Adiado diversas vezes, o lançamento de ‘Novos Mutantes’ finalmente foi realizado nos cinemas, diferentes das suposições sobre a produção ir direto para o streaming como ‘Mulan’, Artemis Fowl e tantos outros títulos do estúdio Disney. Com uma divulgação limitada devido a pandemia da Covid-19, o filme tomou como principal fama a indecisão de sua estreia e as críticas negativas dos países onde ele conseguiu ser lançado, sendo considerado ruim por tabela.  

A grande verdade é que apesar de não ser um filme memorável nem ter um roteiro dos mais interessantes, no contexto dos longas da franquia ‘X-Men’, pelos menos, ‘Novos Mutantes’ não chega a ser o pior da lista. 

RETROSPECTIVA DE IDAS E VINDAS 

Antes de falar sobre o filme em si, vamos recapitular como o longa foi adiado tantas vezes no decorrer de dois anos e entender como ele parece ser pior do que realmente é: 

  • O primeiro trailer foi lançado em outubro de 2017 com previsão de estreia em março de 2018, porém…; 
  • com a estreia de ‘Deadpool 2’ no mesmo ano, o longa foi adiado para fevereiro de 2019, porém…; 
  • a Fox foi comprada pela Disney deixando o destino do filme sem solução, afinal, a proposta de ser um filme de terror não combinava com o estúdio do Mickey, porém…; 
  • depois de tantas idas e vindas, a Disney, finalmente marcou a estreia para abril de 2020, porém…; 
  • havia uma pandemia no meio do caminho, gerando mais incertezas sobre o destino do filme, finalmente, chegando aos cinemas no mês de outubro.  

Assim, com uma estreia fragmentada e a necessidade de ser lançado, “Os Novos Mutantes” ficou basicamente esquecido e longe de todo o hype criado em 2017. Para piorar, próximo a sua estreia nos cinemas, o diretor Josh Boone (conhecido por dirigir ‘A Culpa é das Estrelas’) fez uma afirmação racista durante entrevista sobre o personagem Mancha Solar, originalmente negro nos quadrinhos.   

METADE INICIAL BOA, METADE FINAL DESASTROSA

Mais do que um filme de terror em si, “Os Novos Mutantes” busca apresentar um universo alternativo dos heróis, mostrando outros personagens dos quadrinhos Marvel. Na trama, a jovem Danielle Moonstar/Miragem (Blu Hunt) começa a ter visões enquanto lida com a morte de seu pai por uma ameaça desconhecida, assim, ela é acolhida por uma instalação responsável por cuidar de mutantes com problemas para controlar seus poderes. O local é dirigido pela médica Cecilia Reyes (Alice Braga), que já trata outros pacientes: a russa Illyana Rasputin/Magia (Anya Taylor-Joy), o brasileiro Roberto da Costa/Mancha Solar (Henry Zaga), a escocesa Rahne Sinclair/Lupina (Maisie Williams) e o caipira americano Sam Guthrie/Míssil (Charlie Heaton). A chegada de Moonstar começa a trazer os pesadelos de cada um para a realidade e, aos poucos, eles precisam superar as diferenças para encarar seus medos e vencer não somente o confinamento como a ameaça do Urso Místico. 

Durante a primeira metade de “Os Novos Mutantes”, o roteiro consegue (com muito esforço) estabelecer boas narrativas para serem desenvolvidas. Os dramas dos personagens são de fácil identificação com os adolescentes, público-alvo do projeto, até pela forma como a história aborda a origem deles e a forma como se relacionam um com o outro. A narrativa linear adotada por Boone apoiada pela construção de uma vilã factível àquele universo e boas cenas de ação funciona ainda que baseada em clichês visuais típicos de filme de terror. 

Pena que, do meio para o final, “Os Novos Mutantes” acaba por adotar saídas apressadas e fáceis. Exemplo disto é o romance entre Moonstar e Rahne, o qual começa com ares de novidade por se tratar de uma relação lésbica, mas, fica restrito posteriormente como justificativa para uma delas ser salva pela outra. Para piorar, percebe-se que os ajustes para o mundo Disney enfraqueceram demais a densidade da trama, afinal, todos os mutantes possuem histórias pesadas, incluindo assassinatos e assédios, mas, na hora de tocar nisso tudo soa podado e deixado nas entrelinhas até demais, fora a necessidade de se inserir uma sequência cômica ou de ação logo em seguida como tentativa de amenizar o clima. Por fim, o roteiro ainda relega as boas narrativas estabelecidas a reviravoltas frágeis e previsíveis, ou seja, nada de novo no universo mutante. 

Em linhas gerais, ‘Novos Mutantes’ não apresenta nada tão ruim que o público já não tivesse visto em ‘X-Men: Fênix Negra’ ou ‘X-Men: Apocalipse’; seu grande azar foi todo o trâmite por detrás das telas para ser lançado. Afinal, depois de tantos adiamentos e o acúmulo de críticas negativas, se tornou bem pouco atrativo ir ao cinema durante uma pandemia para assistir um filme que promete tão pouco. 

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...