AVISO: Este texto contém SPOILERS da série Breaking Bad.

Breaking Bad se encerrou em 2013 com uma rajada de balas e a morte do seu protagonista Walter White, vivido por Bryan Cranston, no que é considerado quase com unanimidade como um dos melhores finais da história dos seriados de TV norte-americanos. Também se encerrava com a fuga do ex-comparsa, ex-pupilo, ex-saco de pancadas de Walter, Jesse Pinkman (Aaron Paul). Uma fuga para… onde? Ficamos sem saber, na época, pois o criador e produtor-executivo do seriado, Vince Gilligan, quis deixar essa parte em aberto.

Apesar de não sabermos para onde ele iria, a fuga de Jesse representava uma nota positiva para o personagem, que comeu o pão que o Heisenberg amassou durante cinco temporadas. Num universo repleto de personagens maus e frios, Jesse era diferente, trágico e relatável por ser jovem num mundo de caras bem mais velhos, além de bondoso. Por isso, o fim da série tinha um ar de gratificante: Jesse parecia enfim livre, dos seus raptores e do seu passado.

Mas estava livre mesmo? Breaking Bad sempre foi rica em ambiguidade, por isso agora, seis anos depois, chega este El Camino, longa-metragem da Netflix – onde a série acabou se tornando um fenômeno global – para responder essa ponta solta de Jesse. Como se vê no filme, e na atuação sensível de Paul, Jesse é uma figura presa entre dois pontos de vista, representados pela cena de abertura e outra bem no encerramento, dois parênteses que circundam sua jornada. Também representa a estreia de Gilligan como diretor de longa-metragem.

É um filme desnecessário? Bem, sim. O destino de Jesse em aberto no desfecho da série não era uma coisa ruim. Mas, dito isso… Tal e qual a série prequel companheira, Better Call Saul, o filme acaba também sendo um forte e valoroso adendo ao universo de Breaking Bad.

WESTERN CONTEMPLATIVO E INVENTIVO

El Camino – o título ambíguo vem do carro roubado por Jesse que tem relação com a sua busca, mas também com sua jornada – se inicia literalmente minutos depois do fim de Breaking Bad. Em fuga e traumatizado, Jesse reencontra seus amigos Skinny Pete e Badger (Charles Baker e Matt Jones, bem-vindos alívios cômicos) numa parada rápida – aliás, eles não são os únicos personagens marcantes de Breaking Bad a dar as caras no filme, graças à estrutura que alterna entre presente e flashbacks. Depois Jesse prossegue, sempre a um passo da polícia, em busca da sua única chance de escapar do país, através do mesmo misterioso dono da loja de aspiradores de pó que forneceu identidade nova a Walter – o já saudoso Robert Forster, neste que foi um dos seus últimos trabalhos. O ator faleceu justamente no dia em que o longa foi lançado na Netflix.

E o percurso do protagonista é retratado no estilo Breaking Bad, com aquele ritmo calculado, aquelas paisagens desérticas praticamente alienígenas, aquele humor tenso que surge meio inesperadamente, e com aqueles ângulos de câmera estranhos e montages – no filme, pode-se destacar vários momentos inventivos como o movimento circular da câmera mostrando o grupo na oficina perto do desfecho, o corte de Jesse no chuveiro para o flashback dele mesmo recebendo um jato de água no cativeiro, ou a cena em que vemos em tempo acelerado Jesse revistando um apartamento. E acima de tudo, El Camino reafirma BB como um tipo de western – um com elementos noir, claro, mas a certa altura do filme vemos um duelo, de verdade, do tipo “quem saca mais rápido”.

Mas El Camino, assim como Breaking Bad, faz uso desse envelope “mitológico” em potencial para contar uma história muito íntima. Com o filme, Vince Gilligan não tenta dar um novo fim à BB. A série era a história do Walter White, e esta já se encerrou. El Camino é o encerramento de Jesse, tanto quanto um encerramento é possível para este personagem. Nesse sentido, a atuação de Aaron Paul é primordial para o filme. Em El Camino, ele faz muito com aparentemente pouco: Jesse aqui é um homem de poucas palavras, e o ator comunica muito com seu rosto marcado e sua postura em muitos momentos submissa. Ainda assim, ele ressuscita o Jesse do começo da série em momentos ocasionais, como na sua tentativa de intimidar o personagem de Forster após este chamar a polícia. A facilidade com que Paul retorna ao personagem revela a força do ator: se Walter era o motor de BB, Jesse era a alma.

No início do filme, um personagem diz a Jesse que fugir do passado é algo que não se pode fazer. E no fim, outro diz a ele que “ir aonde o universo me levar só me causou problemas”. O dilema do personagem é este: a fuga é sequer possível? É possível, para Jesse, se tornar de fato senhor do seu destino? El Camino não fornece uma resposta definitiva a isso, pois de novo a visão de Vince Gilligan é precisa. Percebe-se da parte do diretor um carinho por aquele universo – do qual é até compreensível ele, como artista, não querer abandonar por completo – e também um receio de “não estragar”.

Nesse sentido, El Camino é meio calculado, mas não tenta ser mais do que é. É um epílogo, um complemento, sem rajadas de metralhadora ou nada muito extravagante, e onde a jornada é acima de tudo interna, contida e com uma pitada de ambiguidade. El Camino, a rigor, não precisava ser feito e até representou certo risco. Mas, como algumas coisas boas da vida, acabou sendo um presente inesperado, um daqueles que você até nem sabia que queria.

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...

‘Joias Brutas’: tensão explode em tela na melhor atuação de Adam Sandler

É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes...

‘A Divisão’: policial brasileiro merece ser descoberto pelo grande público

Violento, sangrento, tenso e com atenção especial para cenas de ação: “A Divisão” é um tipo de cinema nacional raro. Deixando de lado o contexto social – mesmo ainda sendo possível enxergá-lo nas entrelinhas – o longa foi produzido para ter o formato de uma série,...

‘For Sama’: história de uma guerra particular

“For Sama” é daqueles documentários que remontam experiências pessoais. Aqui, o objeto é recente e não estranho à produção recente de filmes de não-ficção, mas o viés da obra a coloca em uma categoria por si só. Indicado ao Oscar de Melhor Documentário (longa), o...

‘Jumanji: Próxima Fase’: diversão inofensiva para gastar 2h do dia

Com quase US$ 1 bilhão em bilheteria, “Jumanji: Bem-vindo à Selva” (2018) foi uma grata surpresa para Sony Pictures e claro, se é sucesso de bilheteria, tem continuação garantida. E como em time que está ganhando não se mexe, o estúdio tratou de garantir o retorno do...

‘Brooklyn Sem Pai Nem Mãe’: Edward Norton não tira policial da monotonia

Brooklyn Sem Pai Nem Mãe é o segundo filme escrito e dirigido por Edward Norton, que estreou na função em 2000, com Tenha Fé. Figura respeitada por ter grandes performances durante a sua carreira de ator, Norton é um personagem interessante de ser observado dentro da...

‘Indústria Americana’: nem os EUA estão imunes aos males do capitalismo

Não é muito comum vermos filmes norte-americanos mostrando a pobreza nos Estados Unidos – e não se engane, ela existe. Indústria Americana se inicia com cenas de inverno e uma paisagem desolada. Uma legenda nos informa que estamos em 2008, ano em eclodiu a maior crise...