De Sharon Stone, em “Instinto Selvagem”, a Jim Carrey, por “O Show de Truman”, Caio Pimenta traz as 10 maiores esnobadas do Oscar nos anos 1990.

10. PAM GRIER, por “JACKIE BROWN” 

“Jackie Brown” pode não ser o melhor muito menos um dos mais amados filmes do Tarantino, mas, a Pam Grier não ter sido indicada é um absurdo. 

Com toda a postura agressiva e cheia de atitude de um ícone da blaxplotation, a Pam Grier é a alma de “Jackie Brown”. Igual fizera com Uma Thurman anos depois em “Kill Bill”, Tarantino deixa a câmera ficar fascinada pelo estilo de sua protagonista, criando uma heroína das mais interessantes dos anos 1990. 

Pensar que a Julie Christie, pelo esquecível “O Despertar do Desejo”,  foi indicada e não a Pam Grier é inexplicável. “Jackie Brown”, aliás, só foi indicado pelo saudoso Robert Foster em Melhor Ator Coadjuvante. 

9. ANG LEE, de “RAZÃO E SENSIBILIDADE” e RON HOWARD, de “APOLLO 13

As indicações a Melhor Direção do Oscar 1996 foram estranhas pela ausência de dois diretores com filmes importantes na briga pelo prêmio de Melhor Filme. 

Em uma temporada sem grandes favoritos, imaginava-se que a disputa ficaria entre “Coração Valente” e “Apollo 13” com “Razão e Sensiblidade” correndo por fora. Para surpresa geral, porém, Ron Howard e Ang Lee ficaram de fora da categoria de Melhor Direção perdendo a vaga para Chris Noonan, de “Babe”, e Michael Radford, de “O Carteiro e o Poeta”. 

Com essas esnobadas, o caminho ficou aberto para o Mel Gibson levar o Oscar. Dos dois esnobados, eu lamento mais pelo Ang Lee que sempre adotou um estilo mais pessoal aos seus filmes do que o Ron Howard, o qual sempre segue a linha convencional. 

8. SHARON STONE, por “INSTINTO SELVAGEM” 

Faltou coragem para a Academia reconhecer um dos trabalhos mais marcantes em Hollywood nos anos 1990. 

Em “Instinto Selvagem”, a Sharon Stone magnetiza a tela toda vez que está em cena. A sensualidade de Catherine Trammell passa longe de uma banalização gratuita da nudez para ser um jogo de dominação sobre o seu parceiro e controle da situação. A famosa cruzada de pernas é o ápice disso e entrou para a história do cinema. 

A esnobada da Sharon Stone é ainda mais absurda quando a gente pega a lista das indicações ao Oscar 1993. Apesar de ter gigantes como Catherine Deneuve, Michelle Pfeffeir e Susan Sarandon, nenhuma ali esteve melhor do que a Sharon, incluindo na lista a vencedora do prêmio naquele ano, a Emma Thompson, por “Retorno a Howard´s End”. 

7. JOHN TURTURRO, por “BARTON FINK” 

Antes dos irmãos Coen virarem queridinhos da Academia, os dois sofreram até serem reconhecidos. Com isso, o John Turturro se deu mal em 1992 com “Barton Fink – Delírios de Hollywood”. 

O ator está impagável como o personagem-título desta deliciosa comédia sobre o cinema. A produção saiu consagrada do Festival de Cannes ao levar a Palma de Ouro, além dos prêmios de Direção e ator com Turturro. No Oscar, porém, restaram três indicações em categorias menores. Inexplicável. 

6. AS PONTES DE MADISON 

A grande pergunta do Oscar 1996 após as indicações foi muito simples:  o que diabos aconteceu com “As Pontes de Madison”: 

O belo romance teve apenas uma indicação com a Meryl Streep. As esnobadas em Melhor Filme, Direção e Ator para Clint Eastwood, e Roteiro Adaptado são injustiças históricas ainda mais gritantes quando vimos nas categorias principais “Babe”, “O Carteiro e o Poeta”, e “Apollo 13”. 

5. FESTA DE FAMÍLIA 

Criado por Lars Von Trier e Thomas Vintenberg, o Dogma 95 foi, talvez, o último grande movimento cinematográfico já surgido. Em 1999, a Academia teve a oportunidade de reconhecê-lo, mas, resolveu ignorar. 

“Festa de Família” foi o segundo longa da carreira do Vintenberg e é um dos melhores exemplares (se não, o melhor) do Dogma. Acompanhando o aniversário de 60 anos do patriarca de uma família, somos testemunhas das crises familiares repleta de mágoas. 

O “Festa de Família” segue todos os preceitos do Dogma 95 com temas calcados no mundo real, sem iluminação artificial, música apenas diegética e chegou a ser indicado ao Globo de Ouro. No Oscar, porém, perdeu espaço e viu a disputa ficar restrita a “A Vida é Bela” e “Central do Brasil”. 

4. MEG RYAN, por “HARRY E SALLY”

Sempre faço questão de citar o quanto eu não acho justo que atuações de filmes de comédia são esquecidos constantemente nas premiações. Se nos anos 2000, eu citei o Sacha Baron Cohen, de “Borat, agora, eu coloco a Meg Ryan, de “Harry e Sally”. 

A consolidação de Meg Ryan como uma estrela da comédia romântica veio neste excelente filme do Rob Reiner. Dos momentos de maior ternura até a inesquecível cena do café, a atriz faz um dos trabalhos mais cativantes da década. 

E pensar que no Oscar 1990 quem venceu o prêmio foi a Jessica Tandy e tivemos uma série de indicadas com trabalhos muito, muito abaixo da Meg Ryan. Uma pena. 

