Tom Hanks foi o apresentador do show especial no dia da posse de Joe Biden na presidência dos EUA. A escolha não foi por acaso: o astro duas vezes ganhador do Oscar consegue circular muito bem pelos democratas e não ser visto com rejeição pelos republicanos, mesmo aqueles mais fiéis a Donald Trump. Este trânsito para um país tão dividido e em pé de guerra serviu como uma forma do novo presidente dar um aceno aos derrotados em uma tentativa de criação de ponte para o diálogo. 

“Relatos do Mundo”, novo filme de Tom Hanks com estreia prevista na Netflix para o dia 10 de fevereiro, busca caminho semelhante. A partir do western, o gênero cinematográfico mais americano de todos, a produção viaja para os anos 1870, época em que os resquícios da Guerra da Secessão criavam grandes ressentimentos e tensões em um país dividido entre os sulistas derrotados e os vitoriosos do norte. O longa dirigido por Paul Greengrass (“Capitão Phillips” e “Voo 93”) não nega nem traz a pretensão de minimizar estes problemas, mas, procura e tenta exaltar pontos em comuns da identidade nacional dos EUA para que haja o mínimo de diálogo entre as partes. 

A história acompanha o Capitão Jefferson Kyle Kidd, veterano no conflito, que passa por vilas do Texas lendo as notícias dos principais jornais do país. Durante uma das viagens, ele encontra uma garota chamada Johanna Leonberger (Helena Zengel, excelente). Após ter a família, de origem alemã, morta durante um conflito por indígenas, ela acaba sendo adotada pelos algozes adquirindo toda a cultura e linguagem deles, porém, é recuperada pelas tropas norte-americanas e caberá a Kidd levá-la ao encontro dos parentes sobreviventes. 

ESPERANÇA PARA TEMPOS SOMBRIOS

Em um certo momento do filme, Kidd e Leonberger estão no meio de uma estrada de terra no Velho Oeste e tentam travar um diálogo. Ele em inglês, ela em Kiowa, idioma indígena da região. Apesar das dificuldades, os dois vão se entendendo através de pequenas expressões em comuns, gestos e tons de vozes. É nesta busca pela comunicação, contato, ligação e tentativa de pertencimento que “Relatos do Mundo” busca criar elos, algo que nos acompanha desde os primórdios com os desenhos nas cavernas, os hieróglifos até as mensagens de Whatsapp dos dias atuais. Ao narrar as notícias, o personagem de Hanks estabelece estas conexões entre as mais diferentes pessoas com atenção total delas naqueles instantes, provocando de acessos de ira a espantos até risos – nada muito diferente do que o cinema e a arte de modo geral provocam em todos nós. De certo modo, Kidd serve para gerar uma unidade nacional em um momento em que ela parece não existir. 

O roteiro de Greengrass e Luke Davies a partir do romance escrito por Paulette Jiles, entretanto, não se utiliza desta busca pelo diálogo para adotar uma postura isenta e apolítica. De maneira nem tão sutil assim, “Relatos do Mundo” utiliza referências da era Trump como os ataques à imprensa, fake news e até mesmo o lema da campanha do ex-presidente – aqui, vira ‘Texas First’ – para contrapô-lo com Kidd sendo uma espécie de mediador do debate, afinal, ele compreende a dor e a época difícil que todos passam como faz questão de ressaltar, porém, oferece o equilíbrio e a inteligência como saída.  

Esse contexto político se sobressai tanto que deixa a jornada à la “Rastros de Ódio” relacionada à família de Johanna em segundo plano. Ainda assim, Greengrass surpreende na direção com uma abordagem diferente da vista em filmes como “Voo 93”, “Capitão Phillips” e de “A Supremacia e Ultimato Bourne”. Se nestas produções, a câmera estave sempre próxima da ação e em constante instabilidade, aqui, o britânico consegue dosar mais este estilo bebendo também na fonte do cinema clássico ao adotar planos mais abertos e trabalhar o espaço de forma ainda mais eficiente. A perseguição do trio de mercenários à dupla de protagonista é o auge disso com um trabalho brilhante do diretor de fotografia Dariusz Wolski e do desenho de som. 

A invasão ao Capitólio e toda a tensa transição de poder entre Trump e Biden mostram que o consenso nos EUA está longe de ser alcançado, o que torna “Relatos do Mundo” uma quase utopia. Porém, em tempos tão ruins e sombrios, um pouco de esperança vinda de um sujeito tão querido como Tom Hanks nos ajude a nos conectar com aquilo que importa.  

‘A Colônia’: documentário distante do objeto de seu estudo

“A Colônia” é um filme que mistura documentário e ficção para compor uma narrativa que se debruça sobre o bairro Antônio Justa em Maracanaú, interior do Ceará. O bairro surge a partir de uma antiga colônia criada para manter em isolamento pacientes com hanseníase. O...

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...