AVISO: O texto a seguir contém um SPOILER da série Família Soprano.

Quando se assiste a Família Soprano, a obra-prima televisiva da HBO que se tornou marco da atual era de ouro dos seriados norte-americanos, algumas vezes os personagens mafiosos do programa se referiam ao passado como algo muito bom, os “good old days”, os velhos tempos da Máfia de Nova Jersey. Eles tinham até uma espécie de herói, o lendário Dickie Moltisanti, pai do personagem Chris Moltisanti e interpretado por Michael Imperioli.

Pois bem, no filme prequel da série, The Many Saints of Newark, produzido pela HBO e a Warner Bros., vemos esses bons tempos e o herói mafioso Dickie. E bem ao modo da série, percebemos que esse período idealizado não era tão bom quanto eles faziam parecer. E pena que o filme também é apenas mediano, não tão bom quanto poderia ser.

Ambientado entre 1967 e 1972, The Many Saints of Newark acompanha a vida de Dickie (interpretado por Alessandro Nivola) e suas atividades criminosas. Ele é filho do grande mafioso “Hollywood Dick” Moltisanti – Ray Liotta numa escalação apropriada, dado o quanto a série devia a Os Bons Companheiros (1990) – e está subindo na organização. Ele também é muito amigo da família Soprano, e praticamente se torna uma figura paterna para o pequeno Tony (William Ludwig). Mas é época de tumultos raciais em Newark e o associado negro de Moltisanti, Harold McBrayer (Leslie Odom Jr.), se envolve com o movimento e aos poucos passa a se opor à máfia italiana branca e a virar inimigo do seu antigo aliado.

No meio tempo, Tony cresce, fica adolescente – e passa a ser vivido por Michael Gandolfini, filho de James Gandolfini, o icônico protagonista da série original – e testemunha à distância pedaços da tragédia do seu “tio” e ídolo, enquanto se depara com o caminho mafioso que seguirá pelo resto da vida. E de vez em quando ouvimos uma narração de além-túmulo, com a voz de Imperioli comentando os acontecimentos.

FANSERVICE PREDOMINA

No comando de The Many Saints of Newark estão o criador de Família Soprano David Chase, o co-roteirista Lawrence Konner e o diretor Alan Taylor, que volta ao universo da série depois de comandar os blockbusters Thor: O Mundo Sombrio (2013) e O Exterminador do Futuro: Gênesis (2015). Ou seja, são pessoas que conhecem Sopranos de trás para frente e estiveram envolvidos na produção que se transformou em um fenômeno cultural. A direção de Taylor é eficiente e precisa, parecida com o estilo da série de TV, mas agora em um formato maior e com recursos novos. Do diretor, não se pode reclamar. Curiosamente, é justamente no roteiro que o filme fica devendo.

Nele, acompanhamos duas linhas narrativas. Primeiro com Tony. Bem, tudo que vemos nela é fanservice – lá vai o termo da moda – puro e simples. The Many Saints of Newark não mostra nada sobre ele que já não soubéssemos pelos episódios da TV: como ele tinha futuro, mas foi sabotado pela família e pela própria inércia; a relação com Lívia (Vera Farmiga), sua mãe dominadora; e o desespero existencial típico da série que era encarnado pelo personagem. E o roteiro tenta ligar a trajetória de Dickie com a de Tony e também com a de Chris. Vemos até uma recriação de uma cena do seriado – a prisão de Johnny Soprano (Jon Bernthal) vista pelos olhos do próprio filho – e um ou outro momento que, na série, foram apenas mencionados.

O que eleva as cenas do jovem do Tony é a atuação de Michael Gandolfini, que é surpreendente – ele não imita o pai, não faz uma mera caricatura, mas consegue trazer de volta o Tony Soprano de uma forma que ainda não tínhamos visto, mais leve e vulnerável. O filme realmente parece ser o início de uma promissora carreira para o ator.

Já sobre a trama principal é a de um personagem autodestrutivo. O Dickie de The Many Saints of Newark é uma figura sempre interessante: carismático, mas inseguro; tem porte de astro de cinema, mas é dado a explosões súbitas de violência; e depois tenta se redimir. Pena que esse protagonista cativante sofra com algumas decisões incompreensíveis do roteiro: por exemplo, o fato súbito da amante dele começar um relacionamento com Harold. É como se alguns desenvolvimentos do roteiro pedissem por mais tempo para serem construídos – talvez não fosse o caso de uma minissérie ao invés de um longa de 2 horas?

Por consequência, o desfecho do filme e o paralelo que The Many Saints of Newark tenta fazer entre as três figuras – Dickie, Tony e Chris – não atinge de maneira poderosa como deveria. Apesar disso, o encerramento até traz uma surpresa que modifica nosso entendimento sobre um personagem-chave da série. E também é preciso ressaltar a atuação poderosa de Alessandro Nivola. Assim como Gandolfini nas suas cenas, Nivola é o centro poderoso do filme sempre que aparece. Ele o domina e o seu retrato de Dickie é sempre verdadeiro. No fim das contas, o longa é elevado por essas duas atuações.

PASSADO MENOS INTERESSANTE DO QUE PARECE

Para os fãs de longa data de Família Soprano, é legal ver a origem, por exemplo, do topete do Silvio Dante (!) ou reconhecer aquele incidente ou aquela figura que apareceu ou foi mencionada em algum episódio. Mas o excesso de fanservice o torna algo para os já iniciados – novatos no universo Soprano até podem compreender a história e gostar do filme, mas perderão várias nuances presentes aqui.

O filme não atinge seu completo potencial, ainda mais em se tratando do fato de estar ligado a um dos trabalhos mais emblemáticos da cultura pop das últimas décadas. Quando criadores de obras de arte marcantes as revisitam anos depois, muitas vezes o resultado deixa a desejar.

The Many Saints of Newark está longe de ser um desastre, mas a lição dele é bem clara: quanto mais se investiga o passado, menos interessante ele começa a parecer.

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...