A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não deviam ter mais cabimento em filmes em pleno 2021, mas, pelo visto, ainda cabem.

O filme do diretor Chris McKay e roteirizado por Zach Dean parece uma lista de clichês e pedaços de outros filmes, reunidos numa narrativa pouco inspirada. Mas essa cena do “Nãããoo!” é tão engraçada justamente por ter sido filmada como a coisa mais emocionante do mundo por McKay – diretor da animação LEGO Batman: O Filme (2017) – que acaba sintetizando o espírito da obra: um filme muito estúpido, muito bobo, com um ou outro momento divertido no meio.

Essa produção do estúdio Paramount – lançada na Amazon Prime Video devido à pandemia – já começa despertando risos estranhos nos primeiros minutos: bem no meio da final da Copa do Mundo de 2022 e justo na hora em que o Brasil (!) rouba a bola e parte para o ataque surge um anúncio que mudará a história da humanidade. Um grupo de soldados sai de um vórtice temporal no meio do gramado e anuncia que dali a 30 anos, a humanidade estará à beira da extinção, travando uma guerra contra alienígenas invasores.

Esse pessoal quer levar gente do presente para ajudar a combater a guerra do futuro. Nosso protagonista é Dan Forester, interpretado por Chris Pratt (“Guardiões da Galáxia”). Dan é um professor de química de ensino médio… que é também um ex-militar, porque Deus nos livre de ter um homem comum como herói de blockbuster hoje em dia. Ao ser convocado, Dan viaja para o futuro para lutar na guerra – cinco minutos depois de chegar, ele já vira o Rambo – e vai descobrir que é peça essencial na luta contra os ETs.

COLCHA DE RETALHOS METIDA A ENGRAÇADA

Percebe-se, só por essa breve descrição, que parece que o roteiro de A Guerra do Amanhã foi escrito por um menino de 10 anos. Desde o começo, o tom do filme já fica claro com personagens fazendo piadinhas a cada momento. Dan vai falar com seu velho pai (J.K. Simmons), e é um comentário sarcástico atrás do outro. Dan se despede da esposa (Betty Gilpin) antes de se apresentar, indo provavelmente ao encontro da morte, e ainda encaixa algumas piadas. Dan vai ao alistamento e encontra o cara negro que vai servir de alívio cômico. E depois tem gente que reclama de muitas piadas nos filmes da Marvel…

Esse é o tom do filme, de galhofa, mas é basicamente o único caminho possível para essa experiência tão reciclada. É possível reconhecer claramente que tal parte do filme veio de Aliens, O Resgate (1986), tal parte veio de O Enigma de Outro Mundo (1982), tal ideia veio de Guerra dos Mundos (2005). Os monstrengos alienígenas são basicamente filhotes visuais da criatura de Cloverfield (2008). A relação do herói com sua filha parece chupada de Interestelar (2014). E por aí vai…

Até a ideia de misturar invasão alienígena com viagem no tempo já foi mais bem utilizada em No Limite do Amanhã (2014). Tudo é tão genérico e derivativo em A Guerra do Amanhã que só resta ao filme investir na brincadeira, na despretensão, na piscada de olho para o espectador a fim de garantir alguma diversão.

DIVERSÃO CHEGA PELO CANSAÇO

E sinceramente, até consegue, um pouco. Após a viagem no tempo, a quantidade de piadinhas por minuto diminui bastante. McKay orquestra duas boas cenas de ação – a fuga por Miami e a cena da captura da fêmea alienígena – e o ótimo trabalho dos efeitos visuais e sonoros se destacam. São as cenas do filme que fazem valer a pipoca.

A narrativa até se torna um pouco mais focada e Yvonne Strahovski (“The Handmaid´s Tale”) – Deus a abençoe – dá tudo de si numa personagem genérica e que só fala diálogo expositivo e, mesmo assim, acaba saindo de “A Guerra do Amanhã” como a verdadeira heroína, roubando-o de Pratt, que não tem muito a fazer com seu papel. Yvonne é uma daquelas atrizes que sempre se mostra verdadeira e ela até eleva um pouco o meio de A Guerra do Amanhã.

Pena que quando Pratt entra no terceiro ato, o longa volta para as piadinhas e cenas clichês, encenadas sem nenhum pudor. Por alguns breves momentos, A Guerra do Amanhã até diverte o público. Mas são breves porque qualquer pessoa que já tenha visto meia dúzia de filmes de ação e de ficção-científica na vida sabe para onde a história vai e como este filme se resume a uma colcha de retalhos.

Não há inspiração, apenas reciclagem, e ele ainda é excessivamente longo – 2h18, e bate a saudade da época em que filmes bobos como esse ficavam em 90, 100 minutos. Acaba sendo um daqueles filmes que é ruim a ponto de ficar bom, ao menos por alguns instantes – porque, vamos ser sinceros, é impossível não se divertir ao ver a cena do “Nãããoo!”. Esse momento é glorioso e, num filme como esse, temos que nos divertir do jeito que dá.

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...