Para quem assiste muitos seriados sempre existe aquela produção que pode até não apresentar uma trama totalmente envolvente, mas possui um padrão de qualidade consistente. Com um humor ágil e ótimas referências, este se tornou o caso de ‘Cara Gente Branca’ para mim, gerando assim uma alta expectativa a cada nova temporada. Pode-se pensar então na minha surpresa ao assistir a terceira temporada e me deparar com uma narrativa cansativa, repetitiva e sem uma trama principal para guiar seus personagens que, apesar de muito carismáticos, são totalmente limitados.

Considerando todos estes fatores, o principal problema desta temporada é a falta de continuidade da trama anterior. No final da segunda temporada, Sam (Logan Browning) e Lionel (DeRon Horton) são apresentados à Ordem e tudo indica o envolvimento de ambos nesta organização. Neste ano, esse desenvolvimento é esquecido até o sétimo episódio, onde o grupo volta a sondar os protagonistas e é quando, finalmente, vemos uma trama central unir seus personagens.

LEIA TAMBÉM: Crítica da Primeira Temporada de “Cara Gente Branca”

Até isto ocorrer, cada personagem ganhou novos objetivos pessoais, o que acaba sendo bem positivo para cada um evoluir durante a narrativa. Entretanto, a falta de Sam à frente de uma trama mais urgente é totalmente sentida neste início de temporada, chegando a entediar o espectador pelo excesso de histórias com ausência de verdadeiro protagonismo já que grande parte dos personagens se encontra preso a uma situação ou pessoa.

Apesar destes problemas na construção dos roteiros, “Cara Gente Branca” ainda apresenta boas interações. Desta vez, a trama racial é deixada um pouco de lado para que reflexões sobre gênero sejam realizadas e, neste quesito, a série acerta de verdade. Tanto a vivência LGBT+ trazida por Lionel quanto os questionamentos feitos por personagens femininas como Joelle (Ashley Blaine Featherson) e Coco (Antoinette Robertson), o debate sobre gênero é realmente bem aprofundado.

SINA DA 3ª TEMPORADA?

Olhando pelo lado positivo, existem elementos louváveis da série que voltam a se destacar. Um dos mais importantes neste quesito são as referências à cultura pop e até mesmo a outros seriados, escolha que rende momentos divertidos e críticas consistentes a produções como ‘The Handmaid’s Tale’, por exemplo.

A direção de fotografia também é um atrativo a mais do seriado. A câmera atenciosa sempre captura o ambiente da universidade como grande parte da construção narrativa, como se ela falasse que os personagens são construídos a partir deste ambiente. Esta cumplicidade com a câmera também é utilizada para aqueles momentos em que os personagens olham diretamente para ela como se buscassem falar com o espectador.

Na maior parte da temporada, esta construção simbólica de cenas é muito mais presente no desenvolvimento de tramas do que diálogos propriamente ditos. Neste caso, isto se torna uma grande perda para os momentos fortes da temporada, pois, assim como no ano anterior, as cenas dramáticas são deixadas de lado com ressalva para um único momento em que Reggie (Marque Richardson) novamente se torna responsável por protagonizar momentos mais sérios e decisivos na produção. E, apesar da personagem ser bem-sucedida neste quesito, o espectador está vendo a reciclagem de um recurso já utilizado em “Cara Gente Branca”.

LEIA TAMBÉM: Crítica da Segunda Temporada de “Cara Gente Branca”

Encerrando o copilado de más escolhas, a terceira temporada é finalizada com o mesmo gancho que seu ano anterior. Apesar de 10 episódios se passarem, praticamente nada avança sobre a trama da Ordem e, nem o público, nem os personagens sabem se esta organização é benéfica ou não para os alunos da universidade.

Ironicamente, ‘Cara Gente Branca’ fala mal de terceiras temporadas em séries da Netflix, protagonizando o mesmo defeito que qualquer outra produção. Considerada uma das grandes obras do streaming, o declínio na narrativa e nos roteiros pode ser apenas um lapso passageiro, mas, com tantas séries de qualidade sendo canceladas, não é nada improvável que ela seja a próxima da lista.

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...