Estamos chegando ao fim… A quinta e penúltima temporada de Better Call Saul começa a sua exibição na Netflix com dois episódios, o 5×01 “Mago” e o 5×02 “50% de Desconto”. Ver essa dobradinha de episódios confirma que as peças estão começando a se alinhar no tabuleiro e os destinos de figuras como Jimmy McGill, Mike Ehrmentraut e Gus Fring estão se encaminhando para a época de Breaking Bad.

Outra coisa que dá para se constatar é… Nossa, como essa série fez falta. A quarta temporada foi lançada em 2018, foi um hiato muito grande… É muito bom estar de volta ao “Albuquerqueverso”…

“Mago” abre, como sempre ocorre no início das temporadas, com um segmento em preto-e-branco ambientado pós-final de Breaking Bad. O ex-Saul, ex-Jimmy, agora vive como “Gene” num estado de paranoia, desencadeado pelo segmento em P&B anterior, a abertura da quarta temporada. A paranoia dá lugar a um relaxamento, mas Saul (Bob Odenkirk) é reconhecido. Ao invés de fugir – o que ele quase faz, telefonando novamente para Ed, o vendedor de aspiradores numa bela e bemv-inda ponta do falecido Robert Forster, provavelmente gravada na mesma época de suas cenas para El Camino (2019) – ele decide ficar e resolver o problema por conta própria. Essa resolução vai envolver mais uma reinvenção de um personagem cuja trajetória sempre se relacionou com a sua identidade própria? Saberemos em 2021…

É um episódio de definição para vários personagens. Lalo Salamanca (Tony Dalton) continua sentindo as vibrações estranhas sendo emanadas por Gus (Giancarlo Esposito). E após ter sujado as mãos matando um sujeito legal no final da temporada anterior, Mike é outro que chega a um conflito com Gus. Mas eles vão romper mesmo? Dada a proximidade dos personagens em Breaking Bad, é provável que não, o que explicita o tema principal do episódio: Podemos ter nossos princípios, mas até que ponto nos agarramos a eles face às circunstâncias que a vida nos apresenta?

O dilema também é enfrentado por Kim (Rhea Seehorn). Com o diabinho do Jimmy/Saul lhe sussurrando no ouvido, ela se agarra aos seus princípios, mas os descarta depois na magistral cena final do episódio, depois que Jimmy se afasta. Depois ela desaba, sozinha… Sabemos qual o destino do Jimmy, mas não qual será o dela. Atualmente na série, a maior tensão dramática vem do que pensamos que poderá acontecer com a Kim, por isso momentos como o final de “Mago” se mostram tão fortes. Torcemos por ela, mas no cabo de guerra entre Jimmy e seus princípios, ela pode muito bem acabar sendo uma baixa.

O único que não está em conflito com seus princípios é Jimmy, que neste episódio muda o nome no seu registro de advogado para Saul Goodman de vez e, em mais uma cena antológica de montage da série, é visto numa tenda de circo atendendo a sua clientela de pequenos criminosos, com direito a distribuição de celulares e cartão. Com o Huell (Lavell Crawford) do lado de fora, organizando a fila! Saul vive: De fato, ele acabou de nascer.

‘JUSTIÇA MAIS BARATA’

Já em “50% de Desconto”, o segundo episódio, a justiça passa a ficar mais barata quando Jimmy, agora Saul, promete abater metade dos seus honorários para clientes que cometerem pequenos delitos nos próximos dias. O que leva a outra sequência divertidíssima, com dois marginais embarcando numa onda de pequenos roubos, drogas e hip hop. “50% de Desconto” é mais divertido (e tenso) que seu predecessor, mas é até melhor, comprovando que a produção da série já atingiu um nível realmente de excelência.

Nele, pequenos toques levam a grandes desenvolvimentos. No guarda-roupa do casal, os ternos chamativos de Saul começam a ocupar espaço sobre as roupas de Kim. A crise de Mike atinge massa crítica: o ódio de si mesmo pelo que fez com Werner e por ter virado capanga de Gus leva-o a explodir com sua netinha – o que nunca tinha ocorrido antes – depois de uma mísera perguntinha. E um problema besta de encanamento leva Nacho a se arriscar com a polícia para se aproximar de Lalo, agindo como agente duplo de Gus – Nacho, coitado, nunca teve sorte na série…

E em mais um exemplo de pequeno incidente levando a algo grande, temos o último ato do episódio, quando vemos Jimmy negociar a justiça com a assistente da promotoria após o elevador pifar. De todos os personagens da série no momento, ele é o único que está se divertindo: Jimmy achou seu lugar, adotou um alter ego, se reinventou, se livrou da sombra do irmão de vez. Pagou um alto custo por isso, mas ainda não se dá conta. Talvez isso ocorra em breve, como o final do episódio parece apontar…

Tudo isso é mostrado com a costumeira atenção da série para enquadramentos criativos e simbolismos brilhantes: Kim na escada, se recriminando, literalmente entre a subida ou a decadência em “Mago”; a rima visual do anão do jardim com o sorvete caído no chão em “50% de Desconto”; a montagem precisa na cena de Nacho invadindo o apartamento… Todos os aspectos visuais da série se coadunam para transmitir a vida interior dos personagens. Por tudo isso, a quinta temporada de Better Call Saul já chega “chutando o balde”, à medida que começamos a entrar na reta final do seriado. As emoções estão mais fortes e os acontecimentos, mais impactantes, à medida que os personagens começam a ficar cada vez mais presos nos seus próprios becos sem saída. Até o Jimmy… Ele ainda não percebe, mas já deu os primeiros passos para adentrar no seu. Por enquanto, ele está só se divertindo…

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...