Para quem assiste muitos seriados sempre existe aquela produção que pode até não apresentar uma trama totalmente envolvente, mas possui um padrão de qualidade consistente. Com um humor ágil e ótimas referências, este se tornou o caso de ‘Cara Gente Branca’ para mim, gerando assim uma alta expectativa a cada nova temporada. Pode-se pensar então na minha surpresa ao assistir a terceira temporada e me deparar com uma narrativa cansativa, repetitiva e sem uma trama principal para guiar seus personagens que, apesar de muito carismáticos, são totalmente limitados.

Considerando todos estes fatores, o principal problema desta temporada é a falta de continuidade da trama anterior. No final da segunda temporada, Sam (Logan Browning) e Lionel (DeRon Horton) são apresentados à Ordem e tudo indica o envolvimento de ambos nesta organização. Neste ano, esse desenvolvimento é esquecido até o sétimo episódio, onde o grupo volta a sondar os protagonistas e é quando, finalmente, vemos uma trama central unir seus personagens.

LEIA TAMBÉM: Crítica da Primeira Temporada de “Cara Gente Branca”

Até isto ocorrer, cada personagem ganhou novos objetivos pessoais, o que acaba sendo bem positivo para cada um evoluir durante a narrativa. Entretanto, a falta de Sam à frente de uma trama mais urgente é totalmente sentida neste início de temporada, chegando a entediar o espectador pelo excesso de histórias com ausência de verdadeiro protagonismo já que grande parte dos personagens se encontra preso a uma situação ou pessoa.

Apesar destes problemas na construção dos roteiros, “Cara Gente Branca” ainda apresenta boas interações. Desta vez, a trama racial é deixada um pouco de lado para que reflexões sobre gênero sejam realizadas e, neste quesito, a série acerta de verdade. Tanto a vivência LGBT+ trazida por Lionel quanto os questionamentos feitos por personagens femininas como Joelle (Ashley Blaine Featherson) e Coco (Antoinette Robertson), o debate sobre gênero é realmente bem aprofundado.

SINA DA 3ª TEMPORADA?

Olhando pelo lado positivo, existem elementos louváveis da série que voltam a se destacar. Um dos mais importantes neste quesito são as referências à cultura pop e até mesmo a outros seriados, escolha que rende momentos divertidos e críticas consistentes a produções como ‘The Handmaid’s Tale’, por exemplo.

A direção de fotografia também é um atrativo a mais do seriado. A câmera atenciosa sempre captura o ambiente da universidade como grande parte da construção narrativa, como se ela falasse que os personagens são construídos a partir deste ambiente. Esta cumplicidade com a câmera também é utilizada para aqueles momentos em que os personagens olham diretamente para ela como se buscassem falar com o espectador.

Na maior parte da temporada, esta construção simbólica de cenas é muito mais presente no desenvolvimento de tramas do que diálogos propriamente ditos. Neste caso, isto se torna uma grande perda para os momentos fortes da temporada, pois, assim como no ano anterior, as cenas dramáticas são deixadas de lado com ressalva para um único momento em que Reggie (Marque Richardson) novamente se torna responsável por protagonizar momentos mais sérios e decisivos na produção. E, apesar da personagem ser bem-sucedida neste quesito, o espectador está vendo a reciclagem de um recurso já utilizado em “Cara Gente Branca”.

LEIA TAMBÉM: Crítica da Segunda Temporada de “Cara Gente Branca”

Encerrando o copilado de más escolhas, a terceira temporada é finalizada com o mesmo gancho que seu ano anterior. Apesar de 10 episódios se passarem, praticamente nada avança sobre a trama da Ordem e, nem o público, nem os personagens sabem se esta organização é benéfica ou não para os alunos da universidade.

Ironicamente, ‘Cara Gente Branca’ fala mal de terceiras temporadas em séries da Netflix, protagonizando o mesmo defeito que qualquer outra produção. Considerada uma das grandes obras do streaming, o declínio na narrativa e nos roteiros pode ser apenas um lapso passageiro, mas, com tantas séries de qualidade sendo canceladas, não é nada improvável que ela seja a próxima da lista.

‘The Crown’ – 4ª temporada: puro suco da guerra de egos da Realeza

Os teasers que anunciavam o retorno de The Crown não estavam para brincadeira - essa era, afinal, a temporada mais aguardada por quem acompanha a série. Entra em cena uma jovem tímida, de uma família aristocrática, que parecia ser a escolha mais segura para, um dia,...

‘Lovecraft Country’ 1×10: final apressado destoa da temporada

O título deste episódio final da temporada de Lovecraft Country é “Círculo Completo”, e ele é quase que totalmente dedicado ao grande arco da temporada, o do confronto entre nossos heróis contra os planos de Christina Braithwhite. De fato, ele acaba fazendo um circulo...

‘A Maldição da Mansão Bly’: terror dá espaço para o drama em boa série

Dois anos após o sucesso estrondoso de ‘A Maldição da Residência Hill’, o showrunner Mike Flanagan voltou a nos assombrar com sua forma sensível de contar histórias sobre fantasmas. Mas, embora tenha uma proposta parecida com a série anterior, ‘A Maldição da Mansão...

‘The Boys’ 2×08: temporada encerra lembrando fim do primeiro ano

Subvertendo o gênero de super-heróis mais uma vez, ‘The Boys’ chega ao final de sua segunda temporada correspondendo às expectativas do público. Ao apostar em cenas marcantes e revelações aguardadas, a série consegue entreter e dar continuidade às narrativas...

‘Lovecraft Country’ 1×09: massacre de Tulsa para jamais esquecer

Na minha crítica do oitavo episódio da temporada de Lovecraft Country, ressaltei como um evento real ditou o tom daquele segmento em particular. Pois neste nono episódio, intitulado “Voltando para 1921”, a série repete esse expediente, de forma até mais efetiva, ao...

‘Bom Dia, Verônica’: roteiro excelente encontra elenco em alto nível

Baseada no livro homônimo de Raphael Montes e Ilana Casoy, ‘Bom dia, Verônica’ é mais uma série nacional na Netflix que traz muito orgulho para o audiovisual brasileiro. Digo isto, pois, além de contar com uma história instigante e muito bem apresentada ao longo de...

‘Lovecraft Country’ 1×08: ‘Fuck the Police’

Se há uma coisa que o triste ano de 2020 deixou absolutamente óbvio para o mundo é que, nos Estados Unidos, a polícia é inimiga da população negra. Sério, como alguém pode discordar disso ao ver algumas poucas estatísticas, e ao presenciar a comoção mundial que casos...

‘The Boys’ 2×07: crítica social e sadismo lado a lado em grande episódio

Embora o episódio final da temporada sempre seja o mais aguardado e, por vezes, aclamado nos seriados, muito da expectativa sobre ele é construída no episódio anterior, responsável por unificar narrativas e preparar um bom desfecho. Sabendo disso,...

‘Lovecraft Country’ 1×07: sci-fi à serviço do empoderamento

Até agora, a série Lovecraft Country explorou mais os ingredientes de terror e de fantasia das obras da literatura pulp e do autor H. P. Lovecraft. Mas literatura pulp também é território da ficção-científica... Já sabíamos, desde a menção de uma tal “máquina do...

‘The Boys’ 2×06: irreverência em divertida releitura do Asilo Arkham

Desde detalhes nos figurinos até os diálogos, ‘The Boys’ sempre encontra uma forma de referenciar outros universos de super-heróis, rendendo ótimas piadas e até mesmo críticas. Desta vez, a série nos leva diretamente a uma releitura do Asilo Arkham de Gotham City,...