Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com obras em produção ou já prontas para serem lançadas em breve. Há, ainda, a estreia da atriz Rebecca Hall na direção e uma série de blockbusters em potencial comandados por mulheres – Patty Jenkins e “Mulher Maravilha 1984” e Cate Shortland e “Viúva Negra”, por exemplo. Com o otimismo de quem gostaria de ver todos esses filmes na telona ainda este ano, listo dez produções dirigidas por mulheres que podem dificultar a vida dos votantes da Academia que insistem em ignorá-las:

A Última Coisa Que Ele Queria, de Dee Rees

A diretora de “Mudbound” retorna já, já com uma adaptação da celebrada escritora Joan Didion. Em “A Última Coisa Que Ele Queria”, Dee Rees comanda um elenco que tem Anne Hathaway, Ben Affleck e Willem Dafoe, em uma trama sobre uma jornalista que envereda por um caminho inesperado. O filme foi exibido no último Festival de Sundance e estreia na Netflix ainda em fevereiro.

The Glorias, de Julie Taymor

Outro projeto que estreou em Sundance é o novo filme de Julie Taymor. A cineasta que levou às telas a história de Frida Kahlo agora se aventura pela trajetória de outra mulher de destaque no século XX (e XXI!), a ativista e ícone feminista Gloria Steinem. Julianne Moore e Alicia Vikander vivem a protagonista em diferentes momentos de sua vida. 

The Roads Not Taken, de Sally Potter

Javier Bardem protagoniza o novo filme da britânica, que conta a história de um homem considerando as vidas que poderia ter tido. O elenco tem ainda Elle Fanning, Salma Hayek e Laura Linney – esta última esteve no penúltimo trabalho de Potter, “A Festa”. 

On The Rocks, de Sofia Coppola

A norte-americana retoma a parceria com Bill Murray em “On The Rocks”, que traz ainda Rashida Jones em um papel de destaque – sim, Sofia fugiu do seu lugar de conforto e não escalou uma atriz branca para protagonizar seu novo longa. A expectativa é que o filme também marque o retorno da diretora às premiações hollywoodianas. 

The Old Guard, de Gina Prince-Bythewood

Diretora de produções subestimadas como “Nos Bastidores da Fama” e “Além dos Limites”, Prince-Bythewood agora leva às telas a história de um grupo de soldados que atuam como mercenários. O elenco tem Chiwetel Ejiofor e Charlize Theron.

Mulan, de Niki Caro

Em meio a tantas versões live-action de produções Disney, uma que promete oferecer algo de novo é a nova adaptação de “Mulan”. A direção fica por conta da neozelandesa Niki Caro, que já mostrou seu talento para o lúdico com “Encantadora de Baleias”, de 2003.

Passing, de Rebecca Hall

A atriz britânica estreia na direção com a adaptação do livro de Nella Larsen sobre duas ex-colegas de escola que se reencontram e desenvolvem uma obsessão mútua. Ruth Negga e Tessa Thompson protagonizam o filme.

The Power of The Dog, de Jane Campion

Ainda falando de diretoras da Nova Zelândia, vamos agora ao próximo trabalho de Jane Campion. “The Power of The Dog” ainda está em filmagens, segundo o IMDb, mas já estamos ansioses para ver Kirsten Dunst sob a batuta de uma das grandes cineastas dos últimos 30 anos.

Asa ga Kuru, de Naomi Kawase

Outro projeto ainda em filmagens (de acordo com o IMDb) é novo de Naomi Kawase, que conta a história de uma mulher que é procurada de forma inesperada pela mãe biológica de seu/sua filhx. 

Rita, de Lisa Cholodenko

O próximo projeto de Cholodenko é um filme para a TV, que deve ser exibido pela Showtime. Dada a qualidade de seu último trabalho para a telinha, “Olive Kitteridge”, a expectativa é alta para ver Lena Headey como uma professora e mãe solo que não tem medo de enfrentar as autoridades.

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...

10 Mulheres Roteiristas da Atualidade que Você Precisa Conhecer

Todo filme precisa de um roteiro para conduzir como as coisas vão se desenvolver. Embora o roteirista não seja tão aclamado e prestigiado pelo público, ele é uma figura de extrema importância para a realização de boas produções.Um roteiro bem trabalhado e...