“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe paralisado em meio a assuntos de importância mundial.

Se o personagem principal vivido por Ethan Hawke é atravessado pelos problemas ambientais cada vez mais catastróficos, em “The Card Counter” acompanhamos Willian Tell (Oscar Isaac), um jogador de cartas profissional, que tenta lidar com os traumas de sua passagem pelo exército americano e os desdobramentos da paranoia em relação à segurança pública que atinge o mundo inteiro e, particularmente, os Estados Unidos.

Tell é um sujeito calado, arredio, que passou uma década preso, e lá desenvolveu seu apreço pela rotina e pragmatismo. Oscar Isaac oferece ao personagem expressões melancólicas que, mesmo quando Tell fala sobre assuntos que o empolgue, como os jogos de cartas, ainda mantém um olhar desolado.

Foi na prisão também que o protagonista aprendeu a contar cartas e desenvolveu toda sua habilidade com o baralho. A trama se desenvolve em ritmo lento, espelhando-se na personalidade do ex-detento e, como em um jogo, vai aos poucos apresentando as cartas que compõem sua história.

rede de alienação

Essa é uma das maiores qualidades que Schrader, que também é o roteirista do filme, consegue impor a “The Card Counter”. A obra vai apresentando seus subtextos devagar, conforme descobrimos mais sobre o passado do protagonista, e vemos crescer suas relações com os dois personagens coadjuvantes: Cirk (Tye Sheridan) e La linda (Tiffany Haddish).

Cirk é filho de um ex-companheiro de exército de Tell que teve um fim trágico, relacionado aos acontecimentos que também envolveram a prisão do jogador. Os dois se encontram durante uma palestra sobre segurança global, em um dos cassinos onde o protagonista está para jogar.

Fazer essa relação entre a palestra de segurança e o cassino é uma das escolhas de Schrader para comentar um mal-estar que atravessa os cidadãos dos Estados Unidos, colocando dois assuntos que, em um primeiro momento nada tem a ver um com o outro, mas que compõem todo uma rede de alienação a qual essa sociedade está inserida. Não obstante, o principal adversário de Tell durante as partidas de poker ao longo do filme é um jogador que se apresenta com o nome “U.S.A.” e está sempre acompanhado de fanáticos que berram o já famoso grito de torcida (U.S.A, U.S.A!)  em apoio ao jogador.

Ao longo da narrativa, Willian e Cirk desenvolvem uma relação que se assemelha ao de pai e filho. Preocupado com as dívidas do rapaz, Tell chega a aceitar a oferta de La linda, uma representante de investidores em jogadores de poker.

A relação entre Tell e La Linda torna-se mais íntima com o passar do tempo, gerando os momentos mais leves da obra e que balanceiam bem a melancolia e a tensão que quase sempre predominam. Suas conversas informais, os flertes e até mesmo a belíssima cena onde passeiam por uma cidade iluminada, dão um respiro satisfatório para “The Card Counter”. Como se esses pontos fossem a nossa alienação, enquanto espectadores, dentro da obra.

O FARDO DO PESO DAS ESCOLHAS

Entre as viagens pelos cassinos nas diferentes cidades estadunidenses, Schrader e equipe constroem essa relação inusitada entre o homem, a mulher e o jovem, para adicionar o tema “família” aos subtextos do filme, sempre de forma orgânica e no seu ritmo usual, montando seu caleidoscópio de assuntos que predominam o imaginário do American Way of Life.

Porém, outro fator também presente aos jogos de carteado e que o protagonista sempre faz questão de destacar é a influência do acaso, a sorte enquanto juíza final sobre vencedores e perdedores. As camadas que se apresentam aos poucos estão a todo tempo sobre a manta da imprevisibilidade, devido aos traumas do passado de Tell e Cirk.

“The Card Counter” mantém a tensão a um nível controlado durante a maior parte do tempo, como se tivéssemos boas cartas nas mãos, mas sempre mantendo aquele medo de que o adversário tenha um jogo melhor (não à toa Tell, por mais brilhante jogador que seja, não vence o adversário “U.S.A.). O peso das escolhas que faz, no passado e no presente, sempre guiam o protagonista a caminhos que ele não consegue imaginar, por mais que faça tudo de forma pragmática.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...