ups e câmera na mão, e enquadrando o castelo e seus arredores como se fossem uma prisão. Juntos, eles retratam o Natal mais solitário do cinema recente.  

DRAMA ARRASTADO E ESTAGNADO 


A pedra no sapato do filme é o fracasso em explorar as nuances de Diana de maneira a criar tração dramática. Em muitos momentos, ela aparece como mulher mimada determinada a criar confusão. Em outros, a produção se delonga em delírios que, ainda que divertidos, apenas tiram o foco da trama principal.

A situação apresentada no início – princesa infeliz no casamento considera divórcio – não muda no decorrer dos 111 minutos de projeção, o que faz “Spencer” se arrastar. A decisão dos realizadores de criarem um clímax forçado no terceiro ato e um final feliz que destoa completamente em tom do resto do longa tampouco colaboram.

Nada disso tira o talento absurdo de Stewart ao incorporar Diana. Para além do sotaque e da linguagem corporal, sua interpretação é carregada com uma volatilidade magnética. Nas suas mãos, as cenas vão a extremos corajosos (observe, por exemplo, como ela reverte uma dinâmica de poder com uma criada com um pedido para lá de indiscreto). O ponto alto do filme é vê-la em ação.

Infelizmente, ela não consegue sozinha chacoalhar o manto soporífero do longa. Se a tragédia da Diana real foi sua incapacidade de lidar com a vida dupla exigida pela atenção pública, a tragédia de sua contraparte em “Spencer” é contar com uma das melhores atrizes de sua geração e não saber ao certo o que fazer com ela. 

CRÍTICA | ‘Eu não sou tudo aquilo que quero ser’: o reconhecimento tardio de uma fotógrafa controversa

Pária no socialismo, pária no capitalismo, a fotógrafa Libuše Jarcovjáková é quase como a autora principal do próprio documentário “Eu não sou tudo aquilo que quero ser”. Feito essencialmente de suas fotografias. Com a sua narração. Com o seu diário como base. Em um...

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...