Quando anunciado em 2019, “Tenet” era apenas o mais recente (e antecipado) filme de um dos diretores mais aclamados da atualidade. A pandemia do COVID-19 o transformou em um símbolo da sala de cinema enquanto agente comercial e cultural e local de congregação. Seu realizador, Christopher Nolan (“Dunkirk”), que já era defensor aberto deste espaço, virou a personificação da esperança de uma indústria na luta por sobrevivência.

Assistir e opinar sobre “Tenet” desprovido desse contexto é uma missão quase impossível. O filme – especialmente no formato Imax preferido por Nolan – brilha ao encapsular o senso de espetáculo que continua sendo domínio das salas de cinema, ainda que uma análise um pouco mais minuciosa deixe entrever seus pontos fracos.

Um personagem inominado (John David Washington) é um agente da CIA que, depois de um incidente em uma missão na Ucrânia, é recrutado para a Tenet – uma entidade internacional que está estudando o fenômeno da “inversão”, ou seja, a reversão da entropia de objetos ou pessoas que faz com que elas pareçam estar voltando no tempo. Com um parceiro a tiracolo (Robert Pattinson), ele parte em uma missão ao redor do mundo para impedir uma grande catástrofe planejada por um magnata russo (Kenneth Branagh) e de quebra salvar uma donzela em apuros (Elizabeth Debicki).

O FILME QUE O PÚBLICO PRECISA (PARA O BEM E PARA O MAL)

Se isso parece quase todos os 007s que você já viu misturados com uma boa dose de ficção científica, é porque é mesmo. O roteiro de Nolan se contenta em reproduzir estruturas de filme de espionagem pois acredita que toda a teoria sobre a “inversão”, combinada com as cenas mais caras que o dinheiro pode comprar, vão compensar pelos eventuais deslizes narrativos.

A surpresa é que ele chega muito perto: “Tenet” é impressionante em quase todos os aspectos. O trabalho do diretor de fotografia Hoyte van Hoytema é de encher os olhos enquanto Jeffrey Kurland povoa o filme com a alta costura mais exclusiva e elegante. Coordenando tudo, a montadora Jennifer Lame cria um ritmo incessante para a produção, levando o público de uma cena de ação para a outra por duas horas e meia.

De certa forma, “Tenet” ganha no cansaço: a trama é confusa para dizer o mínimo e com tantas explosões e perseguições acontecendo a todo momento, não há real oportunidade para que ela seja explorada – ou mesmo para que ela importe. O elenco principal dá o máximo de si – e consegue por puro talento – extrair vida de personagens arquetípicos. Os momentos mais bem-sucedidos do longa não vem deles, mas sim do escopo de tirar de fôlego de certas sequências.

Mais do que talentos individuais, a produção reforça o status de Christopher Nolan enquanto uma marca e o cineasta entrega grandiosidade, complexidade, aprumo técnico e a mais acrobática ação – tudo o que se espera de um produto com seu nome. “Tenet” pode não ser o filme que o público merece, mas é o filme que ele precisa no momento: veloz, vazio e irresistível.

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...