Mesmo com um universo todo construído ao longo dos anos e podendo contar com fiéis seguidores, o primeiro spin-off de “Velozes e Furiosos” chegou aos cinemas cercado de desconfiança. Tudo porque os dois últimos filmes da turma de Dominic Toretto (Vin Diesel) foram um completo desastre, salvo apenas pela homenagem póstuma a Paul Walker.

Para a alegria dos fãs de “Velozes e Furiosos” ou para quem curte apenas um bom filme de ação, ‘Hobbs & Shaw’ faz uma bela homenagem ao espírito original da franquia, ressuscitando o carisma e química entre os protagonistas. A superprodução fornece ainda uma trama linear dentro de sua proposta, despertando o prazer do coletivo e capaz de renovar os valores principais da franquia: família, amizade, trabalho em equipe e, é claro, MUITAS cenas de ação e pancadaria.

Para quem se cativou com a bonita amizade entre o policial Brian O´Conner e o criminoso Dominik (Vin Diesel) em 2001, vai sentir uma leve nostalgia ao mergulhar na vida e nos dramas familiares das figuras já conhecidas, o agente federal Luke Hobbs (Dwayne Johnson) e do mercenário britânico Deckard Shaw (Jason Statham). A dupla, que não se suporta, é obrigada a trabalhar em conjunto para localizar a agente do MI6 Hattie (Vanessa Kirby), falsamente acusada de matar sua equipe e injetar em si própria um vírus mortal. Durante a caçada, Hobbs e Shaw se deparam com o terrorista cibernético Brixton (Idris Elba), um criminoso com força e reflexos sobre-humanos.

Nas mãos do experiente diretor David Leitch (“John Wick” e “Atômica”), “Hobbs & Shaw” é claramente superior e mais elegante que seus antecessores. Com uma fotografia e enquadramentos sofisticados, bela direção de arte e montagem cirúrgica, principalmente, nas cenas de lutas, a trama empolga do início ao fim. Leitch sabe como ninguém fazer a apresentação de seus personagens de maneira rápida e eficaz. Com o uso da split screen (técnica de dividir a tela pela metade), o diretor traz Hobbs com uso de uma fotografia amarela, remetendo ao aconchego e calor de seu personagem. Ao introduzir Shaw, a cor passa a ser um azul, expondo a figura fria e sombria do mercenário. Fica claro aqui que um é mais sofisticado e outro mais grosso em seus modus operandi, porém, ambos se completam de alguma forma.

ELBA E REFERÊNCIAS: GRANDES DESTAQUES

O carisma dos protagonistas e a adição da agente Hattie, uma personagem forte, ágil, letal, uma verdadeira badass, dão um toque todo especial a trama, fazendo com que espectador perdoe o roteiro repleto de falhas de Chris Morgan e Drew Pearce. A dupla utiliza todos os artifícios clichês da franquia, acertando apenas quando casa ação e comédia. Por falar em furos de roteiro e absurdos, já não é de hoje que os filmes da franquia têm um universo próprio, onde algumas leis da física e da lógica não se aplicam. Como o cinema é arte e assim, livre para nos fazer sonhar, as cenas frenéticas e irreais de “Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw” não incomodam (muito).

Repleto de referências à cultura pop, desde “007”, “Game of Trones” até o recente “Batman vs Superman”, Leitch utiliza dos mesmos artifícios narrativos do filme de super-heróis para desenvolver seus personagens, desde a rivalidade dos protagonistas, até o motivo que levam a dupla a se unir. O vilão de Idris Elba é bom e muito disso se deve a dedicada interpretação do ator. É nítido que ele se diverte no papel, sendo o único problema as suas motivações rasas, que não convencem nem se sustentam até o desfecho.

David Leitch só perde o controle quando usa excessivamente a rivalidade de “Hobbs & Shaw” e também na duração do filme. Vinte minutos a menos teriam feito diferença. No mais, “Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw” acende uma luz de esperança nos corações dos fãs da franquia. Para um filme sem pretensões, ele entrega uma boa diversão. E, após três cenas pós-créditos, temos certeza que a trama ainda tem muito fôlego para continuar e, com qualidade.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...