Há algumas semanas, o cineasta David Fincher deu uma entrevista na qual expressava sua desilusão com o atual estado do cinema norte-americano, afirmando que hoje Hollywood só conhece duas estações do ano, o “verão da roupa colante”, aludindo aos blockbusters com super-heróis, e o “inverno do sofrimento”, aludindo aos filmes sérios feitos para tentar ganhar prêmios. Fincher se disse “cansado pra p****”, e você pode até discordar dele, mas seu ponto de vista é lúcido e bem articulado. Quem não leu pode checar em https://www.gamesradar.com/david-fincher-interview-mank/.

Mank, seu novo trabalho, reflete esse espírito. A Netflix viabilizou a produção, afinal é algo quase impossível de sair do sistema dos estúdios hoje: um filme em preto-e-branco, sério e para adultos, e baseado na vida de Herman J. Mankiewicz, um nome pouco lembrado hoje, mas que foi importantíssimo na história do cinema. Ele foi co-roteirista de nada menos que Cidadão Kane (1941), a revolucionária obra de Orson Welles e até hoje considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Fincher não lançava um filme desde o suspense Garota Exemplar (2014) e, de lá para cá, só desenvolveu e dirigiu projetos para a Netflix, leia-se, as séries House of Cards e Mindhunter. Visto que ele trabalha na indústria desde a década de 1980, a sua perspectiva é de um cara calejado e cínico, mas que ainda encontra espaço para valorizar a criação artística do cinema. Afinal, a trajetória de Mankiewicz, ou Mank para os amigos íntimos, é a chance para Fincher mostrar um pouco “como a linguiça é feita” na indústria do cinema, então na sua infância. O projeto é também pessoal para o diretor, pois o roteiro foi escrito pelo seu pai, Jack, que faleceu em 2003.

E que fique claro, não é um filme sobre os bastidores de Cidadão Kane. Em Mank, Orson Welles aparece pouco e sua presença é quase fantasmagórica ao longo da produção. E quando finalmente se torna uma figura importante perto do final, é mostrado de forma pouco lisonjeira. Mas de fato, nem o protagonista é um cara legal. O Mank do filme, personificado na inteligente e muito boa atuação de Gary Oldman, é um beberrão, uma bola de pingue-pongue humana jogada de um lado para outro e que, no fim das contas, acaba traindo a confiança de pessoas que o tinham como amigo, notadamente o magnata da imprensa William Randolph Hearst (interpretado por Charles Dance e mostrado quase como um esqueleto humano) e a sua jovem esposa, a aspirante a atriz Marion Davies (Amanda Seyfried, também muito boa e a figura mais humanizada do longa). Afinal, ambos inspiraram os personagens mais importantes de Cidadão Kane.

 AMARGURADO E DISTANTE

O filme é sobre a luta dele contra um sistema podre, e para recuperar a veia artística. O que o roteiro de Jack Fincher faz com brilhantismo e inteligência é explicar como nasceu a ideia de Kane, e como a escrita do roteiro representou um proverbial “dedo médio levantado” de Mank para Hearst e a indústria do cinema. Nesse sentido, o texto de Mank fala bastante ao nosso período atual, quando vemos o quanto a influência da mídia do cinema ajudou a determinar a eleição californiana de 1934, prejudicando o candidato com teor socialista Upton Sinclair. Assim, se encaixa perfeitamente no contexto o retrato do chefão do estúdio MGM Louis B. Mayer (Arliss Howard) como um legitimo “fdp”…  Em época de fake news e pessoas acreditando em qualquer bobagem, é interessante como um roteiro escrito há vários anos ainda consegue ter esse poder de observação e essa relevância.

Já David Fincher filma o roteiro do pai de uma maneira que não exatamente enfatiza a “magia” do cinema – de fato, este deve ser o filme mais desencantado sobre Hollywood desde O Jogador (1992) de Robert Altman. A cinematografia em preto-e-branco de Erik Messerschmidt cria uma atmosfera de pesadelo, com breves momentos percorrendo estúdios ou mostrando o letreiro de Hollywood ao fundo. A câmera de Fincher está sempre à procura das minúcias dos diálogos – muitos deles deliciosos como convêm a um filme sobre roteiristas – e das atuações, e as encontra. Alguns momentos visuais remetem levemente a Kane, como o passeio de Mank e Marion pela propriedade enorme onde ela vive, com os animais do zoológico ao fundo, ou quando Mank derruba uma garrafa e ela rola pelo chão, de modo semelhante ao globo de neve de Charles Foster Kane na icônica abertura do clássico. Os cabeçalhos de roteiro indicando quando estamos numa cena em flashback também são uma ideia interessante e ajudam o espectador a não se perder.

No entanto… essa é a única concessão que o filme faz ao público. Realmente, é um filme para o clubinho de cinéfilos: para se apreciar Mank, é necessário, pelo menos, saber um pouco das intrigas que cercaram a produção ou o lançamento de Kane. Mank joga nomes e situações da Hollywood dos anos 1930 sem se preocupar em fornecer muito contexto. Quem assistir apenas a ele fica sem compreender exatamente a real dimensão de quem foi Hearst, por exemplo. A história é interessante, mas o filme não engaja o espectador, pois a narrativa não é fluida. Com os constantes flashbacks, é como se o filme andasse e parasse várias vezes, dificultando o envolvimento.

E em diversas vezes no filme, vemos aquela marquinha circular no canto superior direito da tela, que indicava a troca de rolo nas velhas projeções. É uma tentativa de aproximar Mank do cinema do seu período histórico, mas em se tratando de Fincher, lembra-se logo da cena de Tyler Durden em Clube da Luta (1999) explicando o que era essa marquinha, e a cada vez que ela aparece, retorna a sensação de que Fincher está tirando uma onda com o espectador. Há muito que se admirar no seu filme: o trabalho dos atores, a inteligência da visão de Jack Fincher, os diálogos e algumas situações. Mas a amargura e a distância que o diretor imprime à obra tornam Mank um filme do qual é fácil gostar, mas é bem difícil amar.

‘A Colônia’: documentário distante do objeto de seu estudo

“A Colônia” é um filme que mistura documentário e ficção para compor uma narrativa que se debruça sobre o bairro Antônio Justa em Maracanaú, interior do Ceará. O bairro surge a partir de uma antiga colônia criada para manter em isolamento pacientes com hanseníase. O...

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...