Experimental, intrigante e sinistro podem ser palavras que resumem bem o primeiro longa-metragem de Bruna Carvalho Almeida. “Os Jovens Baumann” mistura documentário com ficção e envolve o espectador ao apresentar fragmentos de um mistério até hoje sem solução: o desaparecimento de oito primos em uma fazenda no interior de Minas Gerais, em 1992.

O longa de estreia da cineasta deixa claro as suas pretensões e expectativas nesta história interessante. É uma pena, porém, que “Os Jovens Baumann” se perca em suas ambições, tornando o filme confuso, um emaranhado de imagens e sons que pouco contribuem para experiência de imersão do público.

A história, construída pela roteirista Larissa Kurata, em parceria com Bruna, é intrigante. Há uma aura enigmática que nos leva a perguntar: qual o destino desses jovens ricos que só aproveitavam a calmaria e os momentos felizes da vida na fazenda de seus pais?

No estilo found footage, o filme mostra os jovens Jota, Ana Paula, Caio, Fred, Tito, Bia, Debby e Isadora Baumann aproveitando um dia de praia, andando pela floresta, conversando amenidades, jogando bola, praticando tiro. O uso dos vídeos em VHS como artifício para dar o toque experimental e verdadeiro para história funciona até certo ponto. As sombrias cores borradas, principalmente o verde – digno de vídeos íntimos de família –, constroem uma narrativa que envolve o espectador e atiça a curiosidade em descobrir mais sobre os caminhos que levaram ao desaparecimento.

GOSTO AMARGO

Após apresentar os jovens, suas conversas e experiências na fazenda, “Os Jovens Baumann” salta 26 anos. Então, o roteiro utiliza a filha de um caseiro da fazenda como narradora. É ela que vai refletir sobre as dúvidas que pairam sobre o caso, sendo esta narração um dos poucos pontos altos da obra.

Mas, como se bastasse apenas misturar as técnicas e um roteiro minimamente interessante, “Os Jovens Baumann” ignora complemente o efeito de uma boa montagem. A impressão é que a estrutura narrativa se perde na tentativa de ser um filme alternativo ao usar artifícios do suspense e tentar um terror atmosférico.

Com isso, a obra de Bruna Carvalho torna-se monótona, e se perde em seu primeiro ato. O uso de imagens estáticas da fazenda dos Baumann nos dias de hoje, assim como a narração, quebra o envolvimento do espectador.

Os diálogos, que poderiam nos fazer entender mais sobre os protagonistas, são aleatórios, pouco inteligentes e nada contribuem para a compreensão da trama ou, ao menos, criar qualquer empatia pelos personagens. Enquanto você assiste, percebe que os jovens ricos dos anos 1990 só querem privacidade, liberdade e licença poética para criar memórias.

Ao final, o filme de Bruna Carvalho Almeida deixa um gosto amargo, pois, apesar de ser uma obra promissora em criar o mistério, finaliza como um filme raso, cansativo: uma verdadeira confusão. 

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...