“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres deste ano, sofre com um ritmo letárgico e uma abordagem muda que não ajuda em nada sua trama pouco dramática. Sozinhos, seus subtextos válidos – já abordados de melhor forma em outras longas – não a sustentam.

Roth interpreta Neil, um bon vivant caladão que está de férias no México com a irmã Alice (Gainsbourg). Quando a mãe deles morre e os dois têm de voltar subitamente para a sua nativa Inglaterra, Neil finge ter perdido o passaporte e fica no local. Ele arranja um quarto, passa a bater ponto na praia enchendo a cara todos os dias e começa um romance com uma jovem local. Quando a vida real vem bater à porta, tudo o que ele conhece sai do eixo.

INÉRCIA TOTAL

O roteiro, escrito por Franco, quer falar sobre a bancarrota moral de membros do 1% e das amplas repercussões que decisões mesquinhas podem causar. Em ações erráticas, Neil se mostra um sociopata de marca maior, incapaz de sentir qualquer coisa ou de ter empatia mesmo por entes próximos.

A fuga para o México vem de um desejo de escapar das poucas responsabilidades que tem – doa a quem doer -, mas não do estilo de vida luxuoso que tem como herdeiro e acionista de uma grande firma. Ao mesmo tempo em que diz que dinheiro não importa, ele consegue um acordo que lhe concede uma gorda pensão vitalícia quando o desentendimento com a irmã se torna insustentável, por exemplo.

Infelizmente, Franco deixa esses temas soltos, não muito diferente da forma como Neil fica depois de despistar Alice: jogado do lado de fora esperando o sol fazer todo o trabalho. “Sundown” é só insinuação e inércia, com acontecimentos indo e vindo entre longas pausas e não deixando impressão – irônico para um filme que quer questionar consequências.

REVIRAVOLTA SEM POTÊNCIA

Essa abordagem faz os curtos 83 minutos da produção parecerem intermináveis. Tanto que, depois de uma hora de vários nadas, quando uma reviravolta desencadeia o terceiro ato e injeta energia no filme, o dano já está feito.

O ato em questão dá nova perspectiva à decisão de Neil, mas não dá nenhuma carga dramática extra ao filme. De fato, quando ocorre, ainda que ele não seja esperado, a sensação de que algo do tipo era inevitável é inafastável.

Em tom, “Sundown” se assemelha aos estudos de personagem naturalistas do início da carreira de Franco – milhas distantes do raivoso e apocalíptico “New Order”, que causou controvérsia em Veneza no ano passado. Porém, a análise da fraqueza do homem tóxico contemporâneo vem apática e sem dentes – muito parecida com seu protagonista.

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...