Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria… A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É uma obra assombrosa, do ponto de vista de design e estilo. Mas ela também mantém o espectador à distância, o tempo todo. Villeneuve fez um filme a que se admira, mas nunca se consegue entrar de verdade.

Talvez essa confiança no aspecto visual e estilístico do filme decorra do fato de que, em termos de história, o longa não traz quase nada novo para o público. Mas aí se pode relativizar a culpa dos cineastas: afinal, Duna, o livro escrito por Frank Herbert e publicado em 1965, é o tipo de obra que se tornou tão influente, tão canônica dentro do gênero ficção-científica, que praticamente todo mundo pegou algo dele ao longo das décadas, quando não roubou mesmo. Para muitos espectadores, a história de Duna pode lembrar muito Star Wars, por exemplo. Mas é Star Wars que veio de Duna, e não o contrário. Outros podem achar que é um Game of Thrones no espaço – mesmo princípio. E o livro já foi adaptado para o cinema antes, como o desastroso cult dirigido por David Lynch lançado em 1984. Duna de Lynch era como um acidente de carro fascinante, uma bagunça monumental daquelas que se torna marcante em Hollywood. Ainda assim, é um filme visto e discutido há quase 40 anos…

Enfim, aqui Villeneuve e o estúdio Warner Bros. adotaram a estratégia que deu certo, por exemplo, ao adaptar o último Harry Potter e It: A Coisa, de Stephen King: pegaram livros longos e complicados e os dividiram em dois filmes. Esta é a “Parte 1” de Duna, como é indicado logo na abertura e nela vemos o jovem Paul Atreides (vivido por Timothée Chalamet) e sua família, enredados no conflito com os vilanescos Harkonnens pela posse do planeta desértico Arrakis, onde é produzida a “especiaria”, a mais valiosa – e alucinógena – substância do universo. O planeta é chamado pelos nativos de Duna e em meio às areias do deserto, existem criaturas gigantescas e um povo que acredita numa profecia…

FICÇÃO CIENTÍFICA MINIMALISTA

O enredo em si não é tão complicado, porém, é preciso construir todo o universo em que se passa a trama e explicar vários dos seus conceitos – foi aí que o filme de Lynch se deu mal, recorrendo a vários monólogos, pensamentos e exposição direta para o público e, ainda assim, não explicava direito. Aqui, percebe-se que os roteiristas Villeneuve, Jon Spaiths e Eric Roth se esforçam para deixar tudo o mais direto possível. Isso não os livra de vários momentos de exposição bem transparente – para explicar várias coisas, o jovem Paul assiste a uns “bibliofilmes” ou então recebe conselhos e informações de outros personagens.

Também fica rapidamente claro para o público quem são os heróis e quem são os vilões – só o planeta sombrio dos Harkonnens já nos indica que eles são do mal, de maneira não muito diferente do pessoal do lado sombrio da Força em Star Wars. Aliás, Paul também possui um tipo de Força, aqui chamada de “A Voz”, um poder que ele ainda não consegue dominar e lhe foi transmitido por sua mãe, Lady Jessica (Rebecca Ferguson).

Ainda assim… É muita coisa para expor e o filme leva praticamente toda a sua primeira metade explicando quem é quem e o que cada personagem quer. Então, por todo esse segmento do filme, Duna se confia nos visuais, nos atores famosos e na trilha sonora de Hans Zimmer para manter a atenção do público.

E até consegue, de uma maneira curiosa. Porque Duna parece mais um filme “de arte” do que um blockbuster tradicional. Surpreendentemente, não há tanta computação gráfica, ao menos no início. A abordagem é a mesma que Villeneuve imprimiu no seu Blade Runner 2049 (2017), a de fazer uma ficção-científica minimalista. A direção de arte, os figurinos e a estética geral da obra impressionam mais do que os efeitos, que só vêm a dominar mesmo a partir da segunda metade.

BELEZA PLÁSTICA E CONCEITO ACIMA DE TUDO

E assim como em Blade Runner 2049 ou mesmo em A Chegada (2016), o tom é frio. É o estilo do diretor, que parece hesitante em abraçar o aspecto mais pop de sua narrativa – é muito fácil imaginar como o filme poderia ser mais colorido e empolgante, à la Star Wars, e Villeneuve resiste a esse caminho.

Sua intenção é clara: elevar o gênero, fazendo algo mais adulto. Porém, é uma pena que esses pareçam ser os únicos caminhos do cinema moderno: ou se faz algo estilo Marvel, colorido e bem-humorado, ou se parte para algo 100% sério e auto importante como aqui. Será que não poderia haver um meio-termo?

Afinal, em determinado momento de Duna, o protagonista sofre perdas pessoais importantes e Chalamet dá de ombros e parte para a próxima. Se ele não se importa, por que nós deveríamos? Por causa disso, por esse aspecto de colocar a beleza plástica e o estilo acima de tudo, Duna parece um estranho comercial de perfume, filmado numa paisagem alienígena: muito bonito, mas estéril e sem vida.

 O PREÇO DA PERFEIÇÃO

O que não significa que seja ruim: afinal, o filme é hipnotizante e os cineastas não perdem de vista a grande alegoria da história. Como toda boa ficção-científica, a história aborda um tema real num contexto fantasioso. Duna é sobre o imperialismo, sobre um bando de gente branca e rica brigando pelos recursos naturais de um mundo e os habitantes deste local – geralmente pessoas de cor – se ferram no fogo cruzado. Villeneuve e Zimmer até reforçam esse paralelo com uma trilha com coral árabe para o povo Fremen, os habitantes de Arrakis. É muito fácil ver a especiaria como o petróleo, e os “heróis” como colonialistas invasores.

É também uma história de “white savior” (salvador branco), como várias outras do tipo: afinal, Paul é mais um “escolhido” do cinema, que vai se aliar aos Fremen para derrotar o mal e eles o veem como uma figura messiânica. Por alguns indícios plantados aqui, parece que os cineastas vão subverter esse clichê na segunda parte, e esse é outro aspecto de Duna que o diminui um pouco: trata-se de uma obra incompleta e, além disso, algumas decisões do roteiro no terceiro ato também deixam a desejar.

É um filme estranho: tem um elenco fabuloso, incríveis valores de produção e uma história interessante. E é inegavelmente bom, um prodígio de cinematografia pelas lentes de Greg Frasier e de direção de arte pelas ideias incríveis de Patrice Vermette. Tecnicamente, é épico e perfeito, o Lawrence da Arábia (1962) da ficção-científica. E reflete o livro e consegue contar sua complexa história de modo efetivo – bem, metade dela, pelo menos.

Porém, essa perfeição parece cobrar um preço. Em Blade Runner 2049, a frieza e a falta de humanidade eram essenciais à história. Já em Duna… Bem, é difícil se importar de verdade com Paul Atreides e sua família. Luke Skywalker era um cara mais legal e acessível.

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...