Nos anos 1980, Eddie Murphy estrelou Um Príncipe em Nova York (1988), mas, na verdade, ele já fazia parte da realeza de Hollywood. Nessa década, o astro estrelava um sucesso atrás do outro, todos até hoje muito queridos e presentes na memória de inúmeros fãs de cinema. Claro, eles também funcionaram porque Murphy estava no auge dos seus poderes de gênio da comédia, capaz de fazer qualquer ser humano na Terra dar risadas. Curiosamente a sequência, Um Príncipe em Nova York 2, enfim, chega mediante lançamento no Amazon Prime, 33 anos depois, justo quando Murphy volta a recuperar um pouco da velha glória após o lançamento do ótimo Meu Nome é Dolemite (2019), no qual teve a atuação aclamada.

A seu favor, é necessário dizer que Murphy tentou realizar essa sequência várias vezes ao longo dos anos, mas, por um motivo ou outro, nunca dava certo. Porém, falando francamente, o astro bem que podia ter ignorado o apelo da nostalgia: continuações tardias quase nunca funcionam no cinema, e Um Príncipe em Nova York 2 não é exceção.

O primeiro filme, dirigido por John Landis – outro que também possuía muito talento para a comédia – tinha suas doses de humor pastelão e até baixaria, mas era, no fundo, uma história romântica com o príncipe Akeem, vivido por Murphy, viajando do seu país africano fictício de Zamunda até Nova York à procura do amor verdadeiro. A sequência começa com Akeem em paz em Zamunda até descobrir que, durante sua viagem a NY, ele acabou gerando um herdeiro antes de conhecer sua futura rainha – a revelação desse ponto da trama com direito a recriação digital de um dos momentos do original é a melhor deste segundo filme.

De acordo com a lei do país, só outro herdeiro homem pode assumir a sucessão do trono – embora Akeem tenha três filhas, mais do que capazes para a função. Por isso, ele viaja de novo aos EUA com seu escudeiro Sammi (Arsenio Hall) para buscar o herdeiro. O rapaz, Lavelle (Jermaine Fowler), é um pouco atrapalhado e tem parentes bem exagerados – Tracy Morgan faz o tio dele, e Leslie Jones a mãe. Todos voltam para Zamunda a fim de preparar o rapaz e proteger o trono de Akeem, que está sendo ameaçado pelo general Izzi (Wesley Snipes). E, claro, as confusões começam.

CARINHA DE FILME PARA TV

As melhores cenas de Um Príncipe em Nova York 2 se concentram mesmo nesse início do filme. É quando vemos um pouco do velho talento cômico de Murphy, voltamos a nos divertir com sua química com Hall – meio subutilizado no filme – e as participações especiais de James Earl Jones e Morgan Freeman arrancam alguns risos. O filme original foi responsável por iniciar a mania de Murphy de interpretar vários personagens com o auxílio de maquiagem e, novamente, ele volta a fazer isso aqui, acompanhado de Hall. O pessoal da barbearia, o reverendo e o astro da música soul Randy Watson, todos retornam, interpretados por Murphy ou Hall, e continuam engraçados.

Porém, quanto mais a história avança, mais fica claro que ela é pequena e boba demais para justificar fazer uma continuação do divertido longa original. Claro, é legal rever os atores do primeiro filme, 30 e poucos anos depois, e algumas referências, tanto aos anos 1980 quanto mais atuais – em dado momento, Zamunda é confundida com Wakanda, do filme Pantera Negra (2018), da Marvel. Mas não tarda e o longa começa a repetir algumas batidas do primeiro, com Lavelle descobrindo o verdadeiro amor, e a sua preparação não é assim tão divertida. Fowler, afinal, não tem o carisma de Murphy.

Visualmente, também, é um filme feio com aparência de produção para TV – embora inicialmente os planos fossem lançá-lo na tela grande. Parece uma produção barata e com uns efeitos em computação gráfica duvidosos, como na cena do leão. O diretor Craig Brewer, o mesmo de Meu Nome é Dolemite e escolhido pelo próprio Murphy para comandar o filme, não demonstra tanto traquejo desta vez: algumas piadas não têm timing, o ritmo do filme no meio fica muito frouxo e se torna quase um drama, e algumas interpretações ora são apáticas, ora muito exageradas. O próprio Akeem acaba virando coadjuvante da história em determinado pontno. Dentre os personagens novos, apenas Snipes funciona como o general antagonista, embora também exagere na dose em alguns momentos.

Um Príncipe em Nova York 2 até tenta recriar o clima e a diversão do original, mas não consegue se elevar acima do mero produto feito para despertar o interesse nostálgico da plateia. Não chega a ser um desastre total, afinal tem alguns poucos momentos divertidos, especialmente no seu início, e em alguns instantes ainda é possível perceber a força de Eddie Murphy e da sua dupla com Arsenio Hall, que nos deram a diversão ainda marcante do longa original. Mas é sem dúvida um filme insípido, igual a qualquer comédia da semana num streaming, do tipo que o espectador assiste, ri esparsamente e se esquece cerca de  dez minutos depois que ele acaba. Os anos 1980 foram muito bons para Murphy e a comédia hollywoodiana, mas não dá para viver só de nostalgia. O que não impedirá o astro e o estúdio de tentarem: Parece que vai vir por aí um novo Um Tira da Pesada…

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...