Estamos chegando ao fim… A quinta e penúltima temporada de Better Call Saul começa a sua exibição na Netflix com dois episódios, o 5×01 “Mago” e o 5×02 “50% de Desconto”. Ver essa dobradinha de episódios confirma que as peças estão começando a se alinhar no tabuleiro e os destinos de figuras como Jimmy McGill, Mike Ehrmentraut e Gus Fring estão se encaminhando para a época de Breaking Bad.

Outra coisa que dá para se constatar é… Nossa, como essa série fez falta. A quarta temporada foi lançada em 2018, foi um hiato muito grande… É muito bom estar de volta ao “Albuquerqueverso”…

“Mago” abre, como sempre ocorre no início das temporadas, com um segmento em preto-e-branco ambientado pós-final de Breaking Bad. O ex-Saul, ex-Jimmy, agora vive como “Gene” num estado de paranoia, desencadeado pelo segmento em P&B anterior, a abertura da quarta temporada. A paranoia dá lugar a um relaxamento, mas Saul (Bob Odenkirk) é reconhecido. Ao invés de fugir – o que ele quase faz, telefonando novamente para Ed, o vendedor de aspiradores numa bela e bemv-inda ponta do falecido Robert Forster, provavelmente gravada na mesma época de suas cenas para El Camino (2019) – ele decide ficar e resolver o problema por conta própria. Essa resolução vai envolver mais uma reinvenção de um personagem cuja trajetória sempre se relacionou com a sua identidade própria? Saberemos em 2021…

É um episódio de definição para vários personagens. Lalo Salamanca (Tony Dalton) continua sentindo as vibrações estranhas sendo emanadas por Gus (Giancarlo Esposito). E após ter sujado as mãos matando um sujeito legal no final da temporada anterior, Mike é outro que chega a um conflito com Gus. Mas eles vão romper mesmo? Dada a proximidade dos personagens em Breaking Bad, é provável que não, o que explicita o tema principal do episódio: Podemos ter nossos princípios, mas até que ponto nos agarramos a eles face às circunstâncias que a vida nos apresenta?

O dilema também é enfrentado por Kim (Rhea Seehorn). Com o diabinho do Jimmy/Saul lhe sussurrando no ouvido, ela se agarra aos seus princípios, mas os descarta depois na magistral cena final do episódio, depois que Jimmy se afasta. Depois ela desaba, sozinha… Sabemos qual o destino do Jimmy, mas não qual será o dela. Atualmente na série, a maior tensão dramática vem do que pensamos que poderá acontecer com a Kim, por isso momentos como o final de “Mago” se mostram tão fortes. Torcemos por ela, mas no cabo de guerra entre Jimmy e seus princípios, ela pode muito bem acabar sendo uma baixa.

O único que não está em conflito com seus princípios é Jimmy, que neste episódio muda o nome no seu registro de advogado para Saul Goodman de vez e, em mais uma cena antológica de montage da série, é visto numa tenda de circo atendendo a sua clientela de pequenos criminosos, com direito a distribuição de celulares e cartão. Com o Huell (Lavell Crawford) do lado de fora, organizando a fila! Saul vive: De fato, ele acabou de nascer.

‘JUSTIÇA MAIS BARATA’

Já em “50% de Desconto”, o segundo episódio, a justiça passa a ficar mais barata quando Jimmy, agora Saul, promete abater metade dos seus honorários para clientes que cometerem pequenos delitos nos próximos dias. O que leva a outra sequência divertidíssima, com dois marginais embarcando numa onda de pequenos roubos, drogas e hip hop. “50% de Desconto” é mais divertido (e tenso) que seu predecessor, mas é até melhor, comprovando que a produção da série já atingiu um nível realmente de excelência.

Nele, pequenos toques levam a grandes desenvolvimentos. No guarda-roupa do casal, os ternos chamativos de Saul começam a ocupar espaço sobre as roupas de Kim. A crise de Mike atinge massa crítica: o ódio de si mesmo pelo que fez com Werner e por ter virado capanga de Gus leva-o a explodir com sua netinha – o que nunca tinha ocorrido antes – depois de uma mísera perguntinha. E um problema besta de encanamento leva Nacho a se arriscar com a polícia para se aproximar de Lalo, agindo como agente duplo de Gus – Nacho, coitado, nunca teve sorte na série…

E em mais um exemplo de pequeno incidente levando a algo grande, temos o último ato do episódio, quando vemos Jimmy negociar a justiça com a assistente da promotoria após o elevador pifar. De todos os personagens da série no momento, ele é o único que está se divertindo: Jimmy achou seu lugar, adotou um alter ego, se reinventou, se livrou da sombra do irmão de vez. Pagou um alto custo por isso, mas ainda não se dá conta. Talvez isso ocorra em breve, como o final do episódio parece apontar…

Tudo isso é mostrado com a costumeira atenção da série para enquadramentos criativos e simbolismos brilhantes: Kim na escada, se recriminando, literalmente entre a subida ou a decadência em “Mago”; a rima visual do anão do jardim com o sorvete caído no chão em “50% de Desconto”; a montagem precisa na cena de Nacho invadindo o apartamento… Todos os aspectos visuais da série se coadunam para transmitir a vida interior dos personagens. Por tudo isso, a quinta temporada de Better Call Saul já chega “chutando o balde”, à medida que começamos a entrar na reta final do seriado. As emoções estão mais fortes e os acontecimentos, mais impactantes, à medida que os personagens começam a ficar cada vez mais presos nos seus próprios becos sem saída. Até o Jimmy… Ele ainda não percebe, mas já deu os primeiros passos para adentrar no seu. Por enquanto, ele está só se divertindo…

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...