Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de público. Ao mesmo tempo, também por essa fase, escreveu, ao lado do amigo Matt Damon, o ótimo roteiro de Gênio Indomável (1997), ganhando o seu primeiro Oscar, e o reconhecimento de que era mais do que apenas a sua aparência. 

Na década seguinte enumerou filmes, com maior e menor sucesso de público, que não foram muito marcantes. Mesmo permanecendo eficiente no que se propunha, a continuidade da carreira de Affleck indicava que ele não tinha muito a oferecer além do que já havia realizado, e que a bem sucedida empreitada como roteirista seria um ponto fora da curva. Só que ele enganou todo mundo. 

Affleck, numa nova fase da carreira, apresentou-se como um diretor acima da média com Medo da Verdade (2007), Atração Perigosa (2010) e principalmente Argo (2012), vencedor dos Oscars de melhor filme, montagem e roteiro. Ficou faltando a indicação a melhor diretor, mas ainda assim seu caminho nessa nova jornada já estava mais do que pavimentado, afinal ele mostrou que é capaz de se reinventar, e de liderar bons projetos. 

Porém, novamente as previsões não se cumpriram. 

Com exceção da boa repercussão em Garota Exemplar (2014), Affleck voltou a encarar um downswing na carreira. Sua última direção, A Lei da Noite (2016), esgotou todos os créditos que conseguiu com a Warner pelos bons filmes que realizara, sendo massacrado pela crítica e dono de enorme prejuízo financeiro. Seus filmes do Batman foram produções conturbadas com desempenho questionável. E até sua vida pessoal, com recaídas no seu notório problema com o alcoolismo, voltaram a rondar o seu nome, mais do que a repercussão de seus últimos filmes. 

Neste momento, mais uma vez não dá pra saber muito bem como vai ser o restante da carreira de Affleck. E neste contexto é lançado Caminho de Volta, dirigido por Gavin O’Connor, em que todos os holofotes estão na figura do ator, que neste filme interpreta um personagem com semelhanças com a sua vida pessoal (alcoolismo), certamente criando um hype diferente para este trabalho. 

Na trama, Jack (Ben Affleck) é um ex-jogador de basquete considerado um fenômeno nos seus anos de colegial, mas que por alguns fatores não desenvolveu carreira como atleta profissional. No momento ele trabalha no ramo das construções num emprego monótono, e está com problemas de alcoolismo, decorrido de um trauma acontecido anos antes. Ele recebe um convite, da escola onde jogava, para treinar o time de basquete do local. Relutante, acaba aceitando, mas os desafios para superar lembranças e dificuldades da sua vida pessoal, além do vício que não para de crescer, irão se chocar com a condução deste seu resgate ao basquete. 

OBJETIVOS CUMPRIDOS SEM MUITA OUSADIA

 

Os paralelos entre Jack e Affleck são notórios, e sem dúvida trazem um tensionamento diferente ao filme. Tudo parece ter um peso maior, mesmo que simbólico, ao vermos o ator em cena, bebendo um gole após o outro, ultrapassando a linha da dependência. Bastidores contam que Affleck saiu de uma última visita a uma clínica de reabilitação, após mais uma recaída, e foi direto ao set para gravar. É claro que não é brincadeira uma situação dessas. 

Como já demonstrou em outras oportunidades, Affleck é um ator capaz de carregar um filme. Seu trabalho é econômico e inteligente – tem consciência, inclusive, deste peso que a sua imagem associada ao álcool traz –, e muito raramente sobe o tom de voz ou usa gestos expansivos. Jack é um homem introspectivo, que guarda sua dor para si, não quer demonstrar para ninguém. A atuação é feliz ao não cair em clichês do que é a representação de um bêbado, trabalhando em um registro entristecido, de um homem que tem o uso do álcool como sintoma de uma ferida aberta na sua vida, que o impede de caminhar para frente. 

Ao mesmo tempo, o filme não tem como objetivo lançar um olhar aprofundado sobre o tema. A direção de O’Connor suaviza os conflitos e a própria representação dos atores, que estão num registro distante da crueza, mais próximo de um tom brando. Caminho de Volta prefere ser um filme edificante para toda a família assistir. 

O uso recorrente de uma trilha dramática tensa a cada momento que o personagem ingere álcool (e são muitos momentos, principalmente na primeira metade), sublinha, de fora pra dentro, o quanto aquilo é grave e prejudicial, num elemento narrativo que não só é desnecessário, como fragiliza as situações que se fossem mostradas de maneira mais crua teriam impacto muito maior. Como se O’Connor sempre visse a necessidade de reafirmar o quanto aquilo é sério e prejudicial ao protagonista, mesmo que já sejamos capazes de entender. 

Considero acertado o tamanho que o basquete tem na trama, desde a dimensão que o time da cidade tem dentro da liga que participa, até o espaço dentro do filme dedicado aos treinos e jogos. Ao mesmo tempo, é importante dizer que as cenas não empolgam. Podem até estar corretas na função que cumprem dentro do roteiro, mas ao mesmo tempo não se configuram como uma potência do trabalho, o que acaba cumprindo papel anticlimático. 

É até estranho falar dos problemas deste filme, pois ele se parece muito consciente do que quer e, justiça seja feita, é bem-sucedido em muitos dos seus objetivos. Só me parece claro que alcança o que quer porque suas ambições estão num campo confortável. A impressão que passa é que Affleck e o roteiro tinham mais a oferecer caso houvesse uma direção com um olhar mais apurado na condução de dramas humanos, pois havia ali um bom protagonista a ser desenvolvido. 

Certamente não vai ser com este trabalho que Affleck irá se reinventar e dar uma guinada na carreia. Mesmo com a sólida atuação, está desamparado por um filme que tem mais cara de drama de TV do que de cinema. Mas é bom vê-lo de volta imerso em algo pessoal, como foram os seus primeiros filmes atrás da câmera. Que seja um disparador para que ele acesse o que tem de melhor no seu repertório, o que refletiria novamente em bons filmes.

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...