3. A ÉPOCA DA INOCÊNCIA 

Os brutos também amam. Essa frase cai como uma luva para o que representa “A Época da Inocência” para o Martin Scorsese, um diretor até então conhecido de filmes estrelados por homens agressivos e repleto de violência. 

Repleto de elegância e delicadeza, o filme é um dos mais bonitos feitos nos EUA na década 1990, sendo um primor no figurino e direção de arte, além, claro, de uma sofisticação narrativa com personagens extremamente complexos. Mesmo assim, “A Época da Inocência” não conseguiu espaço em Melhor Filme, Direção, Atriz com a Michelle Pfeiffer e Ator com o Daniel Day-Lewis. 

Para a defesa da Academia, 1994 teve uma das melhores seleções da década com “A Lista de Schindler”, “O Piano”, “Vestígios do Dia” e “O Fugitivo”. Mesmo assim, dava para encaixar “A Época da Inocência”. 

2. O SHOW DE TRUMAN 

Parece uma piada daquelas do Jim Carrey, mas, “O Show de Truman” ficou no meio do caminho no Oscar 1999. 

O filme do Peter Weir tinha tudo para ser indicado na categoria principal e até correr por fora na disputa pelo prêmio então dividida entre “O Resgate do Soldado Ryan” e “Shakespeare Apaixonado”. Porém, “O Show de Truman” não contava com o aparecimento de “Além da Linha Vermelha” que roubou a vaga do filme na última hora. 

A esnobada no Jim Carrey em Melhor Ator foi semelhante ao ocorrido com o Leonardo DiCaprio em 1998 por “Titanic”. Para nossa sorte, o Jim Carrey é mais espirituoso e fez uma aparição incrível na cerimônia, zoando com si mesmo. Tô deixando esse vídeo lá no site do Cine Set para você ver. 

1. SPIKE LEE, por “FAÇA A COISA CERTA”

A cerimônia de 1990 é uma série de absurdos, mas, a maior delas é, sem dúvida, a esnobada histórica a Spike Lee pela obra-prima “Faça a Coisa Certa”. 

Se “12 Anos de Escravidão”, “Moonlight” ou “Infiltrado na Klan” foram feitos hoje, é porque existiu “Faça a Coisa Certa”. O filme é a obra do cinema negro mais importante até hoje e trouxe diversos nomes conhecidos mundialmente para ganhar espaço na tela. Mesmo assim a Academia deixou a produção de lado para dar o prêmio a um longa com um discurso mais confortável por ser menos contestador como “Conduzindo Miss Daisy”, filme em que, mais uma vez, está em posição de submissão ao branco. 

Não é à toa que ainda hoje nenhum diretor negro, nem mesmo o Spike Lee, chegou perto de vencer o Oscar. 

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Tom Hanks

De “Quero Ser Grande” a “Um Lindo Dia na Vizinhança”, Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Tom Hanks no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=BLCxS2aVHX8 6. O RESGATE DO SOLDADO RYAN Para você ver o nível do Tom Hanks, a indicação vinda da...

Oscar 2022 de Melhor Ator Coadjuvante: Previsões Iniciais

De Bradley Cooper a Willem Dafoe, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Ator Coadjuvante. https://www.youtube.com/watch?v=A4kohV2RCMw CHANCES MÍNIMAS Dois atores de filmes queridos da crítica devem ficar de fora.  O excelente Vincent...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Al Pacino

Al Pacino.   Só de falar esse nome dá vontade de fazer uma reverência, afinal, se trata de uma das maiores lendas da história do cinema. A Academia, entretanto, não teve a melhor das relações com o ator e, apesar das nove indicações, ele venceu apenas uma vez.  Neste...

Oscar 2022 de Melhor Direção: Previsões Iniciais

De Steven Spielberg a Kenneth Branagh, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Direção. https://www.youtube.com/watch?v=k7yCO2R6RIs CHANCES MÍNIMAS  Já que iniciei falando de mulheres na direção, algumas delas parecem bem distantes da...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Kate Winslet

De "Razão e Sensibilidade" a "Steve Jobs", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Kate Winslet no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=nfP509-GoY0&t=249s 7. IRIS  Em 2002, a Kate Winslet disputou melhor atriz coadjuvante por “Iris”.  No...

Oscar 2022 de Melhor Ator: Previsões Iniciais

De Clint Eastwood a Will Smith, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Ator.  https://www.youtube.com/watch?v=3R1FHc5qXlI CHANCES MÍNIMAS    Tem muita gente sem grandes chances no Oscar 2022 de Melhor Ator. Quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Frances McDormand

A Katharine Hepburn pode ser a maior vencedora do Oscar de Melhor Atriz com quatro estatuetas, porém, a Frances McDormand detém um recorde incrível: 100% de aproveitamento na categoria com três indicações e três vitórias.   Ela ainda soma outras nomeações em atriz...

Oscar 2022 de Melhor Atriz: Previsões Iniciais

De Rachel Zegler a Lady Gaga e Kristen Stewart, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Atriz.  https://www.youtube.com/watch?v=IwUGzahLr6c CHANCES MÍNIMAS     Apesar dos muitos elogios a elas, três candidatas parecem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Leonardo DiCaprio

De "Gilbert Grape" a "Era uma vez em Hollywood", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Leonardo DiCaprio no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=zjIqnog1h8Y 6. O REGRESSO  Igual fiz com o Martin Scorsese, começo com o desempenho que valeu o...

Museu da Academia em Los Angeles abre e promete passeio cinéfilo inesquecível

Chegou o dia: o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está aberto para todo o público em Los Angeles. A cerimônia de inauguração aconteceu nesta quinta-feira, 30 de setembro, na The Walt Disney Company Piazza. O passeio promete ser parada obrigatória...