O que torna um filme clássico? Certamente esta é uma pergunta um tanto subjetiva. É o roteiro? Direção? Atores? Bom, cabe a você, caro leitor, responder essa pergunta nada fácil. Pois a grandiosidade de um filme que extrapola o seu tempo é vasto e edifica, principalmente, no clamor do público e crítica, penso que esses dois têm um papel crucial na forma como um longa-metragem é eternizado.

Veja bem, um filme é um trabalho de diversas mãos distintas que, juntas, se unem para realizar um trabalho de qualidade e que agrade a plateia. É a arte lapidada. Segundo Harold Osborne, “a obra de arte torna-se como que transparente e nós olhamos, através dela, para o que ela representa”*. A arte é representação, o cinema é uma representação, é sensorial também. Uma ruptura entre a realidade e ficção ou a união dos dois, pois um não vive sem o outro. Precisamos dessa fuga ou da aproximação com o real. Talvez isso seja um dos grandes méritos de um filme que é considerado clássico, cult: ele atinge a mente, o coração do espectador, causa dor, alegria, reflexão, etc. Uma tempestade de sentimentos, representados em infinitas possibilidades, como destaca Osborne.

Talvez quando Truman Capote escrevia Bonequinha de Luxo (1958), ele não imaginasse o poder que sua história aparentemente simples pudesse tocar fundo aos leitores. Mas tocou. Não demorou muito para que o filme fosse adaptado ao cinema ao comando de Blake Edwards. Mas a cereja do bolo estava por vir: Audrey Hepburn. A grande estrela. Muitos nunca assistiram ao filme; eu mesmo assisti pela primeira vez em 2018. Mas sabem da existência de Audrey naquele icônico vestido preto assinado por Givenchy, estilista e um dos maiores amigos e parceiros de Audrey. Compreendem o poder da arte e de como se transforma algo em clássico? Audrey ficou eternizada na pele de Holly Golightly, todos seus acessórios se tornaram tendência, os looks sempre copiados, e industrializados: canecas, almofadas, bolsas e afins. Todos ainda se conectam com aquele rosto classudo, olhar delicado, misterioso, mesmo sem ter assistido o filme! Um fenômeno que completa 50 anos em 2021.

ÍCONE FEMINISTA JÁ EM 1961

Audrey Hepburn é o tipo de estrela atemporal, star quality master! Ela imprime leveza, simpatia, mistério, fúria, doçura em uma atuação em camadas que vai caindo a cada ato e vamos descobrindo uma Holly Golightly diferente, uma menina mulher que busca por liberdade. Uma pequena travessa que quer se conectar com o mundo em que vive, ou seria o mundo que criou? Talvez ela tenha sido uma das primeiras personagens feministas. Ainda que não seja essa intenção, tampouco pauta no cotidiano de uma sociedade em 1961! Holly descobriu como ser dona do seu corpo, do seu destino, das suas escolhas, ainda que por caminhos tortos (como encontrar um milionário que lhe sustente), ela é convicta em suas ações. Ela usa da sua beleza e corpo para manter a sua crença (não esqueçam que ela é uma garota de programa de luxo). Mas o amor fala mais alto. Será mesmo?

Bonequinha de Luxo é um clássico muito mais por sua estrela que ele propriamente dito. Uma comédia romântica mediana, porém charmosa e com uma grande personagem. Todavia, deixa de ser interessante ao longo dos minutos tornando-se cansativo. São muitas ações que não são exploradas profundamente. Claro, uma adaptação nunca será tão complexa como o livro, mas ficou a desejar como, por exemplo, a dualidade entre o passado e presente de Holly/Lula Mae, assim como sua ligação com a máfia.  Um balaio com uma profundidade de um pires que compromete a sua narrativa.

A RAZÃO MAIOR DE UM CLÁSSICO

O amor idealizado entre ela e Paul Varjak (George Peppard, belíssimo!), também é um problema. Amor é pertencer? Ou união e companheirismo? Me parece que esses dois se conectam por não terem melhores partidos e por serem similares (ele é um gigolô de alto nível) e se entregam nessa paixão com muita química, porém conflituosa, pois moldar alguém ao seu bel prazer não é um amor real, mas um amor representativo.

Mas o que torna um filme um clássico? Em Bonequinha de Luxo, podemos dizer que é sobre a ambientação de uma Nova York dos anos 1960, as joias, o apartamento jovial de Holly, o texto de Capote, aqui, adaptado por George Axelrod. Tudo isso passaria despercebido se não fosse a presença iluminada, aventureira, irônica e avassaladora de Audrey Hepburn. Ela é a bonequinha, ela é maior que o filme. Sua elegância e simpatia lhe tornou clássica, como um Midas da 7° Arte, Audrey elevou o nível e construiu um legado particular em um único filme. E isso, meus caros, é um clássico.

*OSBORNE, Harold. Estética e teoria da arte. Tradução de Octavio Mendes Cajado. Editora Cultrix, 3° edição. São Paulo. 1970.

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...

50 Anos de “Clamor ao Sexo”, de Elia Kazan

Dirigido pelo cineasta greco-estadunidense Elia Kazan, "Clamor do Sexo" (Splendor in the Grass, no original) é um filme bastante provocador para a sua época. Lançado em 1961, o drama aborda uma temática que não era tão comum na sociedade norte-americana da década: o...

‘Love Story’: precursor dos romances açucarados atuais

Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no...

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...