É sempre difícil adaptar uma obra literária para o cinema, pois a complexidade e a subjetividade da escrita e leitura nem sempre é transpassada para as telonas. Trata-se de um trabalho desafiador, corajoso. Um processo que requer cuidado e meticulosidade. Alguns poucos filmes conseguem ser melhor ou se igualar ao livro, outros tantos ficam no meio termo e outras centenas não correspondem às expectativas.

O Silêncio da Chuva, de Luiz Alfredo Garcia-Roza, falecido ano passado, é uma obra policial que tem como protagonista Spinoza (aqui, protagonizado por Lázaro Ramos), um introspectivo e um tanto inseguro (na sua vida privada) delegado que deve desvendar o assassinato de um rico empresário, mas há alguns percalços nessa investigação.

Quem matou Ricardo (Guilherme Fontes) e por quais motivos? Junto com sua fiel escudeira Daia (Thalita Carauta, soberba) ele busca por respostas pelo crime e se vê envolvido a intrigas e gente tão poderosa como vulneráveis, representados aqui pela esposa do falecido, Beatriz (Cláudia Abreu) e a sua secretária e amante Rose (Mayana Neiva), respectivamente, e aqueles que, literalmente, entram “de gaiato no navio”, como é o caso do malandro Maximiliano (Peter Brandão) e o michê Júlio (Bruno Gissoni). Também há aqueles que estão na busca em solucionar o caso, como Aurélio (Otávio Muller) – personagem importante na trama – e um jovem policial (Pedro Nercessian).

Em meio ao caso turbulento, somos apresentados também a um Rio de Janeiro mais gélido, dramático e melancólico, longe daquele calor e humor típicos. O clima noir e suas locações dão um ar mais melodramático ao longa dirigido pelo mestre Daniel Filho (“Se Eu Fosse Você”), que há muito tempo não entregava um filme convincente. O roteiro assinado por Lusa Silvestre (do clássico “Estômago”) auxilia na direção de Filho em não cair em falhas comuns do diretor como montagem duvidosa e piadas infames.

Aliás, as piadas estão presentes na presença de Thalita, de longe, a melhor interpretação do filme. Sua Daia é uma policial segura, dona de si, comprometida com seu trabalho e com sua vida, além de uma metralhadora de falas precisas e necessárias em momentos oportunos.

FORÇA FEMININA E RACISMO NAS ENTRELINHAS

O grande acontecimento de “O Silêncio da Chuva” é mesmo as mulheres, pois elas dominam a cena, embora o filme seja defendido muito bem por Lázaro Ramos, voltando ao drama para quem estava acostumado com as comédias na TV. Cláudia Abreu está à vontade no papel de viúva cínica, irônica, propositalmente dúbia e nada frágil, enquanto Mayana Neiva impressiona na pele da angustiada secretária; é dela o maior ato do filme em uma cena trágica e dificílima.

Todas elas também são sexualmente bem resolvidas e não sexualizadas. Essa presença forte e feminina não deixa de ser um alicerce para Spinoza: elas estão sempre ali, para o bem ou mal, auxiliando ou não na solução do caso.

Há um ponto interessante que pode passar despercebido aos menos atentos: a questão do racismo. No livro, Spinoza, é um homem branco de meia idade. Ao optar por essa troca importante, Filho nos alerta o que muitos já deveriam saber: papel não tem gênero nem raça definidos e todos os atores podem interpretar qualquer papel, basta oportunidade.

E o racismo está bem singelo, quando um personagem diz para Spinoza que “ele fala bem” ou um outro que questiona o seu nome, inspirado no filosofo holandês Baruch Spinoza, como se um negro não pudesse ter esse acesso mais sofisticado e ainda ser delegado, isto é, no topo da pirâmide naquela instituição. A própria Daia, exímia investigadora e seu braço direito, é uma mulher negra empoderada e consciente. São pequenos detalhes, sem alarde ou frases de efeito que enriquecem o conjunto.

O Silêncio da Chuva é um suspense bem recortado, nada de mirabolante e com um final óbvio, porém há uma cena pós-créditos que deixa no ar perguntas que são prontamente respondidas. Mais uma vez, fique atento aos sinais, pois, lá no início da trama, ele dá pistas que se concretiza nesse “pós-final”.

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...