“Viajar é a única educação”.

Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social, ela vem atravessando gerações e colocando em pauta temas imprescindíveis para as mulheres tanto em aspecto geral como em questões mais específicas. A diretora Julie Taymor (“Frida”) aproveita esse engajamento para contar a história de Steinem e como ela ajudou a fomentar o movimento.

Em “The Glorias”, acompanhamos quatro versões da jornalista dentro de um ônibus que viaja ininterruptamente. Elas conversam sobre momentos importantes da sua trajetória e analisam como teriam lidado com esses assuntos se estivessem de fora, sem esquecer, no entanto, que tais escolhas as moldaram e levaram até ali. Cada uma delas representa o pensamento feminino ao longo do século XX, mas também, de certa forma, o esclarecimento da mulher sobre seu corpo e sua vida e, consequentemente, seu empoderamento.

As muitas faces de Gloria

Durante a infância, por exemplo, Gloria (Ryan Kiera Armstrong) parece alheia às dificuldades de sua família, apegando-se às fantasias do pai e distanciando-se das cargas que sua mãe carrega de ser o esteio familiar. Já na adolescência, interpretada por Lulu Wilson, ela consegue compreender os sacrifícios que a mãe fez em nome do lar, embora permaneça com um pé fora da realidade – o que fica nítido quando parece alheia a situação na barbearia.

É na vida adulta, porém, que Gloria, agora encarnada por Alicia Vikander, passa a compreender o peso de ser mulher na sociedade patriarcal. Em diálogo com seu eu mais velho, ela relembra os momentos em que se auto silenciou para o machismo. Curiosamente, é neste período que vê sua carreira como jornalista em ascensão, mas, constantemente sob os olhares e julgamentos masculinos. Tal situação acrescida de outras experiências narradas da vida social e, principalmente, trabalhista das mulheres, com quem interage, age como um somatório para que ela encontre refúgio no movimento feminista.

Esse acolhimento, contudo, é tido pelas três facetas na Glória mais madura e que passou por cada uma dessas vivências para que se tornasse a mulher icônica que conhecemos no movimento hoje. Julianne Moore a encarna de forma intimista, segura, forte e precisa; capaz de questionar o papel da mulher na sociedade e em sua profissão sem que as intempéries a desequilibrem. 

Imagem e condução da trama

Todos esses momentos podem ser diferenciados pela fotografia de Rodrigo Pietro (“O Lobo de Wall Street”, “O Irlandês”) que consegue traduzir a plasticidade de Julie Taymor por meio do uso de filtros preto e branco para as cenas no ônibus e as cores vivas da trajetória da personalidade, dedicando a cada fase uma coloração diferente que casa com o estado de espírito da personagem. Há ainda os momentos surrealistas, nos quais a realidade fica em suspensão e assume um visual psicodélico, algo já experimentado pela diretora em “Across the Universe”. 

Apesar disso, “The Glorias” poderia ser melhor executado. Em suas mais de duas horas de duração, existem cenas que não dizem nada, passando a sensação de que havia muito material a ser debatido, mas que não se soube aproveitar. Perdendo-se no meio da projeção, principalmente, quando a montagem não consegue alinhar-se a cronologia da produção. 

Entre altos e baixos, contudo, Taymor narra a jornada de um dos ícones do movimento feminista com sensibilidade e sutileza em “The Glorias”. Uma viagem que não é apenas de Steinem, mas de todas as mulheres.

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...