Quando anunciado em 2019, “Tenet” era apenas o mais recente (e antecipado) filme de um dos diretores mais aclamados da atualidade. A pandemia do COVID-19 o transformou em um símbolo da sala de cinema enquanto agente comercial e cultural e local de congregação. Seu realizador, Christopher Nolan (“Dunkirk”), que já era defensor aberto deste espaço, virou a personificação da esperança de uma indústria na luta por sobrevivência.

Assistir e opinar sobre “Tenet” desprovido desse contexto é uma missão quase impossível. O filme – especialmente no formato Imax preferido por Nolan – brilha ao encapsular o senso de espetáculo que continua sendo domínio das salas de cinema, ainda que uma análise um pouco mais minuciosa deixe entrever seus pontos fracos.

Um personagem inominado (John David Washington) é um agente da CIA que, depois de um incidente em uma missão na Ucrânia, é recrutado para a Tenet – uma entidade internacional que está estudando o fenômeno da “inversão”, ou seja, a reversão da entropia de objetos ou pessoas que faz com que elas pareçam estar voltando no tempo. Com um parceiro a tiracolo (Robert Pattinson), ele parte em uma missão ao redor do mundo para impedir uma grande catástrofe planejada por um magnata russo (Kenneth Branagh) e de quebra salvar uma donzela em apuros (Elizabeth Debicki).

O FILME QUE O PÚBLICO PRECISA (PARA O BEM E PARA O MAL)

Se isso parece quase todos os 007s que você já viu misturados com uma boa dose de ficção científica, é porque é mesmo. O roteiro de Nolan se contenta em reproduzir estruturas de filme de espionagem pois acredita que toda a teoria sobre a “inversão”, combinada com as cenas mais caras que o dinheiro pode comprar, vão compensar pelos eventuais deslizes narrativos.

A surpresa é que ele chega muito perto: “Tenet” é impressionante em quase todos os aspectos. O trabalho do diretor de fotografia Hoyte van Hoytema é de encher os olhos enquanto Jeffrey Kurland povoa o filme com a alta costura mais exclusiva e elegante. Coordenando tudo, a montadora Jennifer Lame cria um ritmo incessante para a produção, levando o público de uma cena de ação para a outra por duas horas e meia.

De certa forma, “Tenet” ganha no cansaço: a trama é confusa para dizer o mínimo e com tantas explosões e perseguições acontecendo a todo momento, não há real oportunidade para que ela seja explorada – ou mesmo para que ela importe. O elenco principal dá o máximo de si – e consegue por puro talento – extrair vida de personagens arquetípicos. Os momentos mais bem-sucedidos do longa não vem deles, mas sim do escopo de tirar de fôlego de certas sequências.

Mais do que talentos individuais, a produção reforça o status de Christopher Nolan enquanto uma marca e o cineasta entrega grandiosidade, complexidade, aprumo técnico e a mais acrobática ação – tudo o que se espera de um produto com seu nome. “Tenet” pode não ser o filme que o público merece, mas é o filme que ele precisa no momento: veloz, vazio e irresistível.

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...