De Maggie Smith a Jane Fonda, Caio Pimenta apresenta o ranking das vencedoras do Oscar de Melhor Atriz nos anos 1970. Lembrando: essa lista inclui as edições de 1970 a 1979. 

10. FAYE DUNAWAY, por “REDE DE INTRIGAS” 

A décima posição fica com a Faye Dunaway, ganhadora do prêmio em 1977 por “Rede de Intrigas”. 

Não que ela esteja mal no filme, porém, perto da contundência do roteiro muito bem escrito e de uma atuação soberba do Peter Finch, a Faye Dunaway acaba por ficar em segundo plano na história. Para piorar, a subtrama dela com o personagem do William Holden nunca convence e poderia ter sido cortada facilmente. 

Na verdade, era para a Faye Dunaway ter vencido o Oscar por “Bonnie & Clyde”, o filme que transformou o cinema americano e abriu espaço para a Nova Hollywood. 

9. GLENDA JACKSON, por “UM TOQUE DE CLASSE” 

Em 1974, a Glenda Jackson venceu o segundo Oscar da carreira pelo desempenho na comédia “Um Toque de Classe”. 

Interpretando uma mulher que se envolve com um homem casado, a atriz faz uma ótima dupla com o George Segal. Os dois são divertidíssimos, rápidos, ágeis, além de formar um casal para lá de bonito. A presença da Glenda Jackson é tão marcante ao ponto de fazer “Um Toque de Classe” subir de patamar dentro das comédias românticas. 

Mesmo assim, não tem nada de outro mundo. Se a gente tivesse um ano de concorrentes mais fortes, talvez, ela não ganharia. 

8. JANE FONDA, por “AMARGO REGRESSO” 

Assim como a Glenda Jackson, a Jane Fonda venceu dois Oscars nos anos 1970 e o segundo deles veio em 1979 por “Amargo Regresso”. 

No melancólico do Hal Ashby sobre os efeitos da Guerra do Vietnã nos jovens soldados americanos, a Jane Fonda acaba por servir como a representação de uma esperança, do futuro, da possibilidade de uma nova vida. Seja pela atenção e o amor aos personagens do Bruce Dern e do Jon Voight, ela preenche este lado do espectador que busca acalentar figuras tão traumatizadas. 

Algo interessante de observar em “Amargo Regresso” e também no outro filme do Hal Ashby, “Muito Além do Jardim” é a questão do orgasmo feminino: nos dois projetos, as protagonistas, a Jane Fonda e a Shirley MacLaine, tem cenas muito parecidas em relação a isso, o que ainda é tabu no cinema americano hoje em dia. 

7. GLENDA JACKSON, por “MULHERES APAIXONADAS” 

Eu volto a falar da Glenda Jackson: em 1971, ela conquistou o Oscar por “Mulheres Apaixonadas”. 

Neste fascinante drama de época do Ken Russell, a Glenda Jackson faz uma mulher envolvida com o filho do dono de uma mina de carvão em crise existencial. A personagem traz um quê de mistério, cinismo e sensualidade, mas nunca chega a ter traços definidos e concretos, o que acaba casando muito bem com um filme longe de fáceis. 

Uma curiosidade é que a vitória da Glenda Jackson foi a primeira de uma personagem com cenas de nudez na categoria de Melhor Atriz. 

6. MAGGIE SMITH, por “A PRIMAVERA DE UMA SOLTEIRONA” 

O primeiro Oscar de Melhor Atriz nos anos 1970 foi para a Maggie Smith, por “A Primavera de uma Solteirona”. 

Não é difícil de entender a fascinação de todos os personagens pela professora Jean Brodie: a Maggie Smith desfila toda a elegância britânica ao entrar em cena aliada a uma figura segura, liberal, inteligente e extremamente bonita. Porém, isso não significa que ela não possua fragilidades e a delicadeza da atriz em apresentar isso em pequenas nuances completa o show. 

Acho que é uma dica bem válida assistir esse filme para quem só conhece a Maggie Smith de “Harry Potter” ou “Downton Abbey”. 

5. LOUISE FLETCHER, por “UM ESTRANHO NO NINHO” 

Pode até ser uma fraude de categoria, porém, não dá para dizer que a Louise Fletcher não merecia o Oscar. 

Em “Um Estranho no Ninho”, a atriz consegue criar o antagonismo perfeito com o Jack Nicholson. Enquanto ele explode de raiva com os absurdos visíveis, ela transparece calma e toda frieza do mundo. Mesmo que não apareça tanto assim no filme, a Louise Fletcher consegue criar uma das maiores vilãs da história do cinema. 

Uma pena que depois deste trabalho ela praticamente não realizou mais nenhum grande filme. 

4. ELLEN BURSTYN, por “ALICE NÃO MORA MAIS AQUI”

Quem disse que o Martin Scorsese não sabe fazer bons filmes protagonizados por mulheres? Mesmo não sendo o gênero preferido dele, ele mandou bem com “Alice Não Mora Mais Aqui”, filme que rendeu o Oscar de Melhor Atriz para Ellen Burstyn, em 1975. 

No auge da carreira após duas indicações por “A Última Sessão de Cinema” e “O Exorcista”, a Ellen Burstyn constrói uma personagem longe das saídas fáceis. Muito pelo contrário: a Alice encara com maior perseverança todos os obstáculos enfrentados para melhorar a vida dela e do filho. Ainda assim com todas as agruras, resta uma dose de ternura seja na hora de cantar ou de se apaixonar. 

3. JANE FONDA, POR “KLUTE” 

Hora do pódio! E a medalha de bronze vai para a Jane Fonda, vencedora do Oscar de 1972 pelo suspense “Klute – O Passado Condena”. 

A Jane Fonda coloca um verdadeiro ponto de interrogação na cabeça do espectador neste filmaço do Alan J Pakula. Afinal, ela trabalha muito bem a dubiedade de uma atriz sem chances de trabalho recorrendo à prostituição para sobreviver. Porém, diferente do que seria costumeiro, a personagem se sente atraída por este tipo de vida por ter o domínio das ações, algo negado a ela fora daquela realidade. 

A Jane Fonda sabe muito usar a sensualidade dela aqui e cria uma personagem que carrega o filme. Talvez, sem ela, o “Klute” perderia grande parte da força que tem. 

2. DIANE KEATON, por “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”

Muito gente lembra do “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” pelo Woody Allen, mas, eu acho que a alma desta comédia romântica responde pela Diane Keaton. 

Que me desculpe a Mia Farrow, Dianne Weist, Marisa Tomei, Scarlett Johansson ou Emma Stone: nenhuma atriz esteve melhor em um filme dirigido pelo Woody Allen do que a Diane Keaton. Vencedora do Oscar em 1978, ela contrapõe, ao mesmo tempo, em que ironicamente combina com o protagonista. Essa parceria é que enriquece o filme para além das tradicionais comédias do diretor, transformando-se em um retrato comovente sobre todas as etapas de um relacionamento. 

1. LIZA MINELLI, por “CABARET”

Fechando este TOP 10, na primeira colocação, a gente tem a Liza Minelli, vencedora do prêmio de Melhor Atriz em 1973 por “Cabaret”. 

Soma o vozeirão para cantar as músicas maravilhosas do filme. Agora, soma as performances sensuais no palco do cabaré. Acrescenta também a energia contagiante de uma estrela no auge da carreira. E, por fim, adiciona a habilidade para o humor.

Esse pacote completo é entregue pela Liza Minelli em uma performance contagiante do início ao fim do musical do Bob Fosse. 

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Kate Winslet

De "Razão e Sensibilidade" a "Steve Jobs", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Kate Winslet no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=nfP509-GoY0&t=249s 7. IRIS  Em 2002, a Kate Winslet disputou melhor atriz coadjuvante por “Iris”.  No...

Oscar 2022 de Melhor Ator: Previsões Iniciais

De Clint Eastwood a Will Smith, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Ator.  https://www.youtube.com/watch?v=3R1FHc5qXlI CHANCES MÍNIMAS    Tem muita gente sem grandes chances no Oscar 2022 de Melhor Ator. Quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Frances McDormand

A Katharine Hepburn pode ser a maior vencedora do Oscar de Melhor Atriz com quatro estatuetas, porém, a Frances McDormand detém um recorde incrível: 100% de aproveitamento na categoria com três indicações e três vitórias.   Ela ainda soma outras nomeações em atriz...

Oscar 2022 de Melhor Atriz: Previsões Iniciais

De Rachel Zegler a Lady Gaga e Kristen Stewart, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Atriz.  https://www.youtube.com/watch?v=IwUGzahLr6c CHANCES MÍNIMAS     Apesar dos muitos elogios a elas, três candidatas parecem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Leonardo DiCaprio

De "Gilbert Grape" a "Era uma vez em Hollywood", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Leonardo DiCaprio no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=zjIqnog1h8Y 6. O REGRESSO  Igual fiz com o Martin Scorsese, começo com o desempenho que valeu o...

Museu da Academia em Los Angeles abre e promete passeio cinéfilo inesquecível

Chegou o dia: o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está aberto para todo o público em Los Angeles. A cerimônia de inauguração aconteceu nesta quinta-feira, 30 de setembro, na The Walt Disney Company Piazza. O passeio promete ser parada obrigatória...

Oscar 2022 de Melhor Filme: Previsões Iniciais – Parte II

Angelina Jolie, Clint Eastwood, Nicole Kidman, Paul Thomas Anderson, Guillermo del Toro e Lady Gaga estão na segunda parte das previsões iniciais do Cine Set para o Oscar 2022 de Melhor Filme.  https://www.youtube.com/watch?v=GIHfiW9th-A CHANCES MÍNIMAS  Três filmes...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Anthony Hopkins

De "O Silêncio dos Inocentes" a "Meu Pai", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Anthony Hopkins no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=02BMDi_x_3Y 6. AMISTAD  Em 1998, o Anthony Hopkins foi indicado a Melhor Ator Coadjuvante por “Amistad”. ...

Oscar 2022 de Melhor Filme: Previsões Iniciais – Parte I

Chegou a hora de falar do Oscar 2022: a partir de agora até o dia 27 de março, tudo sobre o evento mais popular do cinema você encontra aqui no canal do Cine Set no YouTube.  Para começar, vamos com as previsões iniciais para Melhor Filme. Nesta primeira parte, tem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Martin Scorsese

Pode-se dizer sem pestanejar que Martin Scorsese seja o maior diretor vivo do cinema dos EUA. Na história, está ao lado de D.W Griffith e John Ford como os maiores de todos os tempos.  As obras de Scorsese são fundamentais para entender a criação, formação e as...