Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma (i)maturidade em conflito pela busca em viver essa paixão. Certamente, para quem foi correspondido, um momento lindo e delicado.

E um primeiro amor gay, na Europa (precisamente ao norte da França), em clima de verão, embalado pela nostalgia dos anos 80 e hits daquela época tornam tudo mais interessante. Não, não estou falando de “Me Chame Pelo Seu Nome” (2017), de Luca Guadagnino, mas, sim “Verão de 85”, nova película do veterano diretor francês François Ozon (“Dentro de Casa”, “Potiche – Esposa Troféu”).

Mas as semelhanças param por aí. Há algo de muito mais nebuloso neste verão.

AMANTES DAQUELES AMANTES

A história começa com um tenso Alex (Félix Lefebvre, ótimo). De imediato, sabemos que há algo de muito errado: a tensão paira no ar. Mas o que aconteceu? Contado em flashback, somos convidados a sermos as testemunhas oculares, os cúmplices da paixão avassaladora dos dois jovens amigos, Alex e David (Benjamin Voisin, sensualíssimo).

Os apaixonados são como Yin-Yang: Alex é de origem humilde, tem uma alma mórbida – talvez por sua classe social – introspectivo, tímido e com preocupação em relação ao futuro. David é rico, solar, faz parte daquela atmosfera veraniça, livre e deliciosamente jovem. Porém ambos se completam de alguma forma na descoberta de si e dos seus corpos.

Como já dito, “Verão de 85” é contado em flashback e, na medida em que aos poucos nos tornamos amantes daqueles amantes, as peças do jogo orquestradas por Ozon se encaixam até o momento crucial do filme.

Sai o clima solar, de muita cor, muita vida, romance e paixão (aqui, devemos parabenizar a fotografia excelente, igualmente juvenil, saturada de cores fortes e a direção de arte e figurinos impecáveis na perfeita representação dos anos 80 europeu) e, de repente, vem o drama, as cores se apagam e se torna mais um filme triste no que tange romances LGBTQA+ no cinema.

O VELHO DILEMA DE OZON

Veja bem, não há problemas em dramatizar um romance gay nas telonas. Mas, não pode ser apenas isso. Quantos filmes do gênero que tiveram um final feliz? Ou apenas uma famigerada comédia romântica?

E Ozon usa desse artificio para contar essa história. No primeiro ato, o clima é romântico, divertido, a química dos dois atores transpassa a tela, ainda que saibamos que haverá algo que irá os separar. Depois, vem a tristeza e é aí que ele se perde. A impressão que se tem é que se teve todo o cuidado em um primeiro momento para depois ser algo corrido e não se torna tão crível quando pensamos no filme como um todo. Apesar da ousadia, faltou um olhar mais apurado. Faltou um fechamento mais elaborado, a dificuldade de Ozon em finalizar seus filmes, aliás, é quase que um senso comum, não que o diretor seja ruim, mas falta mais criatividade em sua narrativa, pelo menos, em seus mais recentes filmes.

Na medida em que nos conectamos com essa felicidade do primeiro amor, da sua liberdade. Há a tristeza de um desencontro cruel, um mal-entendido que pode ser fatal. Essa nostalgia dos anos 80, uma lembrança daqueles momentos que nunca vivemos, o frescor de um beijo molhado com paixão, os corpos ardentes em chamas do desejo é um doce deleite que, infelizmente, “Verão de 85” deixa um leve gosto amargo.

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...