Nos anos 1980, Eddie Murphy estrelou Um Príncipe em Nova York (1988), mas, na verdade, ele já fazia parte da realeza de Hollywood. Nessa década, o astro estrelava um sucesso atrás do outro, todos até hoje muito queridos e presentes na memória de inúmeros fãs de cinema. Claro, eles também funcionaram porque Murphy estava no auge dos seus poderes de gênio da comédia, capaz de fazer qualquer ser humano na Terra dar risadas. Curiosamente a sequência, Um Príncipe em Nova York 2, enfim, chega mediante lançamento no Amazon Prime, 33 anos depois, justo quando Murphy volta a recuperar um pouco da velha glória após o lançamento do ótimo Meu Nome é Dolemite (2019), no qual teve a atuação aclamada.

A seu favor, é necessário dizer que Murphy tentou realizar essa sequência várias vezes ao longo dos anos, mas, por um motivo ou outro, nunca dava certo. Porém, falando francamente, o astro bem que podia ter ignorado o apelo da nostalgia: continuações tardias quase nunca funcionam no cinema, e Um Príncipe em Nova York 2 não é exceção.

O primeiro filme, dirigido por John Landis – outro que também possuía muito talento para a comédia – tinha suas doses de humor pastelão e até baixaria, mas era, no fundo, uma história romântica com o príncipe Akeem, vivido por Murphy, viajando do seu país africano fictício de Zamunda até Nova York à procura do amor verdadeiro. A sequência começa com Akeem em paz em Zamunda até descobrir que, durante sua viagem a NY, ele acabou gerando um herdeiro antes de conhecer sua futura rainha – a revelação desse ponto da trama com direito a recriação digital de um dos momentos do original é a melhor deste segundo filme.

De acordo com a lei do país, só outro herdeiro homem pode assumir a sucessão do trono – embora Akeem tenha três filhas, mais do que capazes para a função. Por isso, ele viaja de novo aos EUA com seu escudeiro Sammi (Arsenio Hall) para buscar o herdeiro. O rapaz, Lavelle (Jermaine Fowler), é um pouco atrapalhado e tem parentes bem exagerados – Tracy Morgan faz o tio dele, e Leslie Jones a mãe. Todos voltam para Zamunda a fim de preparar o rapaz e proteger o trono de Akeem, que está sendo ameaçado pelo general Izzi (Wesley Snipes). E, claro, as confusões começam.

CARINHA DE FILME PARA TV

As melhores cenas de Um Príncipe em Nova York 2 se concentram mesmo nesse início do filme. É quando vemos um pouco do velho talento cômico de Murphy, voltamos a nos divertir com sua química com Hall – meio subutilizado no filme – e as participações especiais de James Earl Jones e Morgan Freeman arrancam alguns risos. O filme original foi responsável por iniciar a mania de Murphy de interpretar vários personagens com o auxílio de maquiagem e, novamente, ele volta a fazer isso aqui, acompanhado de Hall. O pessoal da barbearia, o reverendo e o astro da música soul Randy Watson, todos retornam, interpretados por Murphy ou Hall, e continuam engraçados.

Porém, quanto mais a história avança, mais fica claro que ela é pequena e boba demais para justificar fazer uma continuação do divertido longa original. Claro, é legal rever os atores do primeiro filme, 30 e poucos anos depois, e algumas referências, tanto aos anos 1980 quanto mais atuais – em dado momento, Zamunda é confundida com Wakanda, do filme Pantera Negra (2018), da Marvel. Mas não tarda e o longa começa a repetir algumas batidas do primeiro, com Lavelle descobrindo o verdadeiro amor, e a sua preparação não é assim tão divertida. Fowler, afinal, não tem o carisma de Murphy.

Visualmente, também, é um filme feio com aparência de produção para TV – embora inicialmente os planos fossem lançá-lo na tela grande. Parece uma produção barata e com uns efeitos em computação gráfica duvidosos, como na cena do leão. O diretor Craig Brewer, o mesmo de Meu Nome é Dolemite e escolhido pelo próprio Murphy para comandar o filme, não demonstra tanto traquejo desta vez: algumas piadas não têm timing, o ritmo do filme no meio fica muito frouxo e se torna quase um drama, e algumas interpretações ora são apáticas, ora muito exageradas. O próprio Akeem acaba virando coadjuvante da história em determinado pontno. Dentre os personagens novos, apenas Snipes funciona como o general antagonista, embora também exagere na dose em alguns momentos.

Um Príncipe em Nova York 2 até tenta recriar o clima e a diversão do original, mas não consegue se elevar acima do mero produto feito para despertar o interesse nostálgico da plateia. Não chega a ser um desastre total, afinal tem alguns poucos momentos divertidos, especialmente no seu início, e em alguns instantes ainda é possível perceber a força de Eddie Murphy e da sua dupla com Arsenio Hall, que nos deram a diversão ainda marcante do longa original. Mas é sem dúvida um filme insípido, igual a qualquer comédia da semana num streaming, do tipo que o espectador assiste, ri esparsamente e se esquece cerca de  dez minutos depois que ele acaba. Os anos 1980 foram muito bons para Murphy e a comédia hollywoodiana, mas não dá para viver só de nostalgia. O que não impedirá o astro e o estúdio de tentarem: Parece que vai vir por aí um novo Um Tira da Pesada…

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...