Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma (i)maturidade em conflito pela busca em viver essa paixão. Certamente, para quem foi correspondido, um momento lindo e delicado.

E um primeiro amor gay, na Europa (precisamente ao norte da França), em clima de verão, embalado pela nostalgia dos anos 80 e hits daquela época tornam tudo mais interessante. Não, não estou falando de “Me Chame Pelo Seu Nome” (2017), de Luca Guadagnino, mas, sim “Verão de 85”, nova película do veterano diretor francês François Ozon (“Dentro de Casa”, “Potiche – Esposa Troféu”).

Mas as semelhanças param por aí. Há algo de muito mais nebuloso neste verão.

AMANTES DAQUELES AMANTES

A história começa com um tenso Alex (Félix Lefebvre, ótimo). De imediato, sabemos que há algo de muito errado: a tensão paira no ar. Mas o que aconteceu? Contado em flashback, somos convidados a sermos as testemunhas oculares, os cúmplices da paixão avassaladora dos dois jovens amigos, Alex e David (Benjamin Voisin, sensualíssimo).

Os apaixonados são como Yin-Yang: Alex é de origem humilde, tem uma alma mórbida – talvez por sua classe social – introspectivo, tímido e com preocupação em relação ao futuro. David é rico, solar, faz parte daquela atmosfera veraniça, livre e deliciosamente jovem. Porém ambos se completam de alguma forma na descoberta de si e dos seus corpos.

Como já dito, “Verão de 85” é contado em flashback e, na medida em que aos poucos nos tornamos amantes daqueles amantes, as peças do jogo orquestradas por Ozon se encaixam até o momento crucial do filme.

Sai o clima solar, de muita cor, muita vida, romance e paixão (aqui, devemos parabenizar a fotografia excelente, igualmente juvenil, saturada de cores fortes e a direção de arte e figurinos impecáveis na perfeita representação dos anos 80 europeu) e, de repente, vem o drama, as cores se apagam e se torna mais um filme triste no que tange romances LGBTQA+ no cinema.

O VELHO DILEMA DE OZON

Veja bem, não há problemas em dramatizar um romance gay nas telonas. Mas, não pode ser apenas isso. Quantos filmes do gênero que tiveram um final feliz? Ou apenas uma famigerada comédia romântica?

E Ozon usa desse artificio para contar essa história. No primeiro ato, o clima é romântico, divertido, a química dos dois atores transpassa a tela, ainda que saibamos que haverá algo que irá os separar. Depois, vem a tristeza e é aí que ele se perde. A impressão que se tem é que se teve todo o cuidado em um primeiro momento para depois ser algo corrido e não se torna tão crível quando pensamos no filme como um todo. Apesar da ousadia, faltou um olhar mais apurado. Faltou um fechamento mais elaborado, a dificuldade de Ozon em finalizar seus filmes, aliás, é quase que um senso comum, não que o diretor seja ruim, mas falta mais criatividade em sua narrativa, pelo menos, em seus mais recentes filmes.

Na medida em que nos conectamos com essa felicidade do primeiro amor, da sua liberdade. Há a tristeza de um desencontro cruel, um mal-entendido que pode ser fatal. Essa nostalgia dos anos 80, uma lembrança daqueles momentos que nunca vivemos, o frescor de um beijo molhado com paixão, os corpos ardentes em chamas do desejo é um doce deleite que, infelizmente, “Verão de 85” deixa um leve gosto amargo.

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...