Com uma premiada carreira em curtas-metragens e prestes a lançar o primeiro longa, Cristiane Garcia representa o Amazonas no ’70 Olhares sobre os Direitos Humanos’. O projeto organizado pelo Ministério da Cidadania, com a produção do Instituto Cultura em Movimento – ICEM, traz 70 filmes com um minuto de duração feitos por dez diretores convidados, entre eles Tizuka Yamasaki, e 60 estudantes selecionados por meio de edital.

Neste momento, o projeto está em fase de distribuição destas obras. Para tanto, o ICEM está com inscrições abertas, até o dia 31 de maio, para instituições culturais e educacionais de todo o Brasil interessadas em receber e exibir os filmes. Serão distribuídos gratuitamente 150 kits que incluem os 70 filmes e material pedagógico para apoio às sessões seguidas de debates. O material de apoio traz noções básicas sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos, o contexto de seu surgimento e sua aplicação no Brasil, além de sugestões de atividades para promover o debate a partir da exibição dos filmes.

Podem receber o material universidades, escolas, institutos e organizações da sociedade civil, que disponham de recursos técnicos para a realização de exibições gratuitas. O regulamento completo para as instituições interessadas em receber os kits está disponível no site do projeto: www.70olhares.org. 

DESTAQUES DO PROJETO

Os 70 filmes produzidos abordam temáticas variadas, como direito à educação, racismo, refugiados e imigrantes, população indígena, Direito LGBT, religião, intolerância, desigualdade social, liberdade de expressão, meio ambiente, ditadura, mobilidade urbana, entre outros temas presentes na DUDH.

As obras foram realizadas em diferentes formatos: 43 ficções, 12 documentários, 7 animações e 8 filmes experimentais. O cineasta Victor Lopes, por exemplo, assina uma obra experimental com imagens e vozes de artistas e cientistas para falar sobre o direito à cultura.  Tizuka Yamasaki usa a ficção para abordar os Direitos da pessoa idosa. Takumã Kaiukuro, outro cineasta convidado, fala sobre os direitos da população indígena no filme O Sal do Xingu. Já a cineasta Cristiane Garcia, de Manaus – AM, usa a Malhação de Judas para falar sobre direito à Justiça.

SOBRE CRISTIANE GARCIA

Cristiane Garcia traz uma premiada carreira comandando curtas-metragens. A adaptaçãod do conto do escritor amazonense Milton Hatoum, “Nas Asas do Condor”, foi o primeiro filme em 35mm do Amazonas em mais de três décadas. O projeto ganhador do prêmio Daycoval no Amazonas Film Festival de 2006 circulou por mais de 30 mostras e festivais, sendo exibido no Festival Internacional de Cinema Infantil – FICI. Já “Abóbora” se sagrou vencedor do Prêmio do Público e do Júri da Mostra de Curtas-Metragens Digital – Amazonas AFF. Por fim, “Aquário” integrou a primeira edição da Mostra do Cinema Amazonense.

Em 2019, a diretora gravou “Enquanto o Céu não me Espera”, primeiro longa-metragem da carreira. O projeto da produtora local Olha Já Filmes conta no elenco principal com Irandhir Santos, Priscila Vilela, Maycon Douglas, Jully Fabielly, Ágatha Dinelli e Cauãn. A história traz Irandhir Santos como Vicente, um agricultor, morador do beiradão de rio, herdeiro de uma cultura que seu pai iniciou e que garantiu o sustento de toda a família por um bom tempo. “Com as mudanças climáticas, sobreviver da agricultura de várzea ficou muito difícil. O “tempo” mudou. A enchente vem mais intensa, mais bruta. A seca racha ainda mais o solo. Vicente não desiste; persiste até a exaustão por dias melhores e noites tranquilas”, explicou a diretora em postagem feita nas redes sociais.

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...

‘Boto’ – Episódios 6 e 7: série cresce independente de obstáculos

Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: o protagonismo da enigmática Manaus

Se a política pública de regionalização do audiovisual brasileiro adotada na última década tinha como um dos objetivos dar voz a artistas locais apresentarem realidades de locais pouco vistos na TV e cinema, “Boto” consegue ser um representante certeiro deste processo...