Para retornar a falar de cinema aqui no Cine Set, antes preciso falar de Manaus.

O Cine Set sempre teve orgulho de ser um site de cinema independente produzido aqui na capital amazonense e, diante da maior tragédia da história da cidade, não dá para seguir adiante sem falar sobre isso.

O torpor do momento guia as frases a seguir. 

A foto acima é de autoria de Raphael Alves, responsável pelos registros mais dolorosos e brilhantes da pandemia em Manaus. Gentilmente, ele autorizou a utilização da foto neste post.

A Manaus de 351 anos chegou ao fim simultaneamente com o oxigênio dos hospitais da cidade no dia 14 de janeiro de 2021. Naquela manhã desesperadora de notícias chocantes de tão inacreditáveis, qualquer fachada de civilidade e modernidade da propagada metrópole da Amazônia desmoronou diante da ausência do insumo mais básico para salvar uma vida. Da forma mais cruel, a pandemia jogou ali na nossa cara a realidade distópica em que vivíamos. 

Gostaria de dizer que foi uma surpresa tamanha tragédia, mas, infelizmente, qualquer pessoa com o mínimo de bom senso sabia que uma pandemia tinha tudo para trazer esta catástrofe. Com seus planos de saúde da Unimed, Hapvida ou Samel, a elite e classe média (a qual me incluo) nunca se importaram com as péssimas condições de trabalhos para médicos e enfermeiros em hospitais públicos sucateados – nem vale citar aqui o descaso da turma que está em outro patamar e realiza seus check-up anuais no Albert Einstein ou Sírio Libanês. Dirá alguém: ‘mas, os políticos e as roubalheiras deles são os culpados’. Sem dúvida a parcela deles é enorme, mas, que tipo de sociedade somos a ponto de aceitar durante todo este tempo o inacreditável fato de não termos uma UTI sequer no interior do Amazonas, um Estado do tamanho de diversos países da Europa e América Central?  

Nesta distopia, o combate ao vírus encontrou brechas perfeitas no saneamento básico precário de Manaus impedindo milhares de pessoas a ter o mínimo de dignidade em suas casas; nas moradias indignas que nada contribuem para o isolamento social; no abastecimento de água deficiente nas regiões periféricas; na ganância de parte significativa da classe empresarial explorando pessoas sem condições de dizer não por motivos econômicos; e o populismo de políticos, líderes religiosos e apresentadores de televisão com crendices e negacionismo através de desinformação para pessoas assustadas e ensinadas por toda vida a obedecer e jamais contestar.  

A COVID-19, democrática que só ela, entretanto, derrubou tudo isso e aproveitou estes maus caminhos para impor o horror em todos nós. Passada a primeira onda, entretanto, Manaus decidiu dobrar a aposta e, em um surto coletivo, casamentos, torneios de futebol, baladas, formaturas, aulas presenciais, aniversários, shows, viagens de férias, confraternizações de fim de ano, festas de Natal e Réveillon proliferaram e, unindo bolsonaristas e petistas, ricos e pobres, Ponta Negra e Mutirão, decretamos o fim da pandemia.  

Como um oponente estrategista brilhante, o vírus deixou pensar que vencemos, evoluiu e, na hora que se revelou, aplicou o golpe fatal na cidade. A tragédia da corrida pelo oxigênio continua e deve seguir nos próximos dias, enquanto pacientes se acumulam nos corredores lotados dos hospitais públicos e privados. Os enterros feitos a toque de caixa, sem qualquer vestígio de humanidade, completam este cenário devastador. 

Encolhidos em casa, aguardamos o fim da tempestade para colocarmos a cabeça para fora. Mas, qual será a realidade?  

A distópica Manaus sem árvores, com vergonha de suas raízes indígenas e ancestralidade?  

A Manaus acostumada com os fogos de artifícios para celebrar os aniversários de líderes de facções criminosas?  

A Manaus da violência policial e do tráfico de drogas? 

A Manaus dependente de afagos de outras regiões para se sentir valorizada? 

A Manaus de professores abandonados à própria sorte nas escolas públicas e relegados a meros conteudistas das escolas privadas?  

A Manaus que observa a multiplicação de famílias nas ruas?  

A Manaus que critica (justamente) o governador, mas aplaude com enorme audiência o seu substituto grotesco? 

 A Manaus que vê as mesmas famílias se revezarem no Judiciário local?  

A Manaus dependente de um modelo econômico ‘provisório’ com mais de 50 anos? 

A Manaus que vira às costas aos seus espaços culturais e artistas? 

A Manaus que espalha cartazes de adoração àquele que a sufoca? 

Se fosse no cinema, diante desta realidade, um produtor diria que Manaus precisaria de um reboot, ou seja, recomeçar do zero sua história.  

A questão é saber se teremos forças para isso ou se já não vale mais a pena. 

Em Manaus, Cine Set abre inscrições para curso de direção em audiovisual

Os cursos presenciais do Cine Set estão de volta após um longo e tenebroso inverno. O retorno será com a nova edição do Curso de Direção ministrado por Diego Bauer, diretor de curtas-metragens amazonenses premiados como "Obeso Mórbido" e "Terra Nova". As aulas serão...

De Manaus para Curitiba: Cine Set fará a cobertura do Olhar de Cinema 2022

Pela primeira vez, o Cine Set terá um correspondente in loco para a cobertura do Olhar de Cinema que ocorre entre os dias 1 e 9 de junho, em Curitiba. Gabriel Bravo de Lima irá de Manaus para a capital paranaense acompanhar o festival, produzindo críticas dos longas e...

O Fórum Feminino do Audiovisual do Amazonas | Podcast Cine Set #69

Surgido após a ausência de filmes dirigidos por mulheres amazonenses na quarta edição do Festival Olhar do Norte, o Fórum Feminino do Audiovisual do Amazonas chega como um local de fortalecer laços entre as mulheres que trabalham no setor do Estado. A geração de...

Do Acre para a Suécia: ‘Noites Alienígenas’ leva a Gotemburgo dilemas da Amazônia urbana 

Os dilemas de uma cidade no meio da Amazônia no constante choque existencial entre o urbano e a floresta diante da explosão da criminalidade causada pelas facções criminosas. Nesta realidade urgente e mais do que atual se passa “Noites Alienígenas”, longa acreano...

Cinco Breves Notas sobre a saída do Cinemark de Manaus 

1. MILHARES SEM CINEMA PRÓXIMO A ELAS  O fim das oito salas do Cinemark no Studio 5 deixa milhares de pessoas sem um cinema perto delas, cenário diferente do que ocorrera com o fechamento do Playarte do Manauara Shopping, onde outros shoppings – Amazonas, Millenium e...

Studio 5 confirma fechamento das salas do Cinemark em Manaus

Depois de 20 anos em operação, o Cinemark encerrou as atividades em Manaus. Procurado pelo Cine Set, o Studio 5 confirmou a informação. O último dia de operação da rede norte-americana na cidade aconteceu no domingo, dia 30 de janeiro. O Cinemark tinha oito salas na...

10 Filmes do Cinema Amazonense Para Ficar de Olho em 2022

Depois de um grande 2021 com muitos prêmios e presenças em importantes festivais nacionais e internacionais, o cinema amazonense chega para o ano novo com expectativas de manter o momento de alta. Muito disso graças aos lançamentos de projetos financiados com recursos...

Retrospectiva Cine Set – O Melhor e Pior do Cinema Amazonense em 2021

Incontáveis vezes durante 2021 escrevi que, em meio a tantas tragédias e notícias ruins, o cinema era uma das poucas coisas que o amazonense poderia se orgulhar neste ano. Afinal, semana após semana, as produções locais participavam de festivais Brasil e mundo afora,...

Retrospectiva 2021 – O Ano do Cine Set

Perco o número de vezes da quantidade de vezes em que já me perguntei o motivo de seguir fazendo o Cine Set durante estes 7,5 anos de existência do site.  Em janeiro de 2021, entretanto, parei.  Como seguir adiante quando a cidade onde nasci e vivo colapsa?...

Galeria de Fotos – Lançamento do Livro ‘Olhar Feminino: O Norte na Direção’

O Cine Set promoveu o lançamento de "'Olhar Feminino: O Norte na Direção" na noite do último sábado (18) no Casarão de Ideias, localizado na Rua Barroso, 279, no Centro de Manaus. Pâmela Eurídice, autora do livro, recebeu familiares e amigos para uma sessão de...