Dirigido pelo cineasta greco-estadunidense Elia Kazan, “Clamor do Sexo” (Splendor in the Grass, no original) é um filme bastante provocador para a sua época. Lançado em 1961, o drama aborda uma temática que não era tão comum na sociedade norte-americana da década: o desejo sexual.

Como o próprio título do filme sugere, “Clamor do Sexo” ilustra o amor na adolescência e as implicações que a vontade sexual reprimida (principalmente a feminina), podem trazer na vida de jovens cercados por ideais conservadores.

O filme já inicia com a cena íntima de um jovem casal próximo a uma cachoeira. Wilma Dean (Natalie Wood) e Bud Stamper (Warren Betty) estão prestes a realizar o primeiro ato sexual da relação, porém, a pedido de Wilma, Bud acaba não tirando a virgindade de sua namorada. Essa vontade insaciável dos jovens é muito bem construída visualmente.

 FRUSTAÇÃO EM CENA

É possível sentir a frustração do casal ao conter a natureza de seus instintos na cena. Nela, vemos e ouvimos uma forte queda de água, o que acentua esse sentimento ao remeter à relação sexual interrompida. Isso prepara o espectador para os conflitos internos e externos que os protagonistas enfrentarão no decorrer de “Clamor ao Sexo”.

A narrativa conduz o espectador a diversos momentos de tensão, quando Bud e Wilma se martirizam ao resistir “à tentação sexual”. Destaque para a atuação de Natalie Wood, que talvez seja o ponto mais forte do filme. Wood entrega uma personagem que a todo tempo é confrontada pelos desejos que a puberdade traz.

Esse confronto interno é tão forte que chega a levar a protagonista à loucura, após declamar versos do poema “Esplendor da Relva” de William Wordsworth – fazendo jus ao título do filme. Apesar de algumas cenas não terem envelhecido tão bem, o roteiro de William Inge – parceiro em outros trabalhos de Kazan – permite a compreensão e empatia com os personagens.

Consequências do conservadorismo

O conservadorismo e até mesmo a misoginia estão presentes nas famílias de ambos os protagonistas. Vemos Ace Stamper (Pat Hingle), pai de Bud, um homem de meia-idade, manco, que mais se preocupa em enriquecer com extração de petróleo do que ouvir os desabafos do filho que não quer ir à faculdade contra sua vontade.

Ao mesmo tempo, repudia o comportamento da filha mais velha, Ginny (Barbara Loden), uma jovem mulher que não deixa o machismo do pai impedir de realizar suas próprias vontades. Vale ressaltar que essa personagem, apesar de pouco tempo de tela, tem papel fundamental para instigar os protagonistas e confrontar a sociedade machista na qual o pai está inserido.

Por outro lado, temos a mãe de Wilma, Frida Loomis (Audrey Christie), que fomenta ainda mais a misoginia que a filha sofre. Uma cena que ilustra isso é o momento em que Wilma tenta perguntar à mãe a importância de se manter casta e sem sucumbir aos desejos sexuais.

“- É assim tão terrível ter esses sentimentos por um garoto?

– Nenhuma boa garota tem.

– Mas mãe… você nunca teve? Você nunca se sentiu dessa maneira com o papai?

– Seu pai nunca encostou a mão em mim até nos casarmos. E então eu fiz com ele somente o que uma esposa deve fazer. Uma mulher não aprecia aquelas coisas como os homens gostam. Ela apenas deixa que seu marido venha até ela para ter filhos.”

Imagens que falam 

O ambiente sufocante em que Wilma vive é bem representado pela fotografia de Boris Kaufman (outro parceiro de longa data de Kazan).

Alguns dos elementos visuais que potencializam o ambiente hostil que a protagonista está inserida são: os lustres curiosamente posicionados sobre Wilma em certos momentos do filme; as fotos do namorado, que são retiradas do quarto da jovem pela mãe; e o reflexo do tronco de Wilma no espelho.

O trabalho visual também está presente no contexto de Bud. Na véspera de ano novo, vemos a miniatura de uma torre de perfuração jorrando serpentinas, fazendo jus ao trabalho de exploração de petróleo exercido pelo pai.

O formato e a ação que o objeto faz, aos olhos de Bud, pode ser compreendido como o símbolo da virilidade masculina para o jovem reprimido sexualmente.

Como a vida funciona

“Clamor do sexo” critica o conservadorismo, a misoginia e o machismo, mas não fica por aí. Indo além de sua superfície, talvez a proposta que Kazan tenta apresentar com o desfecho do filme é a crença de que a vida nunca funciona da maneira que desejamos, ou em outras palavras, idealizamos.

Wilma e Bud estavam vivendo um amor juvenil e o único objetivo de vida que tinham era ficar juntos para poder então saciar seus desejos. E a aceitação de que a vida é muito mais do que uma idealização, vai de encontro com o poema que nomeia o filme.

“Apesar de a luminosidade outrora tão brilhante

Estar agora para sempre afastada do meu olhar,

Ainda que nada possa devolver o momento

Do esplendor na relva, da glória na flor,

Não nos lamentaremos, inspirados no que fica para trás;

Na empatia primordial que tendo sido sempre será;

Nos suaves pensamentos que nascem do sofrimento humano;

Na fé que supera a morte,

Nos tempos que anunciam o espírito filosófico.”

O filme peca no ritmo em alguns momentos, mas as performances do elenco são tão boas que o espectador consegue ignorar estes problemas. Não é à toa que recebeu duas indicações ao Oscar: Melhor Atriz para Natalie Wood; e Melhor Roteiro para William Inge – este último saiu como vencedor.

“Clamor do Sexo” cumpre ainda com uma das funções mais importantes do cinema: promover discussões sobre determinados assuntos que repercutem até hoje, como as questões de gênero e o prazer feminino – ainda considerado como tabu na sociedade.

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...