“Toda mulher não vive o corpo que ela tem”

Em uma sociedade fundamentada em conceitos patriarcais, a mulher precisa encaixar-se no padrão pré-estabelecido. E, quando isso não acontece, ela se torna objeto de violência até mesmo entre as pessoas do mesmo sexo. Camila Kater apresenta algumas formas de como essa agressão se traduz no corpo da mulher no curta-metragem “Carne”.

Vivemos em um mundo heterogêneo, mesmo assim, é possível perceber certa exigência sobre o corpo feminino. Isso repousa sobre seu formato, sua tonalidade, o que é posto sobre ele e até mesmo sua vitalidade. Diante deste aspecto, a sensação que muitas mulheres carregam e que fica nítido em “Carne” é de que estamos menos próximas de sermos um indivíduo e mais de um pedaço de carne.

Os estágios da existência feminina

Ao longo de sua projeção, a cineasta expõe cinco estágios que um alimento de origem animal pode ser servido: passado, malpassado, ao ponto, ao ponto para mais e bem passado; e os compara as fases da vida de uma mulher, mostrando que, em nenhum desses momentos, o ideal é alcançado. Isso decorre por diversos fatores, alguns deles são debatidos no documentário e abrem brechas para discutir aspectos ainda velados cotidianamente, como, por exemplo, a visão de que o corpo gordo é transitório ou o espaço que é destinado a mulher trans e negra dentro do escopo social.

“Carne” constrói-se utilizando a voz de quem vive na pele esses olhares e a falta de empatia, aspectos que causam identificação e potência ao documentário. Muitas situações e questionamentos levantados pelas entrevistadas perpassam a trajetória feminina e, por mais interessante e dolorosos que sejam, são responsáveis, também, por criar uma atmosfera um tanto lugar comum a produção.

MENSAGEM PODEROSA NÃO AMPLIADA

Acredito que seja necessário levantar tais discussões constantemente, porém, o problema é quando isso não é levado a outra esfera e apenas movimenta superficialmente, situação essa apresentada em “Carne”. Embora essas sejam preocupações latentes do público feminino, causaria um impacto maior se outras concepções também fossem mostradas. O roteiro até procura fazer isso em relação a vitalidade do corpo gordo, as colocações sobre o climatério e as limitações impostas por nascer mulher. Mas nada que já não esteja sempre presente nos debates das redes sociais.

A direção é eficaz em não dar um rosto as mulheres entrevistadas, mas utilizar aspectos cotidianos e usuais para ilustrar suas experiências, tornando a identificação precisa. Afinal, nos últimos tempos a indagação “é um mal negócio ser mulher?”, mesmo que agrida, virou algo que perpassa a mente e assusta muitas mulheres, já que ao mesmo tempo é incrível ser uma, também pode ser doloroso e “Carne” apresenta bem isso.

Camila Kater sintetiza no decorrer da projeção de “Carne” o quão doloroso é a imposição social sobre o corpo feminino e, embora seu filme não amplie as discussões, consegue passar uma mensagem muito poderosa e difícil, a de que estamos todas juntas nesse processo independente do formato, coloração, idade e orientação sexual. Seremos sempre julgadas pela nossa carne.

‘Carne’: a difícil realidade de ser uma mulher em premiado curta

“Toda mulher não vive o corpo que ela tem” Em uma sociedade fundamentada em conceitos patriarcais, a mulher precisa encaixar-se no padrão pré-estabelecido. E, quando isso não acontece, ela se torna objeto de violência até mesmo entre as pessoas do mesmo sexo. Camila...

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...