O Festival Olhar do Norte 2020 consagrou o cinema paraense na cerimônia de premiação na noite desta segunda-feira (7), realizada no canal do Cine Set no YouTube. O documentário “Ari y Yo” venceu três categorias da mostra competitiva Norte: Melhor Filme do Júri Oficial, Melhor Direção para Adriana de Faria e Prêmio de Atuação para Arislay. 

O curta-metragem acompanha a história de Adriana, uma brasileira aspirante a cineasta, que viaja a Cuba para estudar documentário na famosa Escuela Internacional de Cine y TV. Sem saber falar espanhol, ela encontra Arislay, uma esperta e corajosa garota de nove anos, que vive no pequeno Pueblo Textil, um povoado abandonado pelo tempo. É ali – no campo, em uma caverna, ao lado de bichos e das amigas – que Ari ensina as novas palavras a estudante, que faz um filme enquanto aprende. Pronta para a entrevista, Adriana decide ensinar a Ari palavras em português. 

Além de “Ari y Yo”, o paraense “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco” ganhou Melhor Som com Luciano Mourão, Arleson Barros e Robson Fonseca, Direção de Arte com Jeff Cecim, e Direção de Fotografia com André Mardock. 

“Ratoeira” foi o filme amazonense com mais prêmios ao vencer Prêmio de Atuação com Thayná Liartes e Melhor Montagem. Já o diretor e roteirista estreante Gabriel Bravo de Lima venceu o prêmio de Roteiro por “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”. O júri popular ficou com Jackselene, de Maria Yole Bezerra, curta produzido pelo curso Cineastas em Formação do Casarão de Ideias. 

Já na Mostra Olhar da Pandemia quem venceu foi o paraibano “Isolamento Rural”. O filme trata da experiência do isolamento social na zona rural, tendo-se na observação do cotidiano de uma família de agricultores que vive no Assentamento Maria da Penha II, localizado na cidade de Alagoa Grande – PB. Assim, acompanhamos Maria Irece (63 anos) e seu marido Cristóvão (68 anos) que compartilham como suas vidas foram afetadas por causa do coronavírus. O júri popular ficou com “A Quarentena de Gertudres”, de Shaynna Pidori. 

LISTA COMPLETA DE VENCEDORES:

MOSTRA NORTE

FILME: Ari y yo

DIREÇÃO: Adriana de Faria (Ari y yo)

ATUAÇÃO: Thayná Liartes (Ratoeira) e Ari (Ari e yo)

ROTEIRO: Gabriel Bravo de Lima (O dia seguinte, ninguém morreu)

FOTO: André Mardock (Raimundo Quintela – O caçador de vira porco)

MONTAGEM: Romulo Sousa (Ratoeira)

ARTE: Jeff Cecim (Raimundo Quintela – O caçador de vira porco)

SOM: Luciano Mourão, Arleson Barros e Robson Fonseca (Raimundo Quintela – O caçador de vira porco)

JÚRI POPULAR: Jackselene

MOSTRA OLHAR DA PANDEMIA

Filme: Isolamento Rural

Júri Popular: A Quarentena de Gertrudes

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...