A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não deviam ter mais cabimento em filmes em pleno 2021, mas, pelo visto, ainda cabem.

O filme do diretor Chris McKay e roteirizado por Zach Dean parece uma lista de clichês e pedaços de outros filmes, reunidos numa narrativa pouco inspirada. Mas essa cena do “Nãããoo!” é tão engraçada justamente por ter sido filmada como a coisa mais emocionante do mundo por McKay – diretor da animação LEGO Batman: O Filme (2017) – que acaba sintetizando o espírito da obra: um filme muito estúpido, muito bobo, com um ou outro momento divertido no meio.

Essa produção do estúdio Paramount – lançada na Amazon Prime Video devido à pandemia – já começa despertando risos estranhos nos primeiros minutos: bem no meio da final da Copa do Mundo de 2022 e justo na hora em que o Brasil (!) rouba a bola e parte para o ataque surge um anúncio que mudará a história da humanidade. Um grupo de soldados sai de um vórtice temporal no meio do gramado e anuncia que dali a 30 anos, a humanidade estará à beira da extinção, travando uma guerra contra alienígenas invasores.

Esse pessoal quer levar gente do presente para ajudar a combater a guerra do futuro. Nosso protagonista é Dan Forester, interpretado por Chris Pratt (“Guardiões da Galáxia”). Dan é um professor de química de ensino médio… que é também um ex-militar, porque Deus nos livre de ter um homem comum como herói de blockbuster hoje em dia. Ao ser convocado, Dan viaja para o futuro para lutar na guerra – cinco minutos depois de chegar, ele já vira o Rambo – e vai descobrir que é peça essencial na luta contra os ETs.

COLCHA DE RETALHOS METIDA A ENGRAÇADA

Percebe-se, só por essa breve descrição, que parece que o roteiro de A Guerra do Amanhã foi escrito por um menino de 10 anos. Desde o começo, o tom do filme já fica claro com personagens fazendo piadinhas a cada momento. Dan vai falar com seu velho pai (J.K. Simmons), e é um comentário sarcástico atrás do outro. Dan se despede da esposa (Betty Gilpin) antes de se apresentar, indo provavelmente ao encontro da morte, e ainda encaixa algumas piadas. Dan vai ao alistamento e encontra o cara negro que vai servir de alívio cômico. E depois tem gente que reclama de muitas piadas nos filmes da Marvel…

Esse é o tom do filme, de galhofa, mas é basicamente o único caminho possível para essa experiência tão reciclada. É possível reconhecer claramente que tal parte do filme veio de Aliens, O Resgate (1986), tal parte veio de O Enigma de Outro Mundo (1982), tal ideia veio de Guerra dos Mundos (2005). Os monstrengos alienígenas são basicamente filhotes visuais da criatura de Cloverfield (2008). A relação do herói com sua filha parece chupada de Interestelar (2014). E por aí vai…

Até a ideia de misturar invasão alienígena com viagem no tempo já foi mais bem utilizada em No Limite do Amanhã (2014). Tudo é tão genérico e derivativo em A Guerra do Amanhã que só resta ao filme investir na brincadeira, na despretensão, na piscada de olho para o espectador a fim de garantir alguma diversão.

DIVERSÃO CHEGA PELO CANSAÇO

E sinceramente, até consegue, um pouco. Após a viagem no tempo, a quantidade de piadinhas por minuto diminui bastante. McKay orquestra duas boas cenas de ação – a fuga por Miami e a cena da captura da fêmea alienígena – e o ótimo trabalho dos efeitos visuais e sonoros se destacam. São as cenas do filme que fazem valer a pipoca.

A narrativa até se torna um pouco mais focada e Yvonne Strahovski (“The Handmaid´s Tale”) – Deus a abençoe – dá tudo de si numa personagem genérica e que só fala diálogo expositivo e, mesmo assim, acaba saindo de “A Guerra do Amanhã” como a verdadeira heroína, roubando-o de Pratt, que não tem muito a fazer com seu papel. Yvonne é uma daquelas atrizes que sempre se mostra verdadeira e ela até eleva um pouco o meio de A Guerra do Amanhã.

Pena que quando Pratt entra no terceiro ato, o longa volta para as piadinhas e cenas clichês, encenadas sem nenhum pudor. Por alguns breves momentos, A Guerra do Amanhã até diverte o público. Mas são breves porque qualquer pessoa que já tenha visto meia dúzia de filmes de ação e de ficção-científica na vida sabe para onde a história vai e como este filme se resume a uma colcha de retalhos.

Não há inspiração, apenas reciclagem, e ele ainda é excessivamente longo – 2h18, e bate a saudade da época em que filmes bobos como esse ficavam em 90, 100 minutos. Acaba sendo um daqueles filmes que é ruim a ponto de ficar bom, ao menos por alguns instantes – porque, vamos ser sinceros, é impossível não se divertir ao ver a cena do “Nãããoo!”. Esse momento é glorioso e, num filme como esse, temos que nos divertir do jeito que dá.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...

‘Acqua Movie’: jornada das mudanças e permanências do sertão

Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma...