Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas, ‘Missa da Meia-Noite’ se sai muito bem em apresentar o ser humano como o verdadeiro motivo para ter medo. 

Veterano no gênero, o diretor e roteirista Mike Flanagan recorre cada vez menos a jumpscares e ao sobrenatural para explorar o fanatismo religioso como o verdadeiro mal a ser temido. E, embora a série tenha bastante êxito em criar uma atmosfera de suspense e abordar amplamente a temática central, existem muitos elementos e até mesmo tramas já vistas em outras produções de seu criador, o que torna a experiência menos prazerosa, repetitiva e até previsível. 

CRIAÇÃO DE ATMOSFERA ÚNICA 

Sendo também a mente por trás de ‘A Maldição da Residência Hill’ e ‘A Maldição da Mansão Bly’, Flanagan deixa os fantasmas de lado mantendo a nova série mais próxima da realidade com elementos atrelados a sua própria vida como a luta contra o alcoolismo, o que é visto através do protagonista Riley Flynn (Zach Gilford). Na trama, Riley volta para sua cidade natal, a Ilha Crockett, após ser preso devido a um acidente desencadeado justamente pelo vício.  

A cidade em si é basicamente um fantasma: poucos habitantes resistem no povoado costeiro após o derramamento de óleo comprometer grande parte da economia local. Dado este cenário, muitos se apegam à fé para enfrentar a realidade, o que fica mais fácil com a chegada do carismático padre Paul (Hamish Linklater) acompanhado de eventos milagrosos e revelações assustadoras. 

Não é difícil de se envolver em ‘Missa da Meia-Noite’, afinal, Flanagan ambienta o clima de mistério como poucos atualmente. Isso deve-se graças à direção de fotografia Michael Fimognari, parceiro do diretor desde “O Espelho” (2013). Por outro lado, a montagem do próprio Flanagan acaba optando por incômodos cortes rápidos quando Paul interage com Riley, totalmente diferente dos diálogos do protagonista com Erin Greene (Kate Siegel) que se prolongam naturalmente sem cortes mostrando a proximidade entre ambos e os retratando de forma intimista. 

PROTAGONISTA APÁTICO 

A relação entre os personagens de “Missa da Meia-Noite” também acaba sendo um grande problema para o desenvolvimento da narrativa, pois, a trama principal ocorre através de Riley, um protagonista bem apático. Por diversas vezes, a atuação de Gilford sucumbe a Linklater e Siegel, sem espaço para o público se identificar com seus dramas ou mesmo sentir sua falta na história, tornando-se alguém esquecível.  

Responsável por conduzir junto de Gilford as revelações da série, Hamish Linklater se sai muito melhor ao apresentar um padre caridoso e, ao mesmo tempo, imponente. Já Kate Siegel nem precisa de maiores explicações por ser figurinha carimbada em produções de terror e, embora ela domine este gênero, seu monólogo sobre a morte é um dos grandes pontos altos de “Missa da Meia-Noite”. 

A marca de Flanagan 

Mesmo com uma criatura perfeitamente caracterizada e cenas bem gráficas de horror, Flanagan impõe por meio de diálogos e situações absurdas que a fanática Bev Keane (Samantha Sloyan) deve ser considerada a real vilã da história.  

Com seu fanatismo, ela destila preconceitos, dita regras sociais e impõem a religião sobre outras pessoas como vários grupos religiosos fizeram recentemente com ataques ao videoclipe “Glowria”, do coletivo amazonense Ateliê 23. Ainda mais, a personagem cria uma situação absurda baseada unicamente em sua fé, colocando a vida de outras pessoas em risco como o massacre de Jonestown nos anos 1970. Enfim, uma série com os dois pés fincados na realidade. 

Com maior envolvimento de Flanagan em ‘Missa da Meia-Noite’ em comparação a seus outros projetos, acredito que a série seja também uma vítima da overdose do seu criador: ele dirige e assina o roteiro e montagem de todos os episódios. Assim, existe uma visão unilateral da história, onde ele recorre novamente ao romance secreto e final agridoce, narrativas já vistas em outras produções e um ponto de segurança. Essa repetição não é mal executada, mas passa a impressão de que a série merecia mais, porque existe motivação, bons elementos visuais e uma temática muito bem abordada. 

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...

‘A Escada’: direção criativa acerta ao contar narrativa repetida

Em 2018, a Netflix colocou em seu streaming a produção documental “The Staircase”, dirigida por Jean-Xavier de Lestrade (vencedor do Oscar de melhor documentário por “Assassinato numa manhã de domingo”). A série true-crime acompanha o escritor Michael Peterson,...

‘Em Casa com os Gil’: palco de afeto e musicalidade

“Em Casa com os Gil”, nova aposta da Amazon Prime, é um convite para adentrar a casa de um dos maiores artistas da história da música e cultura brasileira, Gilberto Gil. Ali, naquele casarão em Araras (RJ), com o seu clã todo reunido, Gil abre a suas portas e...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 5: oportunidades perdidas

Quem está acompanhando as críticas de Obi-Wan Kenobi aqui no Cine Set deve ter notado que tenho considerado a personagem Reva problemática. Por quatro episódios, ela parecia malvada demais, exageradamente determinada em encontrar o herói da trama sem que houvesse uma...

‘Maldivas’: diversão inofensiva made in Netflix

Nada como uma boa diversão inofensiva, né? Tem dias que pedem (se bem que, sendo brasileira, isso é a todo momento). Foi com isso na cabeça que comecei a assistir a “Maldivas”, nova série nacional da Netflix. No caso dessa produção, é difícil desassociar-se da...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 4: série avança ao resgatar essência de ‘Star Wars

“Star Wars” nunca deve ser enfadonho. É uma das lições que a trilogia original ainda lega aos cineastas que seguem seus passos e continuam explorando o universo que George Lucas criou, seja no cinema e, agora, no streaming. Às vezes, o roteiro ou a história em si...

‘Iluminadas’: Wagner Moura brilha em série sobre misoginia nos anos 1990

Se remakes e a onda de nostalgia tem sido alguns dos propulsores da cultura pop, “Iluminadas” consegue homenagear os filmes de suspense e serial killer populares nos anos 1990. Baseada no livro homônimo de Lauren Beukes, a produção original da Apple TV+ conta com um...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 3: o retorno de Darth Vader

Bem... Sabíamos que ele iria aparecer, certo? A Disney já tinha divulgado uma foto dele antes da estreia de Obi-Wan Kenobi e a cena final da Parte 2 da minissérie praticamente garantia que veríamos ninguém menos que Darth Vader. Agora, neste novo episódio, o lorde...

‘Stranger Things 4’ – Volume 1: força do elenco move temporada

Quando “Lost” começou a ruir definitivamente, os resilientes fãs permaneceram acompanhando a série muito mais pelo apego a Jack, Kate, Sawyer, Sayid, Desmond do que pela vã esperança de que os mistérios teriam uma resolução diga. Da mesma forma ainda que (bem) longe...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódios 1 e 2

Antes de tudo, uma confissão, leitor, em nome da honestidade: eu me desliguei de Star Wars desde o final de 2019, quando fui ao cinema testemunhar o desastre A Ascensão Skywalker. Sério, o filme do J. J. Abrams conseguiu realizar a façanha de pegar meu entusiasmo pela...