Há algumas semanas, o cineasta David Fincher deu uma entrevista na qual expressava sua desilusão com o atual estado do cinema norte-americano, afirmando que hoje Hollywood só conhece duas estações do ano, o “verão da roupa colante”, aludindo aos blockbusters com super-heróis, e o “inverno do sofrimento”, aludindo aos filmes sérios feitos para tentar ganhar prêmios. Fincher se disse “cansado pra p****”, e você pode até discordar dele, mas seu ponto de vista é lúcido e bem articulado. Quem não leu pode checar em https://www.gamesradar.com/david-fincher-interview-mank/.

Mank, seu novo trabalho, reflete esse espírito. A Netflix viabilizou a produção, afinal é algo quase impossível de sair do sistema dos estúdios hoje: um filme em preto-e-branco, sério e para adultos, e baseado na vida de Herman J. Mankiewicz, um nome pouco lembrado hoje, mas que foi importantíssimo na história do cinema. Ele foi co-roteirista de nada menos que Cidadão Kane (1941), a revolucionária obra de Orson Welles e até hoje considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Fincher não lançava um filme desde o suspense Garota Exemplar (2014) e, de lá para cá, só desenvolveu e dirigiu projetos para a Netflix, leia-se, as séries House of Cards e Mindhunter. Visto que ele trabalha na indústria desde a década de 1980, a sua perspectiva é de um cara calejado e cínico, mas que ainda encontra espaço para valorizar a criação artística do cinema. Afinal, a trajetória de Mankiewicz, ou Mank para os amigos íntimos, é a chance para Fincher mostrar um pouco “como a linguiça é feita” na indústria do cinema, então na sua infância. O projeto é também pessoal para o diretor, pois o roteiro foi escrito pelo seu pai, Jack, que faleceu em 2003.

E que fique claro, não é um filme sobre os bastidores de Cidadão Kane. Em Mank, Orson Welles aparece pouco e sua presença é quase fantasmagórica ao longo da produção. E quando finalmente se torna uma figura importante perto do final, é mostrado de forma pouco lisonjeira. Mas de fato, nem o protagonista é um cara legal. O Mank do filme, personificado na inteligente e muito boa atuação de Gary Oldman, é um beberrão, uma bola de pingue-pongue humana jogada de um lado para outro e que, no fim das contas, acaba traindo a confiança de pessoas que o tinham como amigo, notadamente o magnata da imprensa William Randolph Hearst (interpretado por Charles Dance e mostrado quase como um esqueleto humano) e a sua jovem esposa, a aspirante a atriz Marion Davies (Amanda Seyfried, também muito boa e a figura mais humanizada do longa). Afinal, ambos inspiraram os personagens mais importantes de Cidadão Kane.

 AMARGURADO E DISTANTE

O filme é sobre a luta dele contra um sistema podre, e para recuperar a veia artística. O que o roteiro de Jack Fincher faz com brilhantismo e inteligência é explicar como nasceu a ideia de Kane, e como a escrita do roteiro representou um proverbial “dedo médio levantado” de Mank para Hearst e a indústria do cinema. Nesse sentido, o texto de Mank fala bastante ao nosso período atual, quando vemos o quanto a influência da mídia do cinema ajudou a determinar a eleição californiana de 1934, prejudicando o candidato com teor socialista Upton Sinclair. Assim, se encaixa perfeitamente no contexto o retrato do chefão do estúdio MGM Louis B. Mayer (Arliss Howard) como um legitimo “fdp”…  Em época de fake news e pessoas acreditando em qualquer bobagem, é interessante como um roteiro escrito há vários anos ainda consegue ter esse poder de observação e essa relevância.

Já David Fincher filma o roteiro do pai de uma maneira que não exatamente enfatiza a “magia” do cinema – de fato, este deve ser o filme mais desencantado sobre Hollywood desde O Jogador (1992) de Robert Altman. A cinematografia em preto-e-branco de Erik Messerschmidt cria uma atmosfera de pesadelo, com breves momentos percorrendo estúdios ou mostrando o letreiro de Hollywood ao fundo. A câmera de Fincher está sempre à procura das minúcias dos diálogos – muitos deles deliciosos como convêm a um filme sobre roteiristas – e das atuações, e as encontra. Alguns momentos visuais remetem levemente a Kane, como o passeio de Mank e Marion pela propriedade enorme onde ela vive, com os animais do zoológico ao fundo, ou quando Mank derruba uma garrafa e ela rola pelo chão, de modo semelhante ao globo de neve de Charles Foster Kane na icônica abertura do clássico. Os cabeçalhos de roteiro indicando quando estamos numa cena em flashback também são uma ideia interessante e ajudam o espectador a não se perder.

No entanto… essa é a única concessão que o filme faz ao público. Realmente, é um filme para o clubinho de cinéfilos: para se apreciar Mank, é necessário, pelo menos, saber um pouco das intrigas que cercaram a produção ou o lançamento de Kane. Mank joga nomes e situações da Hollywood dos anos 1930 sem se preocupar em fornecer muito contexto. Quem assistir apenas a ele fica sem compreender exatamente a real dimensão de quem foi Hearst, por exemplo. A história é interessante, mas o filme não engaja o espectador, pois a narrativa não é fluida. Com os constantes flashbacks, é como se o filme andasse e parasse várias vezes, dificultando o envolvimento.

E em diversas vezes no filme, vemos aquela marquinha circular no canto superior direito da tela, que indicava a troca de rolo nas velhas projeções. É uma tentativa de aproximar Mank do cinema do seu período histórico, mas em se tratando de Fincher, lembra-se logo da cena de Tyler Durden em Clube da Luta (1999) explicando o que era essa marquinha, e a cada vez que ela aparece, retorna a sensação de que Fincher está tirando uma onda com o espectador. Há muito que se admirar no seu filme: o trabalho dos atores, a inteligência da visão de Jack Fincher, os diálogos e algumas situações. Mas a amargura e a distância que o diretor imprime à obra tornam Mank um filme do qual é fácil gostar, mas é bem difícil amar.

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...

’007 – Sem Tempo para Morrer’: fim da era Craig volta a abalar estruturas da série

A franquia de filmes do agente secreto James Bond, o 007, já quase sessentona, virou uma instituição cinematográfica. E quando algo vira uma instituição não se pode mexer muito nela. Não é possível adentrá-la e começar a mudar as coisas de lugar ou fazer diferente do...