“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres deste ano, sofre com um ritmo letárgico e uma abordagem muda que não ajuda em nada sua trama pouco dramática. Sozinhos, seus subtextos válidos – já abordados de melhor forma em outras longas – não a sustentam.

Roth interpreta Neil, um bon vivant caladão que está de férias no México com a irmã Alice (Gainsbourg). Quando a mãe deles morre e os dois têm de voltar subitamente para a sua nativa Inglaterra, Neil finge ter perdido o passaporte e fica no local. Ele arranja um quarto, passa a bater ponto na praia enchendo a cara todos os dias e começa um romance com uma jovem local. Quando a vida real vem bater à porta, tudo o que ele conhece sai do eixo.

INÉRCIA TOTAL

O roteiro, escrito por Franco, quer falar sobre a bancarrota moral de membros do 1% e das amplas repercussões que decisões mesquinhas podem causar. Em ações erráticas, Neil se mostra um sociopata de marca maior, incapaz de sentir qualquer coisa ou de ter empatia mesmo por entes próximos.

A fuga para o México vem de um desejo de escapar das poucas responsabilidades que tem – doa a quem doer -, mas não do estilo de vida luxuoso que tem como herdeiro e acionista de uma grande firma. Ao mesmo tempo em que diz que dinheiro não importa, ele consegue um acordo que lhe concede uma gorda pensão vitalícia quando o desentendimento com a irmã se torna insustentável, por exemplo.

Infelizmente, Franco deixa esses temas soltos, não muito diferente da forma como Neil fica depois de despistar Alice: jogado do lado de fora esperando o sol fazer todo o trabalho. “Sundown” é só insinuação e inércia, com acontecimentos indo e vindo entre longas pausas e não deixando impressão – irônico para um filme que quer questionar consequências.

REVIRAVOLTA SEM POTÊNCIA

Essa abordagem faz os curtos 83 minutos da produção parecerem intermináveis. Tanto que, depois de uma hora de vários nadas, quando uma reviravolta desencadeia o terceiro ato e injeta energia no filme, o dano já está feito.

O ato em questão dá nova perspectiva à decisão de Neil, mas não dá nenhuma carga dramática extra ao filme. De fato, quando ocorre, ainda que ele não seja esperado, a sensação de que algo do tipo era inevitável é inafastável.

Em tom, “Sundown” se assemelha aos estudos de personagem naturalistas do início da carreira de Franco – milhas distantes do raivoso e apocalíptico “New Order”, que causou controvérsia em Veneza no ano passado. Porém, a análise da fraqueza do homem tóxico contemporâneo vem apática e sem dentes – muito parecida com seu protagonista.

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...

‘Donzela’: mitologia rasa sabota boas ideias de conto de fadas

Se a Netflix fosse um canal de televisão brasileira, Millie Bobby Brown seria o que Maisa Silva e Larissa Manoela foram para o SBT durante a infância de ambas. A atriz, que alcançou o estrelato por seu papel em “Stranger Things”, emendou ainda outros universos...

‘O Astronauta’: versão ‘Solaris’ sem brilho de Adam Sandler

Recentemente a revista Forbes publicou uma lista com os maiores salários recebidos por atores e atrizes de Hollywood em 2023. O N.1 é Adam Sandler: o astro recebeu no ano passado nada menos que US$ 73 milhões líquidos a partir de um contrato milionário com a Netflix